A minha enteada conta as coisas da nossa casa à mãe (ex-mulher do meu marido) | De Mãe para Mãe

A minha enteada conta as coisas da nossa casa à mãe (ex-mulher do meu marido)

Responda
32 mensagens
Ana Galvão 15 -
Offline
Desde 11 Nov 2022

Boa tarde,
Não sei o que fazer em relação a uma situação.
Tenho uma enteada de 15 anos, e já por várias vezes, venho a saber que ela conta coisas lá de casa à mãe, ou seja, à ex-mulher do meu marido.
Conta coisas do género "Na casa do pai aconteceu isto", "A casa do pai agora está assim", "A lua-de-mel deles foi ali".
Com isto, já por várias vezes, a ex-mulher vem de lá com indiretas e piadas para o meu marido, onde refere coisas que aconteceram em casa, e vimos a saber que foi a miúda que contou.
Isto chateia-me um pouco pois parece que não tenho privacidade na minha própria casa.
A coisa piorou ainda mais, quando agora na última vez que aconteceu, a ex. mulher do meu marido perguntou ao meu marido se estava tudo bem, porque a miúda foi dizer que em certo dia estava um ambiente pesado em casa porque eu e o pai estávamos chateados...
Ele com medo da minha reação, nem me contou. Soube porque devido a outra situação, ele teve que chamar a miúda à atenção, e veio esse tema "à baila", e eu que estava presente, soube assim.
Isto faz com que eu nem confie nela, pois sei lá o que ela vai contar.
O pior é que já andamos com este tema há quase 2 anos, dizemos a ela para não voltar a fazer, mas isso dura uns meses, e depois volta a acontecer novamente.
Se voltar a acontecer o que faço?
Dá-me vontade de lhe dizer para ir na hora para casa da mãe tipo castigo.
Mas será legítimo?
O que fariam se acontecesse com vocês?

Sara_R -
Offline
Desde 02 Dez 2014

Boa tarde Ana,
recordo-me do tópico que criou há uns dias sobre a sua enteada e a situação de sair à noite para ir ao cinema. Eu acho que está a exagerar um pouco.
Nesta situação que relata, a sua enteada está constantemente a dizer à mãe o que e passa, ou comenta com a mãe situações do seu dia a dia?! Eu não acho mal que a sua enteada converse com a mãe e diga por exemplo "Na casa do pai agora fizemos isto, ou fomos ali...". Ela também não conta o que faz na casa da mãe?
Eu acho sinceramente que está a querer interferir demasiado na educação da sua enteada e que deveria deixar isso para os pais, dando apenas a sua opinião!

Sansa -
Offline
Desde 18 Jan 2018

Eu quando andava na escola, chegava a casa e comentava com os meus pais, coisas que aconteciam. Na faculdade, o mesmo, umas situações com os pais, outras com os meus amigos.
Quando comecei a trabalhar, e ia to ar café com os amigos, comentava coisas do meu trabalho.
Quando partilhei a casa com uma amiga, chegava a casa e ambas falávamos sobre os nossos locais de trabalho.
Actualmente, comento com o meu namorado coisas que acontecem no meu local de trabalho.
Acho que faz parte conversar com as pessoas que nos são próximas.
Eu acho perfeitamente natural este tipo de interação. Mas isto não é algo expectável?
Eu acho absurdo que a repreendam por isso, ou ponham em causa se podem ou não confiar nela. O que é que se passa na sua casa que é assim tão grave que a sua enteada comente com a própria mãe?

MisaL -
Offline
Desde 17 Abr 2019

Eu acho normal. De certeza que não conta para criticar, mas no sentido de conversar, de reparar em coisas que são diferentes, de elogiar algumas... Há uns tempos li um artigo que as crianças deviam frequentar "casas", amigos, vizinhos, familiares para constatarem diferenças, rotinas, organizações, relações,etc. É um pouco isso que acontece, quando chega à conta conta as diferenças que vê.
Acho que a solução é não lhe dizerem nada, quanto mais "não contes o que se passa" mais pode ser interessante contar e contar com mais promenores.

