Plano de parto ???? | De Mãe para Mãe

Plano de parto ????

Responda
35 mensagens
Margarida_2017 -
Offline
Desde 31 Jul 2019

Olá!!!

Eu já estou case de 38 semanas e não sei se fazer plano de parto ou não ... já ouvi tantas versões... nem sei como fazer ??
As mamas como estão a pensar fazer ??? Quem já teve os bebés como fizerem ?? Foram respeitados os vossos pedidos /interesses ???
Se tudo correr como previsto vou ter Baby em Gaia ...
outra dúvida deram banho ao vosso Baby mal ele nasceu?? É melhor dar ou não dar?? Tanta informação que nós é dada que chego a uma altura já não sei o que é melhor ..

Obrigado pela vossa ajuda

Cris3010 -
Offline
Desde 28 Ago 2015

Olá 😊 olha, dá outra gravidez não cheguei a fazer o plano de parto porque o rapaz trocou-me as voltas e nasceu 2 semanas msis cedo. Desta vez queria fazer, acho que vale sempre a pena expressar os aquilo que desejamos nesse dia! Quanto ao respeitarem, sinceramente acho que depende muito da equipa que apanhares e do volume de trabalho no bloco de partos. Quando foi do meu filho, era a loucura, eles não tinham maos a medir!
.
Relativamente ao banho, cada vez mais se advoga que os bebes não devem tomar banho logo. No hospital onde a minha vai nascer, dá-se banho ao segundo dia.

Sobre Cris3010

Último AC - outubro 2011; Encam. para cons. infertilidade - mar. 2013; 1.ª cons. - jul. 2013; 1.ª FIV - set. 2014 (-); 1.ª TEC - dez. 2014 (+) Gravidez não evolutiva - AE janeiro 2015; 2.ª TEC - abr.2015 (+) ❤️Acreditar é o primeiro passo! Jul. 2019 - gravidez espontânea ❤️

Marina4 -
Offline
Desde 15 Maio 2016

Não se dá banho logo, coitadinhos, acabados de sair do quentinho...a minha Mamou logo.

MisaL -
Online
Desde 17 Abr 2019

Não se dá logo banho, nem nós, nem os enfermeiros.
Quanto ao plano, se se refere a escrever um plano, eu não o faria. Agora a pensar e ter o seu plano, sim, o acompanhamento também estar a par de tudo.
Aquilo que eu acho é que se estivermos bem é suficiente expressarmos vontade, se não estivermos com grande cabeça para as coisas ter um plano pode não nos favorecer.
O importante é saber o que queremos e o que não queremos e ir de mente aberta é um momento único e há um bebé com vontades que podem não ser as nossas.
Pensar em duas ou três questões chave é suficiente, eu diria, que basta: epidural, episiotomia, corte do cordão umbilical, células estaminais e primeiros segundos pós nascimento.

Margarida_2017 -
Offline
Desde 31 Jul 2019

Dar banho logo quando nascem , sim no curso de preparação para o parto falaram nisso e no hospital também ..

O plano de parto a ideia não é ir com ideias fechadas , mas sim que gostávamos que fizessem isso se fosse possível, como mamar logo após o nascimento, se não pedirmos isso não acontece . A ideia é Ter escrito, para depois não estar preocupada com isso ... acho eu ..

MisaL -
Online
Desde 17 Abr 2019

Conheço todos na área do Porto e tive os meus em 2 diferentes, nunca ouvi que dessem banho após o nascimento. Limpam, mas banho com água? No norte não se faz.
Aqui também mamam logo após o nascimento, aí a ideia seria o contrário, para quem não o quer fazer ou não quer amamentar de todo, podia ter vantagem em escrever, para que na hora não houvesse "pressão".
A minha opinião mais sincera, na hora ninguém se vai interessar por aquilo que está lá escrito, mas pode tentar saber como é no seu hospital o procedimento.

Margarida_2017 escreveu:
Dar banho logo quando nascem , sim no curso de preparação para o parto falaram nisso e no hospital também ..
O plano de parto a ideia não é ir com ideias fechadas , mas sim que gostávamos que fizessem isso se fosse possível, como mamar logo após o nascimento, se não pedirmos isso não acontece . A ideia é Ter escrito, para depois não estar preocupada com isso ... acho eu ..

Marina4 -
Offline
Desde 15 Maio 2016

Também nunca ouvi falar em dar banho a um bebé acabado de nascer.

Margarida_2017 -
Offline
Desde 31 Jul 2019

Marina4 escreveu:
Também nunca ouvi falar em dar banho a um bebé acabado de nascer.

A sério ??? Eu ouvi por isso a minha dúvida , e a questão põem-se por causa de retirar ou não o vertix ( penso estar a escrever direito )

Marina4 -
Offline
Desde 15 Maio 2016

O vernix acho, mas isso é só limpar

JaniMar -
Offline
Desde 09 Jan 2019

Para mim faz todo o sentido ter, por variadas razões. Primeiro, informação não ocupada lugar e, ao prepará-lo estamos a descobrir coisas, o que nos dá segurança que estamos a tomar as opções certas e informadas e não a ficar a 100% nas mãos de quem encontramos. Exemplo: eu quero ter liberdade de movimentos durante o trabalho de parto e poder escolher a posição de parir; de tudo o que li e aprendi no curso sei é o recomendado pela OMS, que ajuda no tp, que ajuda a evitar uso de instrumento no período expulsivo, etc Então, gosto de ter isso por escrito para que o saibam mas, mais ainda, para eu saber de antemão em que situações é que pode não ser possível para me mentalizar antes, e também evitar que entre uma enfermeira que me mande deitar "só porque sim" como já ouvi em várias histórias, sem qualquer razão médica ou pelo menos sem me explicar... Ou se tiver de ir para cesariana sem estar a contar, saber como é o procedimento, quando o pai entra na sala comigo ou não, pedir para fazer na mesma pele com pele, dar de mamar na primeira hora de vida, etc.
Podemos incluir também coisas como não querer uso de chupeta, biberão, ou que não queremos dar de mamar e queremos que nos dêem LA, que queremos banho o mais tarde possível ou não, etc. Quem lá está também não é adivinho e pode fazer algo de total boa vontade e não ser o que queremos.

