Não quero amamentar | Page 2 | De Mãe para Mãe

Não quero amamentar

Responda
71 mensagens
Cat-st -
Offline
Desde 31 Jul 2012

guialmi escreveu:
Claro que não!!! E sim ainda bem que existe LA mas mama não é somente alimento! é muito mais! É carinho, é o porto seguro, é cheiro da mãe, etc.

Quando damos um biberão, também damos carinho, porto seguro e cheiro da mãe...aí é que não vejo mesmo diferença nenhuma.[/quote]

Ninguém disse o contrário mas a mama é muito mais do que alimento. E o cheiro é mais intenso, mas não vamos entrar por aí senão vamos discutir tudo de novo. Era esse ponto que queria frisar. O pele com pele, babywearing também é tudo carinho e amor e existem estudos que dizem que ajuda na amamentação por exemplo.

Submetido por Cat-st em Seg, 02/10/2017 - 06:53
Sobre Cat-st

- Última pílula em Março 2014, SOP, Clomid + IIU
- Positivo a 6/4/2015 - AR 18/5/2015
- De volta aos treinos Julho 2015
- 1o FIV (+)
- Nasceu o meu piolho em 2016

Cat-st -
Offline
Desde 31 Jul 2012

guialmi escreveu:

Cat-st escreveu:Guialmi como sabe eu tive de fazer tratamentos de fertilidade e "não consegui ter gémeos" porque não tive dois embriões no final...apenas um! E sim fiquei muito revoltada e triste com a sua resposta ao comentário da Kelly onde claramente não está a dar somente a sua opinião mas sim a gozar com o que eu disse (faça o favor de reler). Depois cansaço como é óbvio também resulta em stress mesmo uma pessoa pensando que não está. Eu acredito piamente que foi isso a não ser que tenha feito alguns testes que demonstrem realmente o contrário: que o leite era "fraco" ou que tinha efectivamente problemas na produção de prolactina. Mas pelo que percebi não sabe certo? E eu só faço ataques pessoais quando eu própria fui atacada (pelas razões que descrevi em cima).
Tenha um bom dia!

Sim, já reli o dito comentário, que fiz em tom jocoso e sem qualquer intenção de gozar consigo. O propósito foi mesmo o de evidenciar que a crença cega na capacidade de ter leite suficiente para o bebé pode ter consequências trágicas, como ia tendo no caso do enteado da Kelly (e lembro-me de ler pelo menos um caso nos EUA em que o bebé morreu mesmo). Agora pergunto eu: como consegue desvalorizar o facto de um bebé ter chegado ao hospital gravemente doente devido à insistência teimosa no LM? Isso não a preocupa nem um bocadinho, que uma mãe acredite tanto que tem de ter leite que deixe o seu bebé passar fome a ponto de o deixar doente?
Porque a minha batalha é sempre esta: ajudem as mães que têm problemas na amamentação, exponham toda a informação, mas aceitem que as mães PODEM não ter leite suficiente e isso não é nenhum drama nem é culpa delas. Seja pelo stress, seja pela má pega, seja pela baixa prolatina, seja pelo raio que o parta, nem todas as mães têm leite em quantidade suficiente!
É claro que eu não fiz testes nenhuns e não sei porque não tive nunca subida de leite, só aquele bocadito de colostro. Nem digo que, se insistisse muito e por muitos dias, não pudesse ter tido algum resultado positivo. Admito com toda a sinceridade que ao fim de 8-9 dias, pensei "isto não vai lá" e desisti. Nesse momento senti um alívio, deixei de me sentir posta à prova a cada mamada mal sucedida. Ninguém gosta de falhar e eu falhei. Mas como o importante era ter bebés bem alimentadas e saudáveis, não pensei mais no assunto.
Já agora, por mera curiosidade: se fosse baixa prolatina, há medicação para a aumentar? E se fosse stress, tomava ansiolíticos? Há solução para tudo? E no entretanto o que se faz aos bebés - o LA é aceitável?
São estas questõezinhas práticas que falham na sua exposição: o que fazer? Porque em última análise é isso que interessa.

Eu não disse que era de todo aceitável e aí sim o psicologico da mãe já estava muito em questão e possivelmente com uma grande depressão pós parto. O stress (derivado de cansaço e de ter um novo ser totalmente dependente de si) para mim é o maior causador da "falha" de leite. Em relação à prolactina sim existe medicação mas convém sempre verificar a causa de todos os problemas. Em relação ao stress já sabe que isso bate muito no psicologico e não não tomaria ansioliticos. Preferia mil vezes dizer a uma mãe dar LA. O meu lema nisto é sempre mãe feliz bebé feliz. E isto vai para tudo pois como se sabe eles "sentem" quando estamos stressadas, quando estamos cansadas, sem paciência. Essa panóplia de sentimentos é passada também para o bebé o que faz com que esteja mais chorão, não querer dormir ou não dormir descansado, etc. Eu acho que nisto informação é poder e pelo que vejo existe ainda muita falta de informação, muita gente a querer mandar bitaites sem a mãe ter hipótese de "ouvir" o seu instinto maternal, muitos profissionais de saúde não actualizados. Daí a dizer sempre: cada caso é um caso e convém sempre dizer informações todas. Informação é poder minhas caras!

