Pré-escolar público ou privado? | De Mãe para Mãe

Pré-escolar público ou privado?

Responda
37 mensagens
Mãe e Mulher -
Offline
Desde 05 Ago 2021

Olá a todas!
Queria saber qual a vossa opinião e experiências para decidir o que, no final, é mais vantajoso e adequado: optar pelo pré-escolar no público ou no privado (IPSS)?
Não me refiro em termos de despesas pois sei que o público é uma opção muito mais barata. Queria saber a vossa opinião em relação a tudo o resto.
Obrigada!

MALT -
Offline
Desde 27 Jul 2019

Olá!
Para mim o mais importante é saber se é uma escola que trate as crianças com carinho e ajude no seu desenvolvimento.
A minha filha vai permanecer na IPSS que frequenta a nível de creche, agora quando iniciar o pré-escolar no novo ano letivo. Tomei esta opção, em conjunto com o meu marido, porque a minha filha está bem adaptada a está escola, gosta de lá andar, e eu vejo que a tratam bem lá. Além disso, vai manter a mesma educadora que tem agora na creche, até terminar o pré-escolar e, para nós, essa é mais uma vantagem.
Não sei como seria no público, mas ali ela tem várias atividades no horário escolar: atualmente tem música e educação física e no pré-escolar terá também inglês.
Mas mais importante que isto, como já referi, é o bem estar que ela sente lá e tratarem-na bem.

soniamst -
Offline
Desde 22 Dez 2016

Tente obter informações sobre os dois tipos existentes na sua zona, pois existem bons e maus exemplos tanto nas IPSS como no público. Conheço maus casos nos dois tipos de escola.

MisaL -
Offline
Desde 17 Abr 2019

Tem de analisar as opções que tem na sua zona, há bom e mau dos dois lados. Quanto a ser mais barato...se coloca a hipótese do privado é porque tem rendimentos, convém pedir as contas à IPSS, não são por norma lugares baratos a quem tem rendimentos.

carlabrito -
Online
Desde 30 Maio 2017

a designacao publica ou privada é totalmente irrelevante.
O importante é como tratam os bebés/crianças lá dentro.
Deverá ter referencias das suas opçoes, ouvir as proprias instituicoes e seguir tambem a sua intuiçao.

Mãe e Mulher -
Offline
Desde 05 Ago 2021

carlabrito escreveu:
a designacao publica ou privada é totalmente irrelevante.
O importante é como tratam os bebés/crianças lá dentro.
Deverá ter referencias das suas opçoes, ouvir as proprias instituicoes e seguir tambem a sua intuiçao.

Tenho dúvidas também em relação ao próprio "currículo" pois a ideia que tenho é que as IPSS costumam incidir sobre várias aprendizagens enquanto não faço ideia se no público o programa deles é igualmente rico ou se simplesmente estão lá "a tomar conta das crianças". Não sei se me fiz entender. Por isso questionava se alguém tinha conhecimento do funcionamento em ambos os sítios.

Mãe e Mulher -
Offline
Desde 05 Ago 2021

MALT escreveu:
Olá!
Para mim o mais importante é saber se é uma escola que trate as crianças com carinho e ajude no seu desenvolvimento.
A minha filha vai permanecer na IPSS que frequenta a nível de creche, agora quando iniciar o pré-escolar no novo ano letivo. Tomei esta opção, em conjunto com o meu marido, porque a minha filha está bem adaptada a está escola, gosta de lá andar, e eu vejo que a tratam bem lá. Além disso, vai manter a mesma educadora que tem agora na creche, até terminar o pré-escolar e, para nós, essa é mais uma vantagem.
Não sei como seria no público, mas ali ela tem várias atividades no horário escolar: atualmente tem música e educação física e no pré-escolar terá também inglês.
Mas mais importante que isto, como já referi, é o bem estar que ela sente lá e tratarem-na bem.

Pois, a questão do programa desenvolvido no público para mim é uma incógnita. Na minha zona tanto a IPSS como a escola pública são recomendáveis em termos de tratamento que dão às crianças. Fico é na dúvida em relação às aprendizagens que desenvolvem em cada um dos sítios.