Quanto ao ligarem ou não ao que escrevemos, não é assim tão linear que possam ignorar e pronto. Claro que o plano deve ter pés e cabeça e ser o que faz sentido para aquele caso mas, fazendo sentido, a equipa não pode ignorar só porque quer, há inclusivamente um parecer da Ordem dos Enfermeiros já com alguns anos em que diz que este plano deve ser observado e considerado. Não sendo um contrato e estando sempre em jogo a salvaguarda de duas vidas por parte da equipa médica, deve pelo menos ser tido em consideração.

Isto tudo vale o que vale, cada mulher tem a sua perspectiva e há quem prefira ir sem saber nada nem pedir nada. Desde que se sintam bem na hora H é o que conta Sorriso

Margarida_2017 -
Offline
Desde 31 Jul 2019

JaniMar escreveu:
Para mim faz todo o sentido ter, por variadas razões. Primeiro, informação não ocupada lugar e, ao prepará-lo estamos a descobrir coisas, o que nos dá segurança que estamos a tomar as opções certas e informadas e não a ficar a 100% nas mãos de quem encontramos. Exemplo: eu quero ter liberdade de movimentos durante o trabalho de parto e poder escolher a posição de parir; de tudo o que li e aprendi no curso sei é o recomendado pela OMS, que ajuda no tp, que ajuda a evitar uso de instrumento no período expulsivo, etc Então, gosto de ter isso por escrito para que o saibam mas, mais ainda, para eu saber de antemão em que situações é que pode não ser possível para me mentalizar antes, e também evitar que entre uma enfermeira que me mande deitar "só porque sim" como já ouvi em várias histórias, sem qualquer razão médica ou pelo menos sem me explicar... Ou se tiver de ir para cesariana sem estar a contar, saber como é o procedimento, quando o pai entra na sala comigo ou não, pedir para fazer na mesma pele com pele, dar de mamar na primeira hora de vida, etc.
Podemos incluir também coisas como não querer uso de chupeta, biberão, ou que não queremos dar de mamar e queremos que nos dêem LA, que queremos banho o mais tarde possível ou não, etc. Quem lá está também não é adivinho e pode fazer algo de total boa vontade e não ser o que queremos.
Quanto ao ligarem ou não ao que escrevemos, não é assim tão linear que possam ignorar e pronto. Claro que o plano deve ter pés e cabeça e ser o que faz sentido para aquele caso mas, fazendo sentido, a equipa não pode ignorar só porque quer, há inclusivamente um parecer da Ordem dos Enfermeiros já com alguns anos em que diz que este plano deve ser observado e considerado. Não sendo um contrato e estando sempre em jogo a salvaguarda de duas vidas por parte da equipa médica, deve pelo menos ser tido em consideração.
Isto tudo vale o que vale, cada mulher tem a sua perspectiva e há quem prefira ir sem saber nada nem pedir nada. Desde que se sintam bem na hora H é o que conta

Concordo com tudo o que disse ... a minha ideia é mesmo essa , expressar a minha vontade , sei que há circunstâncias que podem não se realizar por algum motivo ( razões clínicas ) mas se for possível queria mesmo que acontece ... não vou dizer que não são flexível, mas posso não estar em condições de expressar a minha vontade e assim ficam a saber .. Até porque não chegamos lá e é já agora que vai nascer a criança, raros são os casos que isso acontece 😅

Eloise18 -
Offline
Desde 06 Dez 2019

Eu acho que faz muito bem em fazer um plano de parto. Na minha altura informei - me dos procedimentos protocolos do hospital onde estava a pensar ter a bebé e sempre que estes não incluíssem alguma coisa que eu queria ou fossem numa direção contrária ao que eu pretendia, eu incluía no plano de parto. Por exemplo, eu não incluí liberdade de movimento no trabalho de parto porque o hospital onde nasceu a minha filha já era habitual fazer isso a todas as grávidas em tp sempre que medicamente possível mas incluí poder escolher e mudar de posição durante o período expulsivo pois a norma no hospital é deitar as grávidas de barriga para cima. Um conselho que eu dou é tentar escrever apenas as coisas mais significativas para si em vez de uma lista enorme pois é mais provável que estes sejam notados pela equipa médica. Por isso é que vejo vantagem em perceber os procedimentos rotineiros do hospital antes de escrever o plano de parto, assim poupa espaço mental para os pontos mais importantes... Quanto ao banho após o nascimento, acho melhor esperar.

Margarida_2017 -
Offline
Desde 31 Jul 2019

Obrigada pelas vossas opiniões..
fiz a visita ao hospital e só hoje terminei o meu plano de parto ...
escrevi só aquilo que era mesmo importante para mim .. o resto vamos conversando e vendo como as coisas correm ..