Submetido por Cat-st em Seg, 02/10/2017 - 06:59
Sobre Cat-st

- Última pílula em Março 2014, SOP, Clomid + IIU
- Positivo a 6/4/2015 - AR 18/5/2015
- De volta aos treinos Julho 2015
- 1o FIV (+)
- Nasceu o meu piolho em 2016

Cat-st -
Offline
Desde 31 Jul 2012

E ninguém está a dizer que é culpa das mães. Eu nisso creio piamente que a culpa é da sociedade que actualmente não lhes deixa ouvir o seu instinto maternal...que é o mais poderoso que existe. E sim eu não disse que TODAS as mulheres tinham leite...eu disse que a GRANDE MAIORIA tinha salvo raras excepções (que sim existem).

Submetido por Cat-st em Seg, 02/10/2017 - 07:02
Sobre Cat-st

- Última pílula em Março 2014, SOP, Clomid + IIU
- Positivo a 6/4/2015 - AR 18/5/2015
- De volta aos treinos Julho 2015
- 1o FIV (+)
- Nasceu o meu piolho em 2016

Lili79 -
Offline
Desde 12 Dez 2016

Também tive e tenho uma amamentação muito tranquila, com uma única mastite devido a um soutien muito apertado, algumas dores no mamilo nos primeiros dias, resolvido com bicos de silicone durante alguns dias e desde então já cá vão 28 meses de amamentação sem dores nem problemas!
E concordo com a Cat dar mama é mais do que alimento, é sim conforto, mimo, porto seguro muito diferente de biberão. Dei biberão à minha primeira filha que não conseguiu mamar por problemas de saúde e nada tem a ver com dar mama. Ao dar biberão, claro que damos mimo, mas é diferente.
Tenho a duas experiências e realmente quando a amamentação corre bem, para mim, é a melhor coisa do mundo.

Submetido por Lili79 em Ter, 03/10/2017 - 10:42
Cat Chloé -
Offline
Desde 30 Mar 2011

Mas a autora do tópico veio pedir indicações porque não quer amamentar, porquê o insistir na amamentação? É isto que não gosto,no não respeitar de uma decisão que já está tomada, do querer impingir aquilo que não se quer, de bombardear uma pessoa com tudo aquilo que não perguntou. Sejamos mais tolerantes para quem pensa diferente de nós. E é esta vertente das defensoras da amamentação que detesto! Sim, detestar! Eu amamentei, no entanto não ando a passar atestados de burrice a quem não o fez por algum motivo. Tolerância e aceitação a quem pensa alimentar o seu filho a LA.

Submetido por Cat Chloé em Qua, 04/10/2017 - 08:21
Cat-st -
Offline
Desde 31 Jul 2012

Cat Chloé escreveu:
Mas a autora do tópico veio pedir indicações porque não quer amamentar, porquê o insistir na amamentação? É isto que não gosto,no não respeitar de uma decisão que já está tomada, do querer impingir aquilo que não se quer, de bombardear uma pessoa com tudo aquilo que não perguntou. Sejamos mais tolerantes para quem pensa diferente de nós. E é esta vertente das defensoras da amamentação que detesto! Sim, detestar! Eu amamentei, no entanto não ando a passar atestados de burrice a quem não o fez por algum motivo. Tolerância e aceitação a quem pensa alimentar o seu filho a LA.

Devia então ter lido os comentários todos. A discussão começou não por causa da autora do tópico mas em resposta a outro comentário. Se a autora não quer é livre de escolha. E ninguém aqui (pelo menos que tenha visto) passou atestados de burrice. Mas fica aqui a dica para leitura total do tópico Sorriso

Submetido por Cat-st em Qui, 05/10/2017 - 08:13
Sobre Cat-st

- Última pílula em Março 2014, SOP, Clomid + IIU
- Positivo a 6/4/2015 - AR 18/5/2015
- De volta aos treinos Julho 2015
- 1o FIV (+)
- Nasceu o meu piolho em 2016