MisaL -
Offline
Desde 17 Abr 2019

Ambos têm de ter um projeto educativo e um regulamento interno. Veja na internet ou peça os documentos para consulta. Acho mesmo que os deve ler, são raros os pais que os conhecem e são a base das instituições.

Mãe e Mulher escreveu:

MALT escreveu:Olá!
Para mim o mais importante é saber se é uma escola que trate as crianças com carinho e ajude no seu desenvolvimento.
A minha filha vai permanecer na IPSS que frequenta a nível de creche, agora quando iniciar o pré-escolar no novo ano letivo. Tomei esta opção, em conjunto com o meu marido, porque a minha filha está bem adaptada a está escola, gosta de lá andar, e eu vejo que a tratam bem lá. Além disso, vai manter a mesma educadora que tem agora na creche, até terminar o pré-escolar e, para nós, essa é mais uma vantagem.
Não sei como seria no público, mas ali ela tem várias atividades no horário escolar: atualmente tem música e educação física e no pré-escolar terá também inglês.
Mas mais importante que isto, como já referi, é o bem estar que ela sente lá e tratarem-na bem.

Pois, a questão do programa desenvolvido no público para mim é uma incógnita. Na minha zona tanto a IPSS como a escola pública são recomendáveis em termos de tratamento que dão às crianças. Fico é na dúvida em relação às aprendizagens que desenvolvem em cada um dos sítios.

Sofia Guerreiro -
Offline
Desde 08 Maio 2009

Tal como foi dito acima, há vários aspetos tem analisar não só a nível financeiro, para mim nível humano e aprendizagem conta mais. Informa-se escolas publicas e IPSS tem em seu redor se possível faça uma visita, para mim foi fundamental no momento da decisão. Optei pelo publico e não me arrependi, ainda hoje eles tem boas memórias desse tempo.

guialmi -
Offline
Desde 13 Jul 2013

No ensino pré-escolar não existe um programa a cumprir mas sim orientações curriculares, que cada instituição adapta, mediante o projeto educativo definido para esse ano. É impossível dizer se as aprendizagens são mais ricas no público ou no privado porque depende do projeto e (em grande parte) da educadora. Quanto a atividades extracurriculares, também depende da instituição. No caso do público, a menos que possa ir buscar a criança cedo, também terá de ver como funciona o CAF (prolongamento).

Andreissse -
Offline
Desde 13 Nov 2015

Em termos pedagógicos, o privado tem mais oferta bem como atividades.. Mas acima de tudo o importante é se tratam e acarinham bem as crianças. Eu tenho no privado e estou super feliz nem ponderava trocar mas lá está... A minha filha também adora estar lá... Isso é o mais importante

Ana Maria Costa1 -
Offline
Desde 01 Fev 2019

Não concordo com o comentário acima, não se pode generalizar assim! As orientações curriculares do pré-escolar emanam do ministério da educação para ser aplicadas quer no público quer nas ipss, há flexibilidade na forma como são trabalhadas e ainda bem que assim é, pois permite adapta-las ao grupo de crianças e ao meio. De resto brincar deve ser a primeira prioridade. Em relação às atividades extracurriculares elas existem, pode informar-se sobre isso no agrupamento ou na camara municipal. E não o público não é um depósito de crianças, pelo contrário, a exigência aos educadores e profesores é grande.

Margarida_2017 -
Offline
Desde 31 Jul 2019

Acho que acima de tudo .

Primeiro é preciso saber a idade da criança em causa . Pela sua descrição deu-me a entender que é uma criança de 3 anos .

Se assim for , a criança tem necessidade de dormir?? Se sim o caso fica logo arrumado , uma ipss onde as crianças de 3 anos dormem ( não conheço nenhuma em que não durmam e conheço bastantes )
Se a criança já não tiver esse necessidade aí deve ponderar em vários aspetos .
Primeiro as inscrições no público já foram , as listas já estão feitas para o próximo ano, por isso pode não entrar onde pretende , mas onde houver vaga.