Agora é esperar pelo grande dia 😚

marlene1987 -
Offline
Desde 13 Out 2019

Margarida_2017 escreveu:
Obrigada pelas vossas opiniões..
fiz a visita ao hospital e só hoje terminei o meu plano de parto ...
escrevi só aquilo que era mesmo importante para mim .. o resto vamos conversando e vendo como as coisas correm ..
Agora é esperar pelo grande dia 😚

eu vou ter o meu príncipe no dia 20 de junho no hospital de Gaia... Diga me uma coisa o que achou.das instalações? Obrigada

MisaL -
Online
Desde 17 Abr 2019

Não estou a dizer o ideal, estou só a pôr no cenário: um hospital, uma urgência, pouquíssimos enfermeiros e um bebé para nascer.
Pondo um exemplo prático: se na hora não estiver com cabeça ou capacidade para dizer "eu quero parir na posição que me apetecer", acha que faz alguma diferença isso estar lá escrito?
Só vejo um interesse real em escrever, no que sair da norma: não querer amamentar, não querer que coloquem o bebé em cima do peito, não querer de forma nenhuma que administrem epidural...e sou a favor que isso vá logo no livro da grávida, um post it na capa do livro.
Não tem mal nenhum escreverem e não se peca por excesso, só estou a dizer que "não se agarrem" ao que facto de estar escrito, pensem em tudo previamente e pensem que vão ter que dizer na hora, não basta o deixar lá escrito e aguardar.
Salvo algumas exceções, nós estamos lúcidas, bem, falamos, os enfermeiros vão falando connosco...podemos dizer "eu não quero", "eu quero". No meu segundo não deixei que rebentassem a bolsa quando o sugeriram fazer e não houve nenhum conflito.
Levem um plano escrito e um mental 😉

JaniMar escreveu:
Para mim faz todo o sentido ter, por variadas razões. Primeiro, informação não ocupada lugar e, ao prepará-lo estamos a descobrir coisas, o que nos dá segurança que estamos a tomar as opções certas e informadas e não a ficar a 100% nas mãos de quem encontramos. Exemplo: eu quero ter liberdade de movimentos durante o trabalho de parto e poder escolher a posição de parir; de tudo o que li e aprendi no curso sei é o recomendado pela OMS, que ajuda no tp, que ajuda a evitar uso de instrumento no período expulsivo, etc Então, gosto de ter isso por escrito para que o saibam mas, mais ainda, para eu saber de antemão em que situações é que pode não ser possível para me mentalizar antes, e também evitar que entre uma enfermeira que me mande deitar "só porque sim" como já ouvi em várias histórias, sem qualquer razão médica ou pelo menos sem me explicar... Ou se tiver de ir para cesariana sem estar a contar, saber como é o procedimento, quando o pai entra na sala comigo ou não, pedir para fazer na mesma pele com pele, dar de mamar na primeira hora de vida, etc.
Podemos incluir também coisas como não querer uso de chupeta, biberão, ou que não queremos dar de mamar e queremos que nos dêem LA, que queremos banho o mais tarde possível ou não, etc. Quem lá está também não é adivinho e pode fazer algo de total boa vontade e não ser o que queremos.
Quanto ao ligarem ou não ao que escrevemos, não é assim tão linear que possam ignorar e pronto. Claro que o plano deve ter pés e cabeça e ser o que faz sentido para aquele caso mas, fazendo sentido, a equipa não pode ignorar só porque quer, há inclusivamente um parecer da Ordem dos Enfermeiros já com alguns anos em que diz que este plano deve ser observado e considerado. Não sendo um contrato e estando sempre em jogo a salvaguarda de duas vidas por parte da equipa médica, deve pelo menos ser tido em consideração.
Isto tudo vale o que vale, cada mulher tem a sua perspectiva e há quem prefira ir sem saber nada nem pedir nada. Desde que se sintam bem na hora H é o que conta

carlabrito -
Offline
Desde 30 Maio 2017

Plano de parto?
Mas ha assim tanta coisa a planear?
Eu nao fiz nada disso no primeiro parto.
Apenas disse que queria epidural e nao queria ver absoutamente nada do que se estava a passar la em baixo.
De resto nao houve mais nada a planear.
Quando ele nasceu puseram-no no meu peito e logo de seguida ele comecou a mamar.

Elisabete_Silva -
Offline
Desde 16 Jan 2020

carlabrito escreveu:
Plano de parto?
Mas ha assim tanta coisa a planear?
Eu nao fiz nada disso no primeiro parto.
Apenas disse que queria epidural e nao queria ver absoutamente nada do que se estava a passar la em baixo.
De resto nao houve mais nada a planear.
Quando ele nasceu puseram-no no meu peito e logo de seguida ele comecou a mamar.

Também nunca percebi muito bem essa do plano de parto! O que fiz foi dizer à obstetra que me acompanhou que tinha preferência por parto normal com epidural e voltei a dizer quando cheguei ao hospital. Mas isto era a minha preferência, se não fosse possível, não era! É um momento em que estamos com dores, ansiosas e em pânico (pelo menos eu estava), mas estamos lúcidas para dizer o que queremos e o importante é que nasça bem, seja como for.

Sansa -
Offline
Desde 18 Jan 2018

Elisabete_Silva escreveu:

carlabrito escreveu:Plano de parto?
Mas ha assim tanta coisa a planear?
Eu nao fiz nada disso no primeiro parto.
Apenas disse que queria epidural e nao queria ver absoutamente nada do que se estava a passar la em baixo.
De resto nao houve mais nada a planear.
Quando ele nasceu puseram-no no meu peito e logo de seguida ele comecou a mamar.

Também nunca percebi muito bem essa do plano de parto! O que fiz foi dizer à obstetra que me acompanhou que tinha preferência por parto normal com epidural e voltei a dizer quando cheguei ao hospital. Mas isto era a minha preferência, se não fosse possível, não era! É um momento em que estamos com dores, ansiosas e em pânico (pelo menos eu estava), mas estamos lúcidas para dizer o que queremos e o importante é que nasça bem, seja como for.