Ana LuzCosta -
Online
Desde 10 Ago 2022

Concordo com o que já foi dito, é normalissimo que o faça e não deveria haver mal nenhum nisso. Só que me parece que acha que ela o está a fazer com uma certa maldade ou esperança que os pais voltem? Isso não será algo que está a criar na sua cabeça? Longe de mim criticar aquilo que sente, mas às vezes temos que nos afastar e perguntar a nós próprios o que nos faz pensar de certa forma. O facto de lhe dizerem para não o fazer dá a entender que há algo escondido e isso pode aliciar ainda mais.
Uma miúda com 15 anos que seja minimamente sociável vai falar pelos cotovelos de tudo...

Anotski85 -
Offline
Desde 09 Jun 2020

Li o outro tópico e as respostas. E agora este. E parece-me que a Ana está implicativa com a sua enteada e tem de fazer um trabalho de reflexão sobre a origem dessa implicância.
.
Eu sou filha de pais divorciados. Tenho 37 anos. Ainda hoje partilho com cada um deles o que se passa na vida um do outro. Não conto pormenores nem coisas íntimas mas comento que a "a mãe foi ao ginásio e não estive com ela esta tarde" ou "na mãe comemos isto ou aquilo e o bebé provou e gostou" ou conto à minha mãe coisas da casa do meu pai, do mesmo género. Basicamente, partilho coisas corriqueiras, do dia a dia, que não são segredo para ninguém, especialmente quando se tem um filho em comum. Se a minha mãe ou o meu pai tivessem casado novamente, seria exatamente igual. Para mim, eles são os meus pais e partilham uma "intimidade" em que outras pessoas não podem entrar, que é a sua filha em comum.
Talvez a Ana não esteja a ver bem a situação. A mãe da menina é a Mãe da menina e por muito que elas tenham uma relação tóxica (como disse no outro tópico, e seja lá o que isso for - é tão fácil ter uma relação parental difícil com um adolescente) a mãe é sempre um reduto de segurança para um filho. Contamos aos pais porque os pais são os pais, são o que de mais íntimo temos nesta vida até virmos a constituir a nossa família.
Que a menina conte à mãe o que se passa na casa em que vive é perfeitamente natural e fá-lo-á quer o pai esteja casado ou não. Isso é provavelmente um dado com que a Ana vai ter de conviver. Se não gosta, pode pedir para não contar, mas isso é pedir para privar a menina de partilhar o seu quotidiano com a mãe. O que me parece receita para conflitos mais que legítimos.

ClaraMiguel -
Offline
Desde 03 Nov 2013

Pessoalmente não acho que o problema esteja no facto de ela contar (a não ser que lhe tenham pedido segredo sobre algo específico). A vivência em vossa casa faz parte da vida dela, vida essa que ela partilha com os amigos, com a família, com colegas, com quem quiser.
As crianças no jardim de infância adoram contar tudo o que se passa em casa. Tudo mesmo, às vezes até demais e coisas que claramente os pais não quereriam propriamente que as educadoras soubessem. Mas como impedir? Sorriso É a vida delas e faz parte do crescimento, partilhar.
Não faz sentido ela fingir que a vossa casa, as vossas rotinas, a vida dela convosco, simplesmente não existe quando ela está com a mãe. Como se fosse um assunto tabu. E menos sentido faz que a repreendam por causa disso, sobretudo numa idade em que ela pode facilmente simplesmente deixar de partilhar seja o que for com o pai também.
Agora quem eu acho que está mal é a mãe que usa essas informações para bocas e perguntas descabidas. Mas aí tem de ser o seu marido a chegar-se à frente e dizer-lhe simplesmente: não quero que uses o que a nossa filha te conta para tecer comentários ou fazer perguntas sobre a minha vida, até porque não terás resposta quando o fizeres.

Anotski85 -
Offline
Desde 09 Jun 2020

Só acrescentar que o comportamento errado nessa situação é o da ex mulher, que deve abster-se de fazer piadas e mandar bocas. Que pergunte de está tudo bem porque a sua filha está transtornada e ela esteja preocupada, parece-me perfeitamente legítimo.
Talvez a sua implicância com a menina esteja a ser redireccionada da mãe para ela. Talvez esteja só irritada com a mãe e acabe por direcionar isso para a menina.
.
Não se esqueça que com 15 anos ainda não sabemos nada desta vida (embora acreditemos que sabemos tudo) e precisamos de imensa compreensão, tolerância e carinho da parte dos adultos que nos rodeiam. Isto é ainda mais necessário quando observámos um divórcio dos pais, a desestruturaçao da nossa família, e acabamos a viver na casa de um dos pais com o seu novo cônjuge. Enfim, acho que essa menina precisa de muita empatia à volta dela e de alguém que a conduza a gerir bem as emoções e sentimentos dela.