Depois se não se importa que na mesma sala estejam criança de 3/4/5 e talvez 6 anos . ( infelizmente é a realidade) .

A nível de profissionais , tanto apanha bons ou maus nos dois lados . Isso é uma sorte, até porque pode ser um bom profissional e não se enquadrar com o seu método de ensino. ( por acaso é o que acontece comigo 😅 eu não digo que a educadora do meu filho seja ma , mas eu gosto mais de outros métodos de ensino , não o que ela pratica, não se consegue agradar a todos infelizmente)

Para mim estes são os aspetos mais importantes para pensar e ponderar .

guialmi -
Offline
Desde 13 Jul 2013

Na minha zona as crianças que andam nos jardins de infância públicos podem dormir a sesta se os pais assim quiserem.
As turmas mistas têm um fundamento pedagógico e raramente estão crianças dos 3 aos 6, o mais habitual é 3/4 e 4/5.
Há muitos equívocos quanto ao ensino pré escolar público...

JustLove -
Offline
Desde 20 Jun 2016

guialmi escreveu:
Na minha zona as crianças que andam nos jardins de infância públicos podem dormir a sesta se os pais assim quiserem.
As turmas mistas têm um fundamento pedagógico e raramente estão crianças dos 3 aos 6, o mais habitual é 3/4 e 4/5.
Há muitos equívocos quanto ao ensino pré escolar público...

Mas as criancas que fazem 6 anos logo no inicio do ano tem de andar nalgum lado ja que na primaria apenas os que fszem 6 anos ate dezembro podem tentar vagas penso que condicionais. Sei pq como o meu filho faz anos em janeiro um dia ate podera ter 6 anos e muitosss meses ate poder entrar na escola primaria.

Sobre JustLove

Iiu / 4 fivs sem sucesso
G não evolutiva
G natural  Maio 2017 AE 9 sem
G natural Agosto 2017 AR 9 sem
fiv +++ bhcg 2000

JustLove -
Offline
Desde 20 Jun 2016

Sobre o tema eu n posso opinar muito visto o meu filho nunca ter frequentado ipss por muito que eu o tivesse desejado.
Vai este ano para o jardim de infância publico e já sinto o coração nas mãos.
Nas ipss ou privados são mais educadoras. No publico é 1 educadora e 1 aux para uma turma. Os horários tb são mais reduzidos.
Como nao posso pagar um privado vai para o publico esta é a minha realidade pois ate o próprio miúdo pede para ir para a escola.

Sobre JustLove

Iiu / 4 fivs sem sucesso
G não evolutiva
G natural  Maio 2017 AE 9 sem
G natural Agosto 2017 AR 9 sem
fiv +++ bhcg 2000

Ana Maria Costa1 -
Offline
Desde 01 Fev 2019

JustLove escreveu:
Sobre o tema eu n posso opinar muito visto o meu filho nunca ter frequentado ipss por muito que eu o tivesse desejado.
Vai este ano para o jardim de infância publico e já sinto o coração nas mãos.
Nas ipss ou privados são mais educadoras. No publico é 1 educadora e 1 aux para uma turma. Os horários tb são mais reduzidos.
Como nao posso pagar um privado vai para o publico esta é a minha realidade pois ate o próprio miúdo pede para ir para a escola.

Na idade do seu filho mesmo nas ipss será sempre uma educadora por grupo de crianças. O horário não é exactamente mais reduzido porque tem prolongamento ( componente de apoio à família), pelo menos na maioria dos jardins de infância. Se o seu filho faz anos em janeiro entrará para a escola com 6 anos e 8 meses e isso não tem mal nenhum, antes pelo contrário!

JustLove -
Offline
Desde 20 Jun 2016

Ana Maria Costa1 escreveu:

JustLove escreveu:Sobre o tema eu n posso opinar muito visto o meu filho nunca ter frequentado ipss por muito que eu o tivesse desejado.
Vai este ano para o jardim de infância publico e já sinto o coração nas mãos.
Nas ipss ou privados são mais educadoras. No publico é 1 educadora e 1 aux para uma turma. Os horários tb são mais reduzidos.
Como nao posso pagar um privado vai para o publico esta é a minha realidade pois ate o próprio miúdo pede para ir para a escola.