E eu a sentir-me a única ave rara por não ter feito um plano de parto.
Eu apenas deixei claro logo de início que queria que o parto se realizasse no hospital e não em casa.
Em relação à epidural tinha a intenção de pedir apenas se não aguentasse as dores (não aguentei. Eram excruciantes!).
Sobre a mobilidade e a posição, torna-se complicado parir de cócoras quando não se pode mexer as pernas 😅. Eu sou ignorante nestas coisas, mas penso que com epidural poucas são as alternativas.
De resto não precisei de dizer nada porque fizeram exatamente aquilo que eu pretendia: contacto pele com pele imediato; aguardaram 1 hora antes de cortarem o cordão (até foi o meu namorado que cortou); deixaram a bebé estar comigo umas 2horas antes de fazerem as pesagens e os testes; e não deram banho (aliás, só tomou banho 3 dias depois).
Se eu achasse que queria algo feito de forma diferente teria-o manifestado.

Sfno92 -
Offline
Desde 02 Out 2019

carlabrito escreveu:
Plano de parto?
Mas ha assim tanta coisa a planear?
Eu nao fiz nada disso no primeiro parto.
Apenas disse que queria epidural e nao queria ver absoutamente nada do que se estava a passar la em baixo.
De resto nao houve mais nada a planear.
Quando ele nasceu puseram-no no meu peito e logo de seguida ele comecou a mamar.

A minha filha nasceu em Inglaterra portanto não sei bem como funciona em Portugal, mas em Inglaterra o plano de parto é super comum e é discutido nas últimas consultas antes do nascimento. Obviamente é sempre explicado que pode não ser tudo cumprido à risca, mas se não houver complicações é respeitada a nossa vontade. Podemos escolher se queremos um parto na àgua por exemplo, ou em que posição queremos estar, o tipo de analgesia, se queremos música ou não. Se queremos permanecer ativas durante o trabalho de parto, se queremos que nos coloquem o bebé no peito mal nasça ou preferimos que o limpem primeiro, se queremos que se corte logo o cordão umbilical ou aguardamos uns minutos. Eu acho importante haver um plano nem que seja para sabermos as opções que temos... por exemplo eu desconhecia que existiam benefícios em atrasar o corte do cordão umbilical e ao discutir o plano de parto nas consultas isso foi-me explicado e pude decidir.

Elisabete_Silva -
Offline
Desde 16 Jan 2020

Sansa escreveu:

Elisabete_Silva escreveu:
carlabrito escreveu:Plano de parto?
Mas ha assim tanta coisa a planear?
Eu nao fiz nada disso no primeiro parto.
Apenas disse que queria epidural e nao queria ver absoutamente nada do que se estava a passar la em baixo.
De resto nao houve mais nada a planear.
Quando ele nasceu puseram-no no meu peito e logo de seguida ele comecou a mamar.

Também nunca percebi muito bem essa do plano de parto! O que fiz foi dizer à obstetra que me acompanhou que tinha preferência por parto normal com epidural e voltei a dizer quando cheguei ao hospital. Mas isto era a minha preferência, se não fosse possível, não era! É um momento em que estamos com dores, ansiosas e em pânico (pelo menos eu estava), mas estamos lúcidas para dizer o que queremos e o importante é que nasça bem, seja como for.

E eu a sentir-me a única ave rara por não ter feito um plano de parto.
Eu apenas deixei claro logo de início que queria que o parto se realizasse no hospital e não em casa.
Em relação à epidural tinha a intenção de pedir apenas se não aguentasse as dores (não aguentei. Eram excruciantes!).
Sobre a mobilidade e a posição, torna-se complicado parir de cócoras quando não se pode mexer as pernas 😅. Eu sou ignorante nestas coisas, mas penso que com epidural poucas são as alternativas.
De resto não precisei de dizer nada porque fizeram exatamente aquilo que eu pretendia: contacto pele com pele imediato; aguardaram 1 hora antes de cortarem o cordão (até foi o meu namorado que cortou); deixaram a bebé estar comigo umas 2horas antes de fazerem as pesagens e os testes; e não deram banho (aliás, só tomou banho 3 dias depois).
Se eu achasse que queria algo feito de forma diferente teria-o manifestado.

Contacto pele com pele nem ponho em questão que não aconteça! O corte do cordão do umbilical teve ser precoce com ele ainda meio dentro meio fora porque tinha duas voltas no pescoço Triste Lá está, se tivesse feito plano e disse-se que queria que esperassem não sei quanto tempo para cortar, no momento iam ignorar porque ele ia asfixiar se não cortassem de imediato. E o banho acho que só tomou passado dois dias. Por isso é que sou da opinião de que o que tiver que ser será, sem grandes planos, os profissionais que estão connosco sabem o que fazer.

Cris3010 -
Offline
Desde 28 Ago 2015

Sansa escreveu:

Elisabete_Silva escreveu:
carlabrito escreveu:Plano de parto?
Mas ha assim tanta coisa a planear?
Eu nao fiz nada disso no primeiro parto.
Apenas disse que queria epidural e nao queria ver absoutamente nada do que se estava a passar la em baixo.
De resto nao houve mais nada a planear.
Quando ele nasceu puseram-no no meu peito e logo de seguida ele comecou a mamar.

Também nunca percebi muito bem essa do plano de parto! O que fiz foi dizer à obstetra que me acompanhou que tinha preferência por parto normal com epidural e voltei a dizer quando cheguei ao hospital. Mas isto era a minha preferência, se não fosse possível, não era! É um momento em que estamos com dores, ansiosas e em pânico (pelo menos eu estava), mas estamos lúcidas para dizer o que queremos e o importante é que nasça bem, seja como for.