Ifam -
Offline
Desde 04 Set 2015

Se há coisa que aprendi é que isto da maternidade é tudo menos uma ciência exacta e há comentários que me fazem mesmo muitas cócegas! Feliz de quem conseguiu amamentar sem uma greta, sem uma dor, e com muito leite, feliz de quem trabalha perto de casa e consegue amamentar em exclusivo até aos 6 meses, feliz de quem tem bébés que dormem noites seguidas desde sempre, feliz de quem tem bébés que nunca ficam doentes, que não fazem birras e tantas outras coisas, feliz de quem tem tempo para fazer papás caseiras, iogurtes, biscoitos, panquecas e que os filhos não comem nada de compra!
Aqui fala uma mãe que amamentou mas que sofreu muito, tive um mamilo que até se desfazia, por acaso tive uma enfermeira que me deu uma pomada que fez milagres, senão tinha desistido, e hoje digo a toda a gente que conheço que a amamentação pode não ser esse sonho que muitas insistem em pintar! O meu filho começou os sólidos aos 4,5 meses porque nunca consegui tirar leite em quantidade com a bomba que me permitisse fazer stock. E quando comecei a trabalhar a minha produção de leite baixou drasticamente e acabei por só chegar aos 8 meses porque ele puxava e como não saía o que ele queria, chorava e mordia-me até fazer sangue!Tal como a Guialmi pura e simplesmente deixei de dar de mamar e não senti nada de nada de diferente a nível físico. E o meu filho apesar de amamentado e de só ter começado a creche agora, apanhou febre aftosa, escarlatina e milhentas viroses! Ah, e nem toda a gente vive nos grandes centros onde pode consultar CAMs.. Por aqui tenho uma enfermeira de saúde materna que é uma amor e me ajudou no que pode!
Aqui fala uma mãe que sempre disse que não levava o filho para a minha cama, dormir connosco nem pensar, porque é comodismo e afins. Pois bem calhou-me um bébé que ainda hoje aos 2 anos não dorme uma noite inteira, acorda N vezes durante a noite e sim, dormiu algumas vezes comigo para eu manter a minha sanidade mental e conseguir trabalhar! Chorei muitas lágrimas de madrugada, a privação do sono é terrível e só quem passa por isso consegue entender! E sim, já li livros, já experimentei de tudo, já apliquei milhentas teorias mas o meu filho simplesmente acorda e já me convenci que há-de passar um dia...
Aqui fala uma mãe que sai de casa para trabalhar às 8h e entra em casa às 19h,e que algumas vezes já deu Nestum ao filho para jantar porque não conseguiu fazer sopa!
Sou a melhor mãe que consigo ser e tenho a certeza que para o meu filho sou a melhor mãe do mundo!
E é só isso que importa, salvo raras excepções, somos todas adultas e responsáveis e tomamos as melhores decisões possíveis tendo em conta o nosso bébé e o nosso contexto familiar que é único! E por aqui com LA, com noites mal dormidas, com birras e afins, com papas de compra e muitas bolachas Maria somos muito felizes!

Submetido por Ifam em Qui, 05/10/2017 - 08:55
Cat-st -
Offline
Desde 31 Jul 2012

E ninguém aqui disse o contrário Ifam Sorriso

Submetido por Cat-st em Qui, 05/10/2017 - 10:03
Sobre Cat-st

- Última pílula em Março 2014, SOP, Clomid + IIU
- Positivo a 6/4/2015 - AR 18/5/2015
- De volta aos treinos Julho 2015
- 1o FIV (+)
- Nasceu o meu piolho em 2016

guialmi -
Offline
Desde 13 Jul 2013

Ifam, é a melhor mãe para o seu filho de certeza! Felizmente fui abençoada com duas filhas super saudáveis (apesar do LA exclusivo quase desde o nascimento), e tenho horários de trabalho mais humanos (muito do meu trabalho pode ser feito em casa), mas também me calharam duas filhas que até aos 2 anos e meio não dormiam de noite e compreendo bem o desespero. Aliás, ao ponto de ter sido uma das razões mais fortes para não ter ido ao terceiro filho. Posso dizer lhe que sim, melhora, eu notei diferenças a partir dos 2 anos e ao chegar aos 3 já só acordavam uma ou duas vezes por noite. E por aqui também foi muita papa cerelac e muita bolacha maria com iogurte Sorriso

Submetido por guialmi em Qui, 05/10/2017 - 10:04
magcs -
Offline
Desde 25 Abr 2017

É impressionante como o ser humano nunca está contente com o que tem. Quando a ciência não consegue responder às circunstâncias, move-se montanhas para encontrar algo. Quando a resposta está nas mãos, complica-se ou desconstrói-se o que existe. É o caso da amamentação. O que é que se ganha com estes fundamentalismos? Uma medalha? Muitas vezes parece-me que se usa a amamentação ou até outros assuntos como a vacinação ou a alimentação para se demonstrar como se é mais informada ou melhor mãe que as outras. Só disparates...
Há que ser feliz com o que a vida atual nos proporciona. Nas palavras de um pediatra chefe de serviço de um hospital, as pessoas mentem e mentem claramente no caso da amamentação para ficarem bem vistas em função da tendência atual...

Submetido por magcs em Qui, 05/10/2017 - 21:11
Lili79 -
Offline
Desde 12 Dez 2016

Mas será que não se pode dar conselhos sobre amamentação a quem tem dúvidas ou perguntas contando o nosso caso sem ser chamada de fundamentalista da amamentação?!
A amamentação não corre bem a todas nem sempre corre bem com cada filho que se tenha, mas às vezes corre bem então não vejo porque não se pode contar aqui que a amamentação é uma boa coisa quando corre bem para a mãe e o bébé?!
Eu sinto-me à vontade para falar porque tenho duas filhas, a primeira só amamentada uns dias e tive de passar ao LA porque não estava a correr bem e a segunda ainda mama com 28 meses ainda é amamentada e sim correu bem, adorei amamentar desde o primeiro dia.
Não me sinto melhor mãe da segunda que foi amamentada do que da primeira que o foi muito pouco mas sinto que a experiência foi diferente, consegui acalmar muito melhor a segunda com a mama a cada choro, cada momento menos bom...
Enfim não me parece que alguém queria aqui obrigar ninguém a amamentar, simplesmente quem gostou da experiência gosta de a partilhar com as mães que têm dúvidas sobre o assunto!