Na idade do seu filho mesmo nas ipss será sempre uma educadora por grupo de crianças. O horário não é exactamente mais reduzido porque tem prolongamento ( componente de apoio à família), pelo menos na maioria dos jardins de infância. Se o seu filho faz anos em janeiro entrará para a escola com 6 anos e 8 meses e isso não tem mal nenhum, antes pelo contrário!


O meu filho tem 3 anos e uns meses conforme assinatura.
Algures no futuro ira acontecer essa situação q a depender da criança podera ser ou não benéfico ( so na altura o poderei verificar).

Sobre JustLove

Iiu / 4 fivs sem sucesso
G não evolutiva
G natural  Maio 2017 AE 9 sem
G natural Agosto 2017 AR 9 sem
fiv +++ bhcg 2000

Ana Maria Costa1 -
Offline
Desde 01 Fev 2019

Não se trata de achar ser benéfico ou não, trata-se do seu filho não poder entrar em setembro com 5 anos a fazer 6 em janeiro, o limite é até dezembro e mesmo assim condicional.

guialmi -
Offline
Desde 13 Jul 2013

JustLove escreveu:
Sobre o tema eu n posso opinar muito visto o meu filho nunca ter frequentado ipss por muito que eu o tivesse desejado.
Vai este ano para o jardim de infância publico e já sinto o coração nas mãos.
Nas ipss ou privados são mais educadoras. No publico é 1 educadora e 1 aux para uma turma. Os horários tb são mais reduzidos.
Como nao posso pagar um privado vai para o publico esta é a minha realidade pois ate o próprio miúdo pede para ir para a escola.

Outro equívoco. Regra geral, há sempre apenas uma educadora por sala, no público ou no privado (e a haver exceções, serão mais no público, se o agrupamento tiver excedente de educadoras - algo que acontece no interior do país) . Auxiliares depende mais uma vez do agrupamento, de ter ou não crianças NEE, etc. Mas o tamanho das turmas não depende de ser público ou privado, o limite de crianças é exatamente o mesmo. Eu vivo numa capital de distrito e as turmas no público são pequenas, porque há poucas crianças. Chegam a estar 2 educadoras para 10 crianças...
É uma pena que encare a ida do seu filho para o pré escolar público como uma desvantagem, porque eu posso assegurar-lhe que existem excelentes educadoras no ensino público. Sei porque dou-lhes formação, algo que têm de fazer obrigatoriamente e no privado não (por exemplo).

JustLove -
Offline
Desde 20 Jun 2016

guialmi escreveu:

JustLove escreveu:Sobre o tema eu n posso opinar muito visto o meu filho nunca ter frequentado ipss por muito que eu o tivesse desejado.
Vai este ano para o jardim de infância publico e já sinto o coração nas mãos.
Nas ipss ou privados são mais educadoras. No publico é 1 educadora e 1 aux para uma turma. Os horários tb são mais reduzidos.
Como nao posso pagar um privado vai para o publico esta é a minha realidade pois ate o próprio miúdo pede para ir para a escola.

Outro equívoco. Regra geral, há sempre apenas uma educadora por sala, no público ou no privado (e a haver exceções, serão mais no público, se o agrupamento tiver excedente de educadoras - algo que acontece no interior do país) . Auxiliares depende mais uma vez do agrupamento, de ter ou não crianças NEE, etc. Mas o tamanho das turmas não depende de ser público ou privado, o limite de crianças é exatamente o mesmo. Eu vivo numa capital de distrito e as turmas no público são pequenas, porque há poucas crianças. Chegam a estar 2 educadoras para 10 crianças...
É uma pena que encare a ida do seu filho para o pré escolar público como uma desvantagem, porque eu posso assegurar-lhe que existem excelentes educadoras no ensino público. Sei porque dou-lhes formação, algo que têm de fazer obrigatoriamente e no privado não (por exemplo).