E eu a sentir-me a única ave rara por não ter feito um plano de parto.
Eu apenas deixei claro logo de início que queria que o parto se realizasse no hospital e não em casa.
Em relação à epidural tinha a intenção de pedir apenas se não aguentasse as dores (não aguentei. Eram excruciantes!).
Sobre a mobilidade e a posição, torna-se complicado parir de cócoras quando não se pode mexer as pernas 😅. Eu sou ignorante nestas coisas, mas penso que com epidural poucas são as alternativas.
De resto não precisei de dizer nada porque fizeram exatamente aquilo que eu pretendia: contacto pele com pele imediato; aguardaram 1 hora antes de cortarem o cordão (até foi o meu namorado que cortou); deixaram a bebé estar comigo umas 2horas antes de fazerem as pesagens e os testes; e não deram banho (aliás, só tomou banho 3 dias depois).
Se eu achasse que queria algo feito de forma diferente teria-o manifestado.

Sansa, a epidural é analgesia e não anestesia, apenas deixas de sentir dor, consegues andar e fazer exercícios na bola de pilates, por exemplo. Eu fiz no meu parto, ainda que depois tenha feito cesariana.

Sobre Cris3010

Último AC - outubro 2011; Encam. para cons. infertilidade - mar. 2013; 1.ª cons. - jul. 2013; 1.ª FIV - set. 2014 (-); 1.ª TEC - dez. 2014 (+) Gravidez não evolutiva - AE janeiro 2015; 2.ª TEC - abr.2015 (+) ❤️Acreditar é o primeiro passo! Jul. 2019 - gravidez espontânea ❤️

Sansa -
Offline
Desde 18 Jan 2018

Cris3010 escreveu:

Sansa escreveu:
Elisabete_Silva escreveu:
carlabrito escreveu:Plano de parto?
Mas ha assim tanta coisa a planear?
Eu nao fiz nada disso no primeiro parto.
Apenas disse que queria epidural e nao queria ver absoutamente nada do que se estava a passar la em baixo.
De resto nao houve mais nada a planear.
Quando ele nasceu puseram-no no meu peito e logo de seguida ele comecou a mamar.

Também nunca percebi muito bem essa do plano de parto! O que fiz foi dizer à obstetra que me acompanhou que tinha preferência por parto normal com epidural e voltei a dizer quando cheguei ao hospital. Mas isto era a minha preferência, se não fosse possível, não era! É um momento em que estamos com dores, ansiosas e em pânico (pelo menos eu estava), mas estamos lúcidas para dizer o que queremos e o importante é que nasça bem, seja como for.

E eu a sentir-me a única ave rara por não ter feito um plano de parto.
Eu apenas deixei claro logo de início que queria que o parto se realizasse no hospital e não em casa.
Em relação à epidural tinha a intenção de pedir apenas se não aguentasse as dores (não aguentei. Eram excruciantes!).
Sobre a mobilidade e a posição, torna-se complicado parir de cócoras quando não se pode mexer as pernas 😅. Eu sou ignorante nestas coisas, mas penso que com epidural poucas são as alternativas.
De resto não precisei de dizer nada porque fizeram exatamente aquilo que eu pretendia: contacto pele com pele imediato; aguardaram 1 hora antes de cortarem o cordão (até foi o meu namorado que cortou); deixaram a bebé estar comigo umas 2horas antes de fazerem as pesagens e os testes; e não deram banho (aliás, só tomou banho 3 dias depois).
Se eu achasse que queria algo feito de forma diferente teria-o manifestado.

Sansa, a epidural é analgesia e não anestesia, apenas deixas de sentir dor, consegues andar e fazer exercícios na bola de pilates, por exemplo. Eu fiz no meu parto, ainda que depois tenha feito cesariana.


Como indiquei, sou ignorante neste assunto, mas uma coisa eu sei, eu sozinha não conseguia mover as pernas, precisei de auxilio para as posicionar. Tanto que tive direito a algália e tudo, justamente por não ter sensibilidade nas pernas.

Sfno92 -
Offline
Desde 02 Out 2019

Sansa escreveu:

Cris3010 escreveu:
Sansa escreveu:
Elisabete_Silva escreveu:
carlabrito escreveu:Plano de parto?
Mas ha assim tanta coisa a planear?
Eu nao fiz nada disso no primeiro parto.
Apenas disse que queria epidural e nao queria ver absoutamente nada do que se estava a passar la em baixo.
De resto nao houve mais nada a planear.
Quando ele nasceu puseram-no no meu peito e logo de seguida ele comecou a mamar.

Também nunca percebi muito bem essa do plano de parto! O que fiz foi dizer à obstetra que me acompanhou que tinha preferência por parto normal com epidural e voltei a dizer quando cheguei ao hospital. Mas isto era a minha preferência, se não fosse possível, não era! É um momento em que estamos com dores, ansiosas e em pânico (pelo menos eu estava), mas estamos lúcidas para dizer o que queremos e o importante é que nasça bem, seja como for.

E eu a sentir-me a única ave rara por não ter feito um plano de parto.
Eu apenas deixei claro logo de início que queria que o parto se realizasse no hospital e não em casa.
Em relação à epidural tinha a intenção de pedir apenas se não aguentasse as dores (não aguentei. Eram excruciantes!).
Sobre a mobilidade e a posição, torna-se complicado parir de cócoras quando não se pode mexer as pernas 😅. Eu sou ignorante nestas coisas, mas penso que com epidural poucas são as alternativas.
De resto não precisei de dizer nada porque fizeram exatamente aquilo que eu pretendia: contacto pele com pele imediato; aguardaram 1 hora antes de cortarem o cordão (até foi o meu namorado que cortou); deixaram a bebé estar comigo umas 2horas antes de fazerem as pesagens e os testes; e não deram banho (aliás, só tomou banho 3 dias depois).
Se eu achasse que queria algo feito de forma diferente teria-o manifestado.