Andreissse -
Offline
Desde 13 Nov 2015

Tal como o topico anterior, continua a exagerar. A sua enteada também vive aí e é perfeitamente natural que conte à sua mãe o que vê e vivência. Se queria viver em total privacidade não podia escolher ninguém com filhos. É perfeitamente natural e é até desejavel que partilhe tanto com a mãe como com o pai o ambiente que a rodeia. Sinceramente parece-me é que não aceita muito bem uma enteada e com tudo o que isso acarreta mas lá está devia ter pensado melhor antes de assumir um compromisso. Agora a menina não está fazer nada de mal e começarem-na a proibir de falar só com medo que passe para a ex mulher a vossa vivência, santa paciência.

Leticia _29 -
Offline
Desde 12 Set 2019

Sou filha de pais separados e dou graças por não ter tido uma madrasta como você. Por a miúda de castigo??manda la para a casa da mãe?? A sério? O comportamento da miudo é normalíssimo, o seu comportamento é que não é nada normal.

Ana Galvão 15 -
Offline
Desde 11 Nov 2022

Eu penso que não me fiz entender bem...
O problema não é a miúda contar simplesmente coisas. Ai sim, concordaria com vocês, estaria a ser um absurdo e era doente!
O problema aqui são as coisas que ela conta de nós enquanto casal! E que depois a mãe vem "para cima" do meu marido com bocas e indiretas!!
Situações de como eu e o pai estamos, o que falamos, coisas minhas da minha vida pessoal.
Ela vai, conta à mãe, e passados 3 dias, tenho a mulher a mandar mensagem ao meu marido ou em chamada, a mandar-lhe indiretas ou piadas.
Se a miúda contasse e ficasse por ai, ok, acho normal.
Agora, sabendo eu que depois vou ter estas consequências, acho que estou no meu direito de não querer ter a ex. mulher do meu marido a interferir na minha vida e na vida do meu marido.
Por exemplo, na lua-de-mel, estávamos em plena lua-de-mel, e a senhora a mandar mensagem ao meu marido a mandar essa indireta.
E essa de quando eu e o meu marido tivemos um dia em que estávamos meio chateados, passado uns dias, veio a senhora numa chamada, a perguntar coisas do assunto.
E não, ela não está sinceramente preocupada com o nosso relacionamento...
Agora pergunto, como é que vocês se sentiriam numa situação destas?
É bom que a ex-mulher dos vossos maridos esteja a interferir desta forma?
Não terei eu direito à minha privacidade e à privacidade do meu casamento?
Depois fico chateada com a miúda, porque se não fosse a miúda, a mãe não saberia de nada disto, e nada disto se passava.
Eu tenho um enteado também, mais novo, e ele nisso tem sido super respeitador.
O que se passa em nossa casa, fica na nossa casa. E coisas da casa da mãe, ele é o primeiro a dizer "Não posso contar".
Penso ter-me explicado melhor agora.

Ana Galvão 15 -
Offline
Desde 11 Nov 2022

De referir ainda, que a ex-mulher do meu marido é daquele género de pessoa que até a morte já desejou ao meu marido. Já lhe disse "Era melhor que estivesses debaixo dos torrões"...
É uma pessoa instável e complicada e custa-me ter esta influência dela no meu casamento.

Ana Galvão 15 -
Offline
Desde 11 Nov 2022

Anotski85 escreveu:
Só acrescentar que o comportamento errado nessa situação é o da ex mulher, que deve abster-se de fazer piadas e mandar bocas. Que pergunte de está tudo bem porque a sua filha está transtornada e ela esteja preocupada, parece-me perfeitamente legítimo.
Talvez a sua implicância com a menina esteja a ser redireccionada da mãe para ela. Talvez esteja só irritada com a mãe e acabe por direcionar isso para a menina.
.
Não se esqueça que com 15 anos ainda não sabemos nada desta vida (embora acreditemos que sabemos tudo) e precisamos de imensa compreensão, tolerância e carinho da parte dos adultos que nos rodeiam. Isto é ainda mais necessário quando observámos um divórcio dos pais, a desestruturaçao da nossa família, e acabamos a viver na casa de um dos pais com o seu novo cônjuge. Enfim, acho que essa menina precisa de muita empatia à volta dela e de alguém que a conduza a gerir bem as emoções e sentimentos dela.