Eu n disse se existia ou não boas educadoras no publico (certamente que ). Alias ate conheço quem faca esse trabalho de educadora no publico e seja boa educadora ( penso q o seja pela propria maneira como vejo o tratamento.aos próprios filhos embora curioso ou não os seus filhos sempre estudaram no privado.

Sobre JustLove

Iiu / 4 fivs sem sucesso
G não evolutiva
G natural  Maio 2017 AE 9 sem
G natural Agosto 2017 AR 9 sem
fiv +++ bhcg 2000

carlabrito -
Online
Desde 30 Maio 2017

JustLove escreveu:
Sobre o tema eu n posso opinar muito visto o meu filho nunca ter frequentado ipss por muito que eu o tivesse desejado.
Vai este ano para o jardim de infância publico e já sinto o coração nas mãos.
Nas ipss ou privados são mais educadoras. No publico é 1 educadora e 1 aux para uma turma. Os horários tb são mais reduzidos.
Como nao posso pagar um privado vai para o publico esta é a minha realidade pois ate o próprio miúdo pede para ir para a escola.

Os meus filhos estão num privado e olhe que na turma do Henrique no inicio do ano eram 24 meninos, e apenas a educadora.
Apenas nas turmas de bebés até aos 3 anos é que está a educadora e uma auxiliar (miudas acabadas de sair da faculdade com 20-22 anos. Que sao super queridas!). E sao na mesma cerca de 20 bebés.
Nisso, é igual.
Eventualmente, eu acredito que no publico as turmas possam ser maiores.
Eu já ouvi falar de turmas de 30 alunos. Nao sei se é verdade ou nao.

carlabrito -
Online
Desde 30 Maio 2017

Eu quero acreditar no ensino público. E acredito que seja bom em muitos sítios. E conheço pais que felizmente estao satisfeitos com o ensino publico.
Mas infelizmente há grandes diferenças entre os dois.
No privado os professores têm mais liberdade para o ensino. No público têm que seguir regras mais restritas.
E tambem vejo que no privado retiram o melhor dos miudos de uma forma muito simples e muito eficaz.
Eu comecei pelo público e tive uma péssima experiência, infelizmente. E fui avisada antes do Henrique começar.
Mas quero acreditar que é um caso isolado.

Ana Maria Costa1 -
Offline
Desde 01 Fev 2019

Carla isso da liberdade depende, se falarmos de privados que seguem determinado método ela não existe, João de Deus por eexemplo. Pelo que vejo até há mais flexibilidade é mesmo no público, não terem um dono e intuito do lucro também faz ao caso...

carlabrito -
Online
Desde 30 Maio 2017

Ana Maria Costa1 escreveu:
Carla isso da liberdade depende, se falarmos de privados que seguem determinado método ela não existe, João de Deus por eexemplo. Pelo que vejo até há mais flexibilidade é mesmo no público, não terem um dono e intuito do lucro também faz ao caso...

Nao conheço esse colégio, nem o método em Portugal, mas quer me parecer que no geral, seja lá onde for, é preciso ter sorte.
Ovelhas ranhosas há em todo o lado.
Eu acho é que no público nao há tanta avaliaçao/fiscalizacao das capacidades dos professores.
Tenho ouvido muitos relatos de educadoras ou auxiliares que nao têm paciencia nenhuma para crianças e as crianças nao sao muito bem tratadas
Talvez no privado haja um aperto muito maior. Se nao és boa, és depedida. Pelo menos no colégio dos meus filhos facilmente sao despedidas.
Agora se é assim em todo o lado... pois...
Andamos aqui as voltas e nao chegamos a conclusao nenhuma

Ana Maria Costa1 -
Offline
Desde 01 Fev 2019

No público tanto educadoras como auxiliares são avaliadas, aliás é um dos factores para as educadoras progredirem na carreira. Também têm de fazer formação contínua e o seu trabalho é escrutinado pelos agrupamentos.

carlabrito -
Online
Desde 30 Maio 2017

Ana Maria Costa1 escreveu:
No público tanto educadoras como auxiliares são avaliadas, aliás é um dos factores para as educadoras progredirem na carreira. Também têm de fazer formação contínua e o seu trabalho é escrutinado pelos agrupamentos.

mas eu já "ouvi" aqui no forum e em conversas com amigas que ha casos de educadoras que sao muito rigidas para as crianças. Castigam, nao têm paciencia, etc.
Como é que este tipo de educadora está responsavel por uma turma?