Sansa, a epidural é analgesia e não anestesia, apenas deixas de sentir dor, consegues andar e fazer exercícios na bola de pilates, por exemplo. Eu fiz no meu parto, ainda que depois tenha feito cesariana.

Como indiquei, sou ignorante neste assunto, mas uma coisa eu sei, eu sozinha não conseguia mover as pernas, precisei de auxilio para as posicionar. Tanto que tive direito a algália e tudo, justamente por não ter sensibilidade nas pernas.

A epidural pode sim causar uma diminuição transitória da força nos membros inferiores e mais frequentemente causar retenção urinária.

Sansa -
Offline
Desde 18 Jan 2018

Sfno92 escreveu:

Sansa escreveu:
Cris3010 escreveu:
Sansa escreveu:
Elisabete_Silva escreveu:
carlabrito escreveu:Plano de parto?
Mas ha assim tanta coisa a planear?
Eu nao fiz nada disso no primeiro parto.
Apenas disse que queria epidural e nao queria ver absoutamente nada do que se estava a passar la em baixo.
De resto nao houve mais nada a planear.
Quando ele nasceu puseram-no no meu peito e logo de seguida ele comecou a mamar.

Também nunca percebi muito bem essa do plano de parto! O que fiz foi dizer à obstetra que me acompanhou que tinha preferência por parto normal com epidural e voltei a dizer quando cheguei ao hospital. Mas isto era a minha preferência, se não fosse possível, não era! É um momento em que estamos com dores, ansiosas e em pânico (pelo menos eu estava), mas estamos lúcidas para dizer o que queremos e o importante é que nasça bem, seja como for.

E eu a sentir-me a única ave rara por não ter feito um plano de parto.
Eu apenas deixei claro logo de início que queria que o parto se realizasse no hospital e não em casa.
Em relação à epidural tinha a intenção de pedir apenas se não aguentasse as dores (não aguentei. Eram excruciantes!).
Sobre a mobilidade e a posição, torna-se complicado parir de cócoras quando não se pode mexer as pernas 😅. Eu sou ignorante nestas coisas, mas penso que com epidural poucas são as alternativas.
De resto não precisei de dizer nada porque fizeram exatamente aquilo que eu pretendia: contacto pele com pele imediato; aguardaram 1 hora antes de cortarem o cordão (até foi o meu namorado que cortou); deixaram a bebé estar comigo umas 2horas antes de fazerem as pesagens e os testes; e não deram banho (aliás, só tomou banho 3 dias depois).
Se eu achasse que queria algo feito de forma diferente teria-o manifestado.

Sansa, a epidural é analgesia e não anestesia, apenas deixas de sentir dor, consegues andar e fazer exercícios na bola de pilates, por exemplo. Eu fiz no meu parto, ainda que depois tenha feito cesariana.

Como indiquei, sou ignorante neste assunto, mas uma coisa eu sei, eu sozinha não conseguia mover as pernas, precisei de auxilio para as posicionar. Tanto que tive direito a algália e tudo, justamente por não ter sensibilidade nas pernas.

A epidural pode sim causar uma diminuição transitória da força nos membros inferiores e mais frequentemente causar retenção urinária.


Sim, é comum provocar dormência e talvez por essa razão seja preferível que a pessoa esteja deitada.
Eu estava a tentar evitar ser pedante, mas vou sê-lo 🤷🏻‍♀️ (I blame my OCD) A epidural é uma anestesia e não analgesia.

Cris3010 -
Offline
Desde 28 Ago 2015

Sansa escreveu:

Sfno92 escreveu:
Sansa escreveu:
Cris3010 escreveu:
Sansa escreveu:
Elisabete_Silva escreveu:
carlabrito escreveu:Plano de parto?
Mas ha assim tanta coisa a planear?
Eu nao fiz nada disso no primeiro parto.
Apenas disse que queria epidural e nao queria ver absoutamente nada do que se estava a passar la em baixo.
De resto nao houve mais nada a planear.
Quando ele nasceu puseram-no no meu peito e logo de seguida ele comecou a mamar.

Também nunca percebi muito bem essa do plano de parto! O que fiz foi dizer à obstetra que me acompanhou que tinha preferência por parto normal com epidural e voltei a dizer quando cheguei ao hospital. Mas isto era a minha preferência, se não fosse possível, não era! É um momento em que estamos com dores, ansiosas e em pânico (pelo menos eu estava), mas estamos lúcidas para dizer o que queremos e o importante é que nasça bem, seja como for.

E eu a sentir-me a única ave rara por não ter feito um plano de parto.
Eu apenas deixei claro logo de início que queria que o parto se realizasse no hospital e não em casa.
Em relação à epidural tinha a intenção de pedir apenas se não aguentasse as dores (não aguentei. Eram excruciantes!).
Sobre a mobilidade e a posição, torna-se complicado parir de cócoras quando não se pode mexer as pernas 😅. Eu sou ignorante nestas coisas, mas penso que com epidural poucas são as alternativas.
De resto não precisei de dizer nada porque fizeram exatamente aquilo que eu pretendia: contacto pele com pele imediato; aguardaram 1 hora antes de cortarem o cordão (até foi o meu namorado que cortou); deixaram a bebé estar comigo umas 2horas antes de fazerem as pesagens e os testes; e não deram banho (aliás, só tomou banho 3 dias depois).
Se eu achasse que queria algo feito de forma diferente teria-o manifestado.

Sansa, a epidural é analgesia e não anestesia, apenas deixas de sentir dor, consegues andar e fazer exercícios na bola de pilates, por exemplo. Eu fiz no meu parto, ainda que depois tenha feito cesariana.

Como indiquei, sou ignorante neste assunto, mas uma coisa eu sei, eu sozinha não conseguia mover as pernas, precisei de auxilio para as posicionar. Tanto que tive direito a algália e tudo, justamente por não ter sensibilidade nas pernas.