Submetido por Lili79 em Qui, 05/10/2017 - 21:59
Cat-st -
Offline
Desde 31 Jul 2012

Lili79 escreveu:
Mas será que não se pode dar conselhos sobre amamentação a quem tem dúvidas ou perguntas contando o nosso caso sem ser chamada de fundamentalista da amamentação?!
A amamentação não corre bem a todas nem sempre corre bem com cada filho que se tenha, mas às vezes corre bem então não vejo porque não se pode contar aqui que a amamentação é uma boa coisa quando corre bem para a mãe e o bébé?!
Eu sinto-me à vontade para falar porque tenho duas filhas, a primeira só amamentada uns dias e tive de passar ao LA porque não estava a correr bem e a segunda ainda mama com 28 meses ainda é amamentada e sim correu bem, adorei amamentar desde o primeiro dia.
Não me sinto melhor mãe da segunda que foi amamentada do que da primeira que o foi muito pouco mas sinto que a experiência foi diferente, consegui acalmar muito melhor a segunda com a mama a cada choro, cada momento menos bom...
Enfim não me parece que alguém queria aqui obrigar ninguém a amamentar, simplesmente quem gostou da experiência gosta de a partilhar com as mães que têm dúvidas sobre o assunto!

Concordo TOTALMENTE!
É mesmo o que disseste: podemos dar informações e tentar ajudar mesmo dizendo que as vezes não é para todas e mesmo assim somos chamadas de fundamentalistas...

Submetido por Cat-st em Sex, 06/10/2017 - 08:41
Sobre Cat-st

- Última pílula em Março 2014, SOP, Clomid + IIU
- Positivo a 6/4/2015 - AR 18/5/2015
- De volta aos treinos Julho 2015
- 1o FIV (+)
- Nasceu o meu piolho em 2016

KellyPT -
Offline
Desde 05 Abr 2011

Eu também acho que existe muita intolerância em relação às mães que não amamentam e uma pressão social desmesurada para que o façam, a qualquer custo. Isto não se vê, obviamente, pelo facto de se relatarem experiências de amamentação bem-sucedida nem por se tentar ajudar quem quer amamentar e procura ajuda (eu faço-o muitas vezes).

Vê-se pelo facto de, mesmo quando a pessoa já tomou uma decisão e não procura ajuda nenhuma (como foi o caso da autora deste tópico) não se resistir a dar "conselhos" e transmitir "informação" que sugerem sempre que a decisão não foi a melhor e devia ser reconsiderada. Ou então se condenar abertamente a decisão, como também já vi.

Mas o que mais me choca nem são estes casos em que a decisão já está claramente tomada (como neste tópico), porque aqui é de esperar que a mãe se sinta mais segura. O pior, para mim, são as situações de pessoas que abrem tópicos expondo dificuldades imensas com a amamentação, muitas vezes prolongadas e que claramente procuram apenas legitimação e apoio para uma solução de alimentação alternativa menos penosa para si (LA). É facílimo perceber quando assim é e distinguir estes casos daqueles em que a mãe procura verdadeiramente ajuda para continuar a amamentar.

Pois, nesses casos, mesmo que uma mãe vá contar que o filho não dorme mais de meia hora há quinze dias, que aumentou 100 gramas no último mês, que pediatra e médico de família aconselham a introdução de LA e que já não pode mais, aparecem sempre dezenas de pessoas a dizer, por diferentes palavras, a mesma coisa: AGUENTA. Aguenta, que mais nenhuma solução é aceitável, não serás boa mãe se não o fizeres e vais-te arrepender (esta última não é bem um conselho, é mais uma praga).

São sempre picos de crescimento e dificuldades com a pega e tudo vai passar - não se sabe é quando nem como estará a mãe (e o pai e, já agora, o filho) no fim de tudo. A solução é sempre insistir um pouco mais, há sempre mais qualquer coisa a tentar. Aconselha-se as mães irresponsavelmente a ignorar conselhos médicos e a "seguir o seu instinto", mas eu fico muitas vezes com a sensação de que este só vale se lhe disser para continuar a amamentar. Se lhe disser para seguir o conselho médico, é falta de informação.