Ana Maria Costa1 -
Offline
Desde 01 Fev 2019

Pois disso há nos dois lados, infelizmente!

Mãe e Mulher -
Offline
Desde 05 Ago 2021

JustLove escreveu:

guialmi escreveu:

JustLove escreveu:Sobre o tema eu n posso opinar muito visto o meu filho nunca ter frequentado ipss por muito que eu o tivesse desejado.
Vai este ano para o jardim de infância publico e já sinto o coração nas mãos.
Nas ipss ou privados são mais educadoras. No publico é 1 educadora e 1 aux para uma turma. Os horários tb são mais reduzidos.
Como nao posso pagar um privado vai para o publico esta é a minha realidade pois ate o próprio miúdo pede para ir para a escola.

Outro equívoco. Regra geral, há sempre apenas uma educadora por sala, no público ou no privado (e a haver exceções, serão mais no público, se o agrupamento tiver excedente de educadoras - algo que acontece no interior do país) . Auxiliares depende mais uma vez do agrupamento, de ter ou não crianças NEE, etc. Mas o tamanho das turmas não depende de ser público ou privado, o limite de crianças é exatamente o mesmo. Eu vivo numa capital de distrito e as turmas no público são pequenas, porque há poucas crianças. Chegam a estar 2 educadoras para 10 crianças...
É uma pena que encare a ida do seu filho para o pré escolar público como uma desvantagem, porque eu posso assegurar-lhe que existem excelentes educadoras no ensino público. Sei porque dou-lhes formação, algo que têm de fazer obrigatoriamente e no privado não (por exemplo).

Eu n disse se existia ou não boas educadoras no publico (certamente que ). Alias ate conheço quem faca esse trabalho de educadora no publico e seja boa educadora ( penso q o seja pela propria maneira como vejo o tratamento.aos próprios filhos embora curioso ou não os seus filhos sempre estudaram no privado.

Nunca teve curiosidade em perguntar o porquê dos filhos dela andarem no privado? Acho que o ponto de vista dela seria muito interessante como alguém que está no público mas que por algum motivo não coloca lá os seus filhos. A educadora da minha filha fez o contrário, passou a filha dela do privado para o público mas aí justificou com questões financeiras e também o facto de não querer que a filha continuasse a frequentar o mesmo estabelecimento de ensino que a mãe pois não estava a ser adequado nem emocionalmente saudável para ambas. Pareceu-me uma explicação válida.

MisaL -
Offline
Desde 17 Abr 2019

Eu tenho um no privado e outro no público e acho que vão saltitar algumas vezes entre um e outro 🤪
Eu avalio momento a momento, pessoa a pessoa e acho que não existe uma receita geral.

Mãe e Mulher escreveu:

JustLove escreveu:

guialmi escreveu:

JustLove escreveu:Sobre o tema eu n posso opinar muito visto o meu filho nunca ter frequentado ipss por muito que eu o tivesse desejado.
Vai este ano para o jardim de infância publico e já sinto o coração nas mãos.
Nas ipss ou privados são mais educadoras. No publico é 1 educadora e 1 aux para uma turma. Os horários tb são mais reduzidos.
Como nao posso pagar um privado vai para o publico esta é a minha realidade pois ate o próprio miúdo pede para ir para a escola.

Outro equívoco. Regra geral, há sempre apenas uma educadora por sala, no público ou no privado (e a haver exceções, serão mais no público, se o agrupamento tiver excedente de educadoras - algo que acontece no interior do país) . Auxiliares depende mais uma vez do agrupamento, de ter ou não crianças NEE, etc. Mas o tamanho das turmas não depende de ser público ou privado, o limite de crianças é exatamente o mesmo. Eu vivo numa capital de distrito e as turmas no público são pequenas, porque há poucas crianças. Chegam a estar 2 educadoras para 10 crianças...
É uma pena que encare a ida do seu filho para o pré escolar público como uma desvantagem, porque eu posso assegurar-lhe que existem excelentes educadoras no ensino público. Sei porque dou-lhes formação, algo que têm de fazer obrigatoriamente e no privado não (por exemplo).