A epidural pode sim causar uma diminuição transitória da força nos membros inferiores e mais frequentemente causar retenção urinária.

Sim, é comum provocar dormência e talvez por essa razão seja preferível que a pessoa esteja deitada.
Eu estava a tentar evitar ser pedante, mas vou sê-lo 🤷🏻‍♀️ (I blame my OCD) A epidural é uma anestesia e não analgesia.

Sansa, também não sou especialista, nem procurei armar-me em chica esperta. Apenas partilhei o que as enfermeiras da preparação para o parto explicaram. E na verdade, como escrevi, fez-me sentido porque eu não perdi qualquer sensibilidade para andar, apenas não sentia dor. Talvez a dosagem possa influenciar nesse aspeto, não sei 🤷‍♀️

Sobre Cris3010

Último AC - outubro 2011; Encam. para cons. infertilidade - mar. 2013; 1.ª cons. - jul. 2013; 1.ª FIV - set. 2014 (-); 1.ª TEC - dez. 2014 (+) Gravidez não evolutiva - AE janeiro 2015; 2.ª TEC - abr.2015 (+) ❤️Acreditar é o primeiro passo! Jul. 2019 - gravidez espontânea ❤️

Margarida_2017 -
Offline
Desde 31 Jul 2019

Ainda bem que não somos todas iguais ... Porque há muitas opiniões diferentes ... mas ainda bem que existe ...
cá em Portugal é algo que ainda não está bem implementado , depende muito da instituição e dos profissionais que apanhamos , pelo menos é o que eu me tenho vindo a aperceber .
Claro que como o nome indica , é um plano não significa que seja cumprido à risca , porque nunca ninguém sabe exatamente o que vai acontecer .... mas se for possível gostaríamos que isso acontecesse.. sei que se não pedir para fazer contato pele-a-pele isso não acontece ,é só um exemplo... por isso acho importante expressar essa vontade ...
Mas cada uma é que sabe com aquilo que se sente bem e com as suas convicções...
Para mim como já disse a ideia de escrever é para não me esquecer de nada , mas a minha ideia é ir falando com a equipa e vendo aquilo é possível ou não.....

Margarida_2017 -
Offline
Desde 31 Jul 2019

eu vou ter o meu príncipe no dia 20 de junho no hospital de Gaia... Diga me uma coisa o que achou.das instalações? Obrigada[/quote]

Olá .. sinceramente achei que ia encontrar piores .... 😅

Na sala de partos e depois a ala onde ficamos que não sei o nome , até está bem ...
Melhor que as urgências ou onde se faz as ecografias...
podiam ser melhores claro que sim .... e então no que toca às casa de banho ... acho que são poucas , para o número de enfermarias ...
Surpreendeu-me pela positiva 😀😀

carlabrito -
Offline
Desde 30 Maio 2017

Sansa escreveu:

Elisabete_Silva escreveu:
carlabrito escreveu:Plano de parto?
Mas ha assim tanta coisa a planear?
Eu nao fiz nada disso no primeiro parto.
Apenas disse que queria epidural e nao queria ver absoutamente nada do que se estava a passar la em baixo.
De resto nao houve mais nada a planear.
Quando ele nasceu puseram-no no meu peito e logo de seguida ele comecou a mamar.

Também nunca percebi muito bem essa do plano de parto! O que fiz foi dizer à obstetra que me acompanhou que tinha preferência por parto normal com epidural e voltei a dizer quando cheguei ao hospital. Mas isto era a minha preferência, se não fosse possível, não era! É um momento em que estamos com dores, ansiosas e em pânico (pelo menos eu estava), mas estamos lúcidas para dizer o que queremos e o importante é que nasça bem, seja como for.

E eu a sentir-me a única ave rara por não ter feito um plano de parto.
Eu apenas deixei claro logo de início que queria que o parto se realizasse no hospital e não em casa.
Em relação à epidural tinha a intenção de pedir apenas se não aguentasse as dores (não aguentei. Eram excruciantes!).
Sobre a mobilidade e a posição, torna-se complicado parir de cócoras quando não se pode mexer as pernas 😅. Eu sou ignorante nestas coisas, mas penso que com epidural poucas são as alternativas.
De resto não precisei de dizer nada porque fizeram exatamente aquilo que eu pretendia: contacto pele com pele imediato; aguardaram 1 hora antes de cortarem o cordão (até foi o meu namorado que cortou); deixaram a bebé estar comigo umas 2horas antes de fazerem as pesagens e os testes; e não deram banho (aliás, só tomou banho 3 dias depois).
Se eu achasse que queria algo feito de forma diferente teria-o manifestado.

A epidural que eu levei, eu sentia as pernas.
Se eu quisesse caminhar enquanto esperava pelo momento (que até poderia ajudar a acelerar), podia faze-lo.

carlabrito -
Offline
Desde 30 Maio 2017

Sfno92 escreveu:

carlabrito escreveu:Plano de parto?
Mas ha assim tanta coisa a planear?
Eu nao fiz nada disso no primeiro parto.
Apenas disse que queria epidural e nao queria ver absoutamente nada do que se estava a passar la em baixo.
De resto nao houve mais nada a planear.
Quando ele nasceu puseram-no no meu peito e logo de seguida ele comecou a mamar.