E, naturalmente, se aparecer alguém sugerindo que se calhar um biberão de leite pode ajudar a resolver a situação, será imediatamente acusada de ser contra a amamentação e de estar a difundir falsa informação (os médicos e enfermeiros estão sempre "vendidos" às empresas que comercializam LA). Qualquer vantagem deste leite é falsa, como se fosse possível uma solução escolhida por milhões de mulheres em todo o mundo (e introduzida coincidentemente com a redução exponencial da taxa de mortalidade infantil e aumento da esperança média de vida) não ter vantagem nenhuma. Mesmo as vantagens imediatamente visíveis (controlo da quantidade de leite que o bebé ingere e possibilidade de ser amamentado por outra pessoa) são desvalorizadas ou sugere-se que se retire leite com bomba, como se isto não duplicasse o esforço da mãe e não fosse muitas vezes pior a emenda do que o soneto. Muitas vezes, até se reconhece que aquilo que se diz não é bem falso (ex. os bebés dormirem tendencialmente melhor), mas não se devia dizer, para não desencorajar a amamentação. Ou seja, trata-se as mulheres como mentecaptas que não podem saber tudo, caso contrário irão a correr comprar LA...

Muitas pessoas que gostam de amamentar parecem sentir-se insultadas quando ouvem outras dizer que não o querem fazer e já ouvi discussões inacreditáveis começarem só por se declarar uma intenção a título pessoal, sem dizer uma palavra acerca das opções das restantes. Uma blogger conhecida - a Pipoca mais Doce - declarou no seu blogue que não iria amamentar e fizeram queixa dela à Comissão de Proteção de Menores...

Alguém perguntava o que é que as mulheres ganham com isto: eu acho que ganham o autoconvencimento de que são, elas próprias, excelentes mães, por contraponto a outras que consideram não o serem e que são usadas como bodes expiatórios de frustrações pessoais.

Atenção que eu não escrevo isto em relação a nenhuma participante deste tópico em concreto. Acho que se trata de um fenómeno muito mais geral e que algumas pessoas embarcam nele com as melhores intenções e julgando que estão verdadeiramente a ajudar. Só que não estão a ajudar. Estão apenas a alimentar a estigmatização e os sentimentos de culpa.

Quando nasceu o meu primeiro filho, cuja amamentação como eu disse correu muito mal, muitíssima gente me dizia que eu não tinha leite suficiente, uma vez que ele berrava claramente com fome e as minhas mamas não pareciam muito cheias de leite. Eu nunca utilizei o argumento de não ter leite: primeiro, porque sei que ter mamas maiores ou menores não é indicativo de coisa nenhuma; depois porque não sei o que teria acontecido se lhe ficasse com ele ao peito 23 horas por dia (nunca experimentei, nem pretendo); e, finalmente, porque isso seria contribuir para a ideia de que as mães não devem poder optar: só é aceitável que dêem LA se não tiverem mais escolha nenhuma (sendo que para algumas parece que isto nunca acontece).

Ora, eu acho que as mães devem optar e que, quase sempre, optam bem e escolhem verdadeiramente aquilo que é melhor para os filhos, porque só elas os conhecem bem e às suas circunstâncias e ninguém está mais interessado no respetivo bem-estar. Enfim, a minha mensagem já vai longa, mas eu quero realmente dizer isto, não para chatear ninguém, mas porque acho mesmo que ser mulher é difícil, ser mãe pior ainda e que é importante parar para pensar se nos estamos mesmo a ajudar umas às outras ou se estamos só a pressionar ainda mais

Submetido por KellyPT em Sex, 06/10/2017 - 10:54
Lili79 -
Offline
Desde 12 Dez 2016

Concordo contigo KellyPT mas também quero referir que a pressão não é só num sentido. Eu sinto muito mais pressão para deixar de amamentar a minha mais nova do que senti quando dava biberão à minha mais velha. Desde os primeiros meses que ouço comentários de amigos, familiares, conhecidos e pessoas que nem conheço. Ao início era a menina está sempre a mamar, se calhar o leite não chega ou não é bom, as perguntas sobre o aumento de peso etc... e desde que ela passou do 1º ano é comentários como ela ainda mama! Quando vou parar, que ela já é grande para ainda mamar, que devia dar-lhe outro leite para ela deixar a mama, que é vício, que ela vai ficar muito agarrada a mim, que já é vergonha ainda mamar com esta idade etc...
Da minha mais velha só me lembro de um único comentário foi num shopping, fui para o cantinho da amamentação para dar biberão à minha filha para estar num sítio mais calmo e uma mãe que estava a amamentar o bebé disse-me que assim era mais fácil, só respondi que sim, sem dar mais conversa... de resto nunca ninguém me disse nada, pelo contrário todos diziam que era melhor porque assim sabia a quantidade de leite que ela bebia, que ia dormir melhor de noite etc...
Isto para dizer que em tudo na vida e na maternidade sobretudo temos pressões é sobre o parto, ai de quem queira uma cesariana programada (foi o meu caso), é sobre a amamentação, é sobre a creche/ama/avó, é sobre a vacinação, é sobre a alimentação, é sobre a educação em geral etc... por isso. não acho que só quem dê LA sente pressão, sentimos todas nas opções que tomamos, temos é de tomar decisões em plena consciência e sermos seguras com as nossas decisões, nem sempre é fácil, por isso o fórum existe, para trocarmos ideias, conselhos mas depois cada uma faz o que quiser!