Eu n disse se existia ou não boas educadoras no publico (certamente que ). Alias ate conheço quem faca esse trabalho de educadora no publico e seja boa educadora ( penso q o seja pela propria maneira como vejo o tratamento.aos próprios filhos embora curioso ou não os seus filhos sempre estudaram no privado.

Nunca teve curiosidade em perguntar o porquê dos filhos dela andarem no privado? Acho que o ponto de vista dela seria muito interessante como alguém que está no público mas que por algum motivo não coloca lá os seus filhos. A educadora da minha filha fez o contrário, passou a filha dela do privado para o público mas aí justificou com questões financeiras e também o facto de não querer que a filha continuasse a frequentar o mesmo estabelecimento de ensino que a mãe pois não estava a ser adequado nem emocionalmente saudável para ambas. Pareceu-me uma explicação válida.

carlabrito -
Online
Desde 30 Maio 2017

MisaL escreveu:
Eu tenho um no privado e outro no público e acho que vão saltitar algumas vezes entre um e outro 🤪
Eu avalio momento a momento, pessoa a pessoa e acho que não existe uma receita geral.

Mãe e Mulher escreveu:

JustLove escreveu:

guialmi escreveu:

JustLove escreveu:Sobre o tema eu n posso opinar muito visto o meu filho nunca ter frequentado ipss por muito que eu o tivesse desejado.
Vai este ano para o jardim de infância publico e já sinto o coração nas mãos.
Nas ipss ou privados são mais educadoras. No publico é 1 educadora e 1 aux para uma turma. Os horários tb são mais reduzidos.
Como nao posso pagar um privado vai para o publico esta é a minha realidade pois ate o próprio miúdo pede para ir para a escola.

Outro equívoco. Regra geral, há sempre apenas uma educadora por sala, no público ou no privado (e a haver exceções, serão mais no público, se o agrupamento tiver excedente de educadoras - algo que acontece no interior do país) . Auxiliares depende mais uma vez do agrupamento, de ter ou não crianças NEE, etc. Mas o tamanho das turmas não depende de ser público ou privado, o limite de crianças é exatamente o mesmo. Eu vivo numa capital de distrito e as turmas no público são pequenas, porque há poucas crianças. Chegam a estar 2 educadoras para 10 crianças...
É uma pena que encare a ida do seu filho para o pré escolar público como uma desvantagem, porque eu posso assegurar-lhe que existem excelentes educadoras no ensino público. Sei porque dou-lhes formação, algo que têm de fazer obrigatoriamente e no privado não (por exemplo).

Eu n disse se existia ou não boas educadoras no publico (certamente que ). Alias ate conheço quem faca esse trabalho de educadora no publico e seja boa educadora ( penso q o seja pela propria maneira como vejo o tratamento.aos próprios filhos embora curioso ou não os seus filhos sempre estudaram no privado.

Nunca teve curiosidade em perguntar o porquê dos filhos dela andarem no privado? Acho que o ponto de vista dela seria muito interessante como alguém que está no público mas que por algum motivo não coloca lá os seus filhos. A educadora da minha filha fez o contrário, passou a filha dela do privado para o público mas aí justificou com questões financeiras e também o facto de não querer que a filha continuasse a frequentar o mesmo estabelecimento de ensino que a mãe pois não estava a ser adequado nem emocionalmente saudável para ambas. Pareceu-me uma explicação válida.

É isso mesmo.
Até agora estou muito satisfeita com a escola dos meus, mas para o ano, ou daqui a uns anos, houver necessidade de mudar, pois que mudarei.
Esperamos sempre que nao, que corra tudo bem.
Mas nao se sabe o dia de amanha...