A minha filha nasceu em Inglaterra portanto não sei bem como funciona em Portugal, mas em Inglaterra o plano de parto é super comum e é discutido nas últimas consultas antes do nascimento. Obviamente é sempre explicado que pode não ser tudo cumprido à risca, mas se não houver complicações é respeitada a nossa vontade. Podemos escolher se queremos um parto na àgua por exemplo, ou em que posição queremos estar, o tipo de analgesia, se queremos música ou não. Se queremos permanecer ativas durante o trabalho de parto, se queremos que nos coloquem o bebé no peito mal nasça ou preferimos que o limpem primeiro, se queremos que se corte logo o cordão umbilical ou aguardamos uns minutos. Eu acho importante haver um plano nem que seja para sabermos as opções que temos... por exemplo eu desconhecia que existiam benefícios em atrasar o corte do cordão umbilical e ao discutir o plano de parto nas consultas isso foi-me explicado e pude decidir.

Nos tb nao estamos em Portugal.
Estamos em França.
E aqui nao ha planos de nada! E eu pari no privado (por uma questao de praticidade pois é ao lado de casa).

carlabrito -
Offline
Desde 30 Maio 2017

Sansa escreveu:

Elisabete_Silva escreveu:
carlabrito escreveu:Plano de parto?
Mas ha assim tanta coisa a planear?
Eu nao fiz nada disso no primeiro parto.
Apenas disse que queria epidural e nao queria ver absoutamente nada do que se estava a passar la em baixo.
De resto nao houve mais nada a planear.
Quando ele nasceu puseram-no no meu peito e logo de seguida ele comecou a mamar.

Também nunca percebi muito bem essa do plano de parto! O que fiz foi dizer à obstetra que me acompanhou que tinha preferência por parto normal com epidural e voltei a dizer quando cheguei ao hospital. Mas isto era a minha preferência, se não fosse possível, não era! É um momento em que estamos com dores, ansiosas e em pânico (pelo menos eu estava), mas estamos lúcidas para dizer o que queremos e o importante é que nasça bem, seja como for.

E eu a sentir-me a única ave rara por não ter feito um plano de parto.
Eu apenas deixei claro logo de início que queria que o parto se realizasse no hospital e não em casa.
Em relação à epidural tinha a intenção de pedir apenas se não aguentasse as dores (não aguentei. Eram excruciantes!).
Sobre a mobilidade e a posição, torna-se complicado parir de cócoras quando não se pode mexer as pernas 😅. Eu sou ignorante nestas coisas, mas penso que com epidural poucas são as alternativas.
De resto não precisei de dizer nada porque fizeram exatamente aquilo que eu pretendia: contacto pele com pele imediato; aguardaram 1 hora antes de cortarem o cordão (até foi o meu namorado que cortou); deixaram a bebé estar comigo umas 2horas antes de fazerem as pesagens e os testes; e não deram banho (aliás, só tomou banho 3 dias depois).
Se eu achasse que queria algo feito de forma diferente teria-o manifestado.

Por curiosidade, pq é que so quiseste que o cordao fosse cortado 1h depois?

Na clinica onde eu pari o meu filho, caso nao haja nenhum problema, a regra é o bebe sai de dentro da mae e vai para o peito 1-2h.
Eles perguntam é se a mae nao quer....
E espera-se q o bebe comece a mamar.
As pesagens, limpezas e essas coisas sao so muito mais tarde.

Sfno92 -
Offline
Desde 02 Out 2019

carlabrito escreveu:

Sansa escreveu:
Elisabete_Silva escreveu:
carlabrito escreveu:Plano de parto?
Mas ha assim tanta coisa a planear?
Eu nao fiz nada disso no primeiro parto.
Apenas disse que queria epidural e nao queria ver absoutamente nada do que se estava a passar la em baixo.
De resto nao houve mais nada a planear.
Quando ele nasceu puseram-no no meu peito e logo de seguida ele comecou a mamar.

Também nunca percebi muito bem essa do plano de parto! O que fiz foi dizer à obstetra que me acompanhou que tinha preferência por parto normal com epidural e voltei a dizer quando cheguei ao hospital. Mas isto era a minha preferência, se não fosse possível, não era! É um momento em que estamos com dores, ansiosas e em pânico (pelo menos eu estava), mas estamos lúcidas para dizer o que queremos e o importante é que nasça bem, seja como for.

E eu a sentir-me a única ave rara por não ter feito um plano de parto.
Eu apenas deixei claro logo de início que queria que o parto se realizasse no hospital e não em casa.
Em relação à epidural tinha a intenção de pedir apenas se não aguentasse as dores (não aguentei. Eram excruciantes!).
Sobre a mobilidade e a posição, torna-se complicado parir de cócoras quando não se pode mexer as pernas 😅. Eu sou ignorante nestas coisas, mas penso que com epidural poucas são as alternativas.
De resto não precisei de dizer nada porque fizeram exatamente aquilo que eu pretendia: contacto pele com pele imediato; aguardaram 1 hora antes de cortarem o cordão (até foi o meu namorado que cortou); deixaram a bebé estar comigo umas 2horas antes de fazerem as pesagens e os testes; e não deram banho (aliás, só tomou banho 3 dias depois).
Se eu achasse que queria algo feito de forma diferente teria-o manifestado.

Por curiosidade, pq é que so quiseste que o cordao fosse cortado 1h depois?
Na clinica onde eu pari o meu filho, caso nao haja nenhum problema, a regra é o bebe sai de dentro da mae e vai para o peito 1-2h.
Eles perguntam é se a mae nao quer....
E espera-se q o bebe comece a mamar.
As pesagens, limpezas e essas coisas sao so muito mais tarde.

Eu sou sincera os benefícios que conheço em adiar o corte do cordão umbilical é em apenas 3-5minutos, mais do que isso não tenho conhecimento. A maioria dos estudos que encontrei estão em inglês, mas esse artigo do expresso resume alguns dos benefícios https://www.jn.pt/sociedade/saude/interior/amp/atraso-no-corte-do-cordao...

Votação

Qual destas bebidas consome no dia-a-dia?