Submetido por Lili79 em Sex, 06/10/2017 - 14:09
KellyPT -
Offline
Desde 05 Abr 2011

Lili79 escreveu:
Concordo contigo KellyPT mas também quero referir que a pressão não é só num sentido. Eu sinto muito mais pressão para deixar de amamentar a minha mais nova do que senti quando dava biberão à minha mais velha. Desde os primeiros meses que ouço comentários de amigos, familiares, conhecidos e pessoas que nem conheço. Ao início era a menina está sempre a mamar, se calhar o leite não chega ou não é bom, as perguntas sobre o aumento de peso etc... e desde que ela passou do 1º ano é comentários como ela ainda mama! Quando vou parar, que ela já é grande para ainda mamar, que devia dar-lhe outro leite para ela deixar a mama, que é vício, que ela vai ficar muito agarrada a mim, que já é vergonha ainda mamar com esta idade etc...
Da minha mais velha só me lembro de um único comentário foi num shopping, fui para o cantinho da amamentação para dar biberão à minha filha para estar num sítio mais calmo e uma mãe que estava a amamentar o bebé disse-me que assim era mais fácil, só respondi que sim, sem dar mais conversa... de resto nunca ninguém me disse nada, pelo contrário todos diziam que era melhor porque assim sabia a quantidade de leite que ela bebia, que ia dormir melhor de noite etc...
Isto para dizer que em tudo na vida e na maternidade sobretudo temos pressões é sobre o parto, ai de quem queira uma cesariana programada (foi o meu caso), é sobre a amamentação, é sobre a creche/ama/avó, é sobre a vacinação, é sobre a alimentação, é sobre a educação em geral etc... por isso. não acho que só quem dê LA sente pressão, sentimos todas nas opções que tomamos, temos é de tomar decisões em plena consciência e sermos seguras com as nossas decisões, nem sempre é fácil, por isso o fórum existe, para trocarmos ideias, conselhos mas depois cada uma faz o que quiser!

Concordo contigo e sei bem do que falas, porque tive o meu segundo filho com 44 anos e parecia haver uma presunção geral de que não seria capaz de amamentá-lo. De forma que cada vez que a criança dizia "ai" havia sempre alguém que me perguntava se não seria fome ou se o leite não seria fraco, apesar de ter aumentado 1,2kg no primeiro mês (!)

Só que as coisas, do meu ponto de vista, não são simétricas. A decisão de amamentar é, em si mesma e devido à generalidade da informação disponível, muito mais fácil de tomar do que a decisão de não amamentar. O nível de culpabilização que esta segunda decisão pode chegar a originar não tem comparação possível. E, já agora, a "raiva" de algumas mulheres face àquelas que não amamentam também não.

Já vi, neste mesmo fórum, num tópico muito semelhante a este aberto por uma mãe que dizia não gostar de amamentar (sem um vestígio de crítica aquelas que o fazem), a discussão tornar-se tão acesa e provocatória que um grupo de mães pró-amamentação (que se descreviam a si próprias como uma "tribo") acabar a postar fotos de crianças de 5-6 anos a mamar, dizendo ser a melhor coisa do mundo! Entre muitas outras coisas...

Nunca vi mães que não querem amamentar tão agressivas contra as que o fazem, mas posso andar distraída...

Submetido por KellyPT em Sex, 06/10/2017 - 14:37
Lili79 -
Offline
Desde 12 Dez 2016

Não vi estes tópicos, realmente é triste haver esses julgamentos. Terei mais cuidado nas palavras para evitar fazer quem quer que seja se sentir pressionada a amamentar quando não o quer, nunca foi minha intenção, apenas gosto de partilhar a minha experiência já que como a KellyPT tive as duas experiências e gosto de amamentar, então se puder ajudar alguém que tenha dúvidas, gosto de o fazer...

Submetido por Lili79 em Sex, 06/10/2017 - 14:56
Cat Chloé -
Offline
Desde 30 Mar 2011

KellyPT escreveu:
Eu também acho que existe muita intolerância em relação às mães que não amamentam e uma pressão social desmesurada para que o façam, a qualquer custo. Isto não se vê, obviamente, pelo facto de se relatarem experiências de amamentação bem-sucedida nem por se tentar ajudar quem quer amamentar e procura ajuda (eu faço-o muitas vezes).
Vê-se pelo facto de, mesmo quando a pessoa já tomou uma decisão e não procura ajuda nenhuma (como foi o caso da autora deste tópico) não se resistir a dar "conselhos" e transmitir "informação" que sugerem sempre que a decisão não foi a melhor e devia ser reconsiderada. Ou então se condenar abertamente a decisão, como também já vi.
Mas o que mais me choca nem são estes casos em que a decisão já está claramente tomada (como neste tópico), porque aqui é de esperar que a mãe se sinta mais segura. O pior, para mim, são as situações de pessoas que abrem tópicos expondo dificuldades imensas com a amamentação, muitas vezes prolongadas e que claramente procuram apenas legitimação e apoio para uma solução de alimentação alternativa menos penosa para si (LA). É facílimo perceber quando assim é e distinguir estes casos daqueles em que a mãe procura verdadeiramente ajuda para continuar a amamentar.
Pois, nesses casos, mesmo que uma mãe vá contar que o filho não dorme mais de meia hora há quinze dias, que aumentou 100 gramas no último mês, que pediatra e médico de família aconselham a introdução de LA e que já não pode mais, aparecem sempre dezenas de pessoas a dizer, por diferentes palavras, a mesma coisa: AGUENTA. Aguenta, que mais nenhuma solução é aceitável, não serás boa mãe se não o fizeres e vais-te arrepender (esta última não é bem um conselho, é mais uma praga).
São sempre picos de crescimento e dificuldades com a pega e tudo vai passar - não se sabe é quando nem como estará a mãe (e o pai e, já agora, o filho) no fim de tudo. A solução é sempre insistir um pouco mais, há sempre mais qualquer coisa a tentar. Aconselha-se as mães irresponsavelmente a ignorar conselhos médicos e a "seguir o seu instinto", mas eu fico muitas vezes com a sensação de que este só vale se lhe disser para continuar a amamentar. Se lhe disser para seguir o conselho médico, é falta de informação.
E, naturalmente, se aparecer alguém sugerindo que se calhar um biberão de leite pode ajudar a resolver a situação, será imediatamente acusada de ser contra a amamentação e de estar a difundir falsa informação (os médicos e enfermeiros estão sempre "vendidos" às empresas que comercializam LA). Qualquer vantagem deste leite é falsa, como se fosse possível uma solução escolhida por milhões de mulheres em todo o mundo (e introduzida coincidentemente com a redução exponencial da taxa de mortalidade infantil e aumento da esperança média de vida) não ter vantagem nenhuma. Mesmo as vantagens imediatamente visíveis (controlo da quantidade de leite que o bebé ingere e possibilidade de ser amamentado por outra pessoa) são desvalorizadas ou sugere-se que se retire leite com bomba, como se isto não duplicasse o esforço da mãe e não fosse muitas vezes pior a emenda do que o soneto. Muitas vezes, até se reconhece que aquilo que se diz não é bem falso (ex. os bebés dormirem tendencialmente melhor), mas não se devia dizer, para não desencorajar a amamentação. Ou seja, trata-se as mulheres como mentecaptas que não podem saber tudo, caso contrário irão a correr comprar LA...
Muitas pessoas que gostam de amamentar parecem sentir-se insultadas quando ouvem outras dizer que não o querem fazer e já ouvi discussões inacreditáveis começarem só por se declarar uma intenção a título pessoal, sem dizer uma palavra acerca das opções das restantes. Uma blogger conhecida - a Pipoca mais Doce - declarou no seu blogue que não iria amamentar e fizeram queixa dela à Comissão de Proteção de Menores...
Alguém perguntava o que é que as mulheres ganham com isto: eu acho que ganham o autoconvencimento de que são, elas próprias, excelentes mães, por contraponto a outras que consideram não o serem e que são usadas como bodes expiatórios de frustrações pessoais.
Atenção que eu não escrevo isto em relação a nenhuma participante deste tópico em concreto. Acho que se trata de um fenómeno muito mais geral e que algumas pessoas embarcam nele com as melhores intenções e julgando que estão verdadeiramente a ajudar. Só que não estão a ajudar. Estão apenas a alimentar a estigmatização e os sentimentos de culpa.
Quando nasceu o meu primeiro filho, cuja amamentação como eu disse correu muito mal, muitíssima gente me dizia que eu não tinha leite suficiente, uma vez que ele berrava claramente com fome e as minhas mamas não pareciam muito cheias de leite. Eu nunca utilizei o argumento de não ter leite: primeiro, porque sei que ter mamas maiores ou menores não é indicativo de coisa nenhuma; depois porque não sei o que teria acontecido se lhe ficasse com ele ao peito 23 horas por dia (nunca experimentei, nem pretendo); e, finalmente, porque isso seria contribuir para a ideia de que as mães não devem poder optar: só é aceitável que dêem LA se não tiverem mais escolha nenhuma (sendo que para algumas parece que isto nunca acontece).
Ora, eu acho que as mães devem optar e que, quase sempre, optam bem e escolhem verdadeiramente aquilo que é melhor para os filhos, porque só elas os conhecem bem e às suas circunstâncias e ninguém está mais interessado no respetivo bem-estar. Enfim, a minha mensagem já vai longa, mas eu quero realmente dizer isto, não para chatear ninguém, mas porque acho mesmo que ser mulher é difícil, ser mãe pior ainda e que é importante parar para pensar se nos estamos mesmo a ajudar umas às outras ou se estamos só a pressionar ainda mais

Kelly é isso tudo!! Será que se perdeu a sensibilidade e empatia de mulher para mulher? Eu nisto da maternidade gosto pouco de dar bitaites, cada uma faz como acha melhor e há que respeitar!

Submetido por Cat Chloé em Sáb, 07/10/2017 - 13:55
Mimamae27 -
Offline
Desde 13 Ago 2017

Nossa. Essa discussão LM versus LA é complicada. Uma coisa eu digo " há mães que não produzem leite suficiente e ponto" meu bebê ficou como prova e ninguém me provaria o contrário ( perdeu 600 gramas por semana, possivelmente mamava vento). Pra quem amamenta é fácil falar vendo essas teorias de que toda mãe produz o suficiente darem certo, e quando se faz de tudo e não consegue? Chorei horrores. Sofri tanta pressão que até hoje estou depressiva, não consigo me sentir completa mesmo tendo tentado tudo é isso é terrível. Pra piorar meu bebê bebe pouquíssimo LA e é magrinho, o que piora a situação. Mães que deram certo com amamentação deviam ser solidárias com quem não consegue e não afirmar com certeza que certas teorias são certas pois não são. Caso fossem então eu seria um ET rsrs

Submetido por Mimamae27 em Qui, 16/11/2017 - 16:40
Sobre Mimamae27

Mimamae27

sonia R B -
Offline
Desde 06 Out 2017

Eu cá adoro amamentar nunca tive mastite ou fisuras ou outra coisa qualquer por isso sim é possível amamentar sem dor como já disse a mama cat-st adoro ver a minha filha a mamar e a sorrir para mim, as vezes até me faz festinhas na mama dou graças a Deus por tudo pela paciência em corrigir a pega pela minha confiança no meu leite quando toda a gente me dizia que o meu leite não era bom e por ainda amamentar é muito gratificante para mim. Mas no fundo se tivesse algum problema que não me permitisse amamentar claro que iria dar LA no entanto a minha filha quando eu ainda estava no hospital mamou LA por fracasso meu eu amamentava a bebé e como não a ouvia a engolir e como muita gente que me foi ver me disse que não tinha leite como estava muito frágil nesse momento decidi pedir um biburao de LA no meu caso foi a pior coisa que fiz a bebé com 1 dia de vida esteve a noite toda a chorar com cólicas é claro que quando temos apenas o colostro não vamos ouvir tanto o bebé a engolir no meu caso eu nem a ouvia.

Eu nesta gravidez tenho muito leitinho e numa próxima posso não ter não sou contra o LA posso vir a precisar mas em termos do amor que vejo quando dou a maminha a minha bebé acho que não tem nada a ver com dar um biburao de leite é o contacto físico acho muito importante mas é como disse anteriormente e peço que não me interpretem mal que eu própria posso vir a precisar de dar o biburao a um próximo filho e não é por dar o biburao de LA que as mães gostam menos dos filhos ou que as mamas que dão a maminha gostam mais dos filhos por isso, é igual o amor que cada uma sente pelos seus próprios filhos o objetivo de todas as mães é sempre fazer o melhor para os filhos e até mesmo para elas porque não sei felizmente o que é amamentar com dores. Mas isto é só a minha opinião mais uma para a coleção peço desde já desculpa para as mamas que por algum motivo ficaram ofendidas pelo que disse mas não quero desvalorizar ninguém esta é apenas a minha opinião não menos importante que as vossas nem mais importante é exatamente igual. Sorriso Sorriso Sorriso

Submetido por sonia R B em Sex, 17/11/2017 - 00:54
Tery P -
Offline
Desde 20 Nov 2017

Vou contar o meu testemunho!!
Fui mãe em Agosto e o meu leite demorou a descer (ou a subir não sei bem como se diz). Nos dias que passei na maternidade a minha bebe passava o tempo todo no peito e eu não a ouvia engolir mas todas as enfermeiras que vinham conseguiam ouvir!!! Eu e a minha família é que não!! Conclusão: a minha filha no segundo dia de vida não parou de chorar, e quando já pela noite uma enfermeira que tinha entrado naquele turno perguntou se a menina passou o dia a chorar e eu disse que sim, verificou que estava já com febre devido à desidratação!!! Caiu-me tudo!!! Essa enfermeira foi logo buscar LA e a partir daí deram-me uma bomba automática para estimular a descida do leite! Eu fiquei um pouco traumatizada com a situação e vim pra casa com a ideia de dar LA à minha filhinha! Entretanto em casa (sim comprei uma lata de leite) vi que a minha filha mamava e que já tinha bastante leite pois molhava constantemente camisolas e lençóis durante a noite! No entanto a minha filha fez sempre uma má pega, ora se ouviam estalinhos ora ingeria muito ar, etc etc! Digo-vos que só perto dos 3 meses é que consegui a pega correta e agora sim estou a adorar amamentar a minha princesa! Tem ganho 1kg por mês a LM exclusivo e o pediatra diz que está muito bem assim, estou orgulhosa!
Mas tudo isto para dizer que se não fosse aquela enfermeira não sei o que poderia ter acontecido e sim muitas vezes são tão fanáticos com a amamentação que não olham a mais nada!

Submetido por Tery P em Ter, 21/11/2017 - 17:45
Sobre Tery P

Teresa Ferreira