Sim, acredito que seja um pouco por ai.
Tenho também um enteado, mais novo que ela, e ele nisto respeita muito.
Ele sabe que o que se passa na casa do pai, fica na casa do pai, e coisas da casa da mãe diz "Não posso contar".
Sei que os irmãos não são iguais, mas tendo já eu e o pai feito este pedido várias vezes a ela, gostava que ela já o tivesse feito, para evitar a interferência da mãe no nosso casamento desta forma.

MisaL -
Offline
Desde 17 Abr 2019

Ana Galvão 15 escreveu:
De referir ainda, que a ex-mulher do meu marido é daquele género de pessoa que até a morte já desejou ao meu marido. Já lhe disse "Era melhor que estivesses debaixo dos torrões"...
É uma pessoa instável e complicada e custa-me ter esta influência dela no meu casamento.

O problema é da mãe e não da menina. E a mãe da menina sendo assim, quanto mais vocês disseram para ela não dizer, mais a mãe vai puxar por ela. As coisas são mesmo assim com os miúdos que falam muito, a vossa vida de casal até para a escola vai...imagine para a casa da mãe.
Há dias a minha filha contou coisas dos pais de uma amiga, porque ela lhe contou e a minha contou-me a mim. Eram coisas muito pessoais, os planos que têm para o futuro, etc.
Algumas crianças não contam nada outras contam tudo e com estas últimas "pedir segredo" não costuma funcionar.

guialmi -
Offline
Desde 13 Jul 2013

Ana Galvão 15 escreveu:
De referir ainda, que a ex-mulher do meu marido é daquele género de pessoa que até a morte já desejou ao meu marido. Já lhe disse "Era melhor que estivesses debaixo dos torrões"...
É uma pessoa instável e complicada e custa-me ter esta influência dela no meu casamento.

A influência só existe se o seu marido permitir. Acredite que percebo muito bem a sua posição e sei o que está a passar. Também compreendo muito bem que preferisse que a sua enteada não contasse pormenores da vossa vida mas a miúda tem 15 anos, é muito fácil a mãe levá-la a dizer o que ela quer saber e não consegue controlar isso.
A única solução passa mesmo por o seu marido cortar qualquer tipo de conversa que não tenha diretamente a ver com os filhos. É esse o fator que pode mudar aqui.

ClaraMiguel -
Offline
Desde 03 Nov 2013

guialmi escreveu:

Ana Galvão 15 escreveu:De referir ainda, que a ex-mulher do meu marido é daquele género de pessoa que até a morte já desejou ao meu marido. Já lhe disse "Era melhor que estivesses debaixo dos torrões"...
É uma pessoa instável e complicada e custa-me ter esta influência dela no meu casamento.

A influência só existe se o seu marido permitir. Acredite que percebo muito bem a sua posição e sei o que está a passar. Também compreendo muito bem que preferisse que a sua enteada não contasse pormenores da vossa vida mas a miúda tem 15 anos, é muito fácil a mãe levá-la a dizer o que ela quer saber e não consegue controlar isso.
A única solução passa mesmo por o seu marido cortar qualquer tipo de conversa que não tenha diretamente a ver com os filhos. É esse o fator que pode mudar aqui.

Concordo em absoluto. A ex só vos manda mensagens, bocas e indirectas porque sabe que vos afecta. O que fez o seu marido ao ter recebido a mensagem na lua de mel? Respondeu? É que mais valia ter deixado a senhora a falar sozinha e ir namorar consigo. Ao fim de um tempo a falar sozinho, escrever mensagens ou mandar bocas tem muito pouca piada.
Fora isso, há o conselho de certas e determinadas coisas da sua vida pessoal não serem discutidas à frente dela. Eu tenho uma filha que adoro mas não falo de certos temas à frente dela porque não entenderá ainda o que é privado ou não e vai contar às amiga em conversa. Ora eu não preciso que os meus vizinhos saibam de todas as minhas consultas médicas, por exemplo, ou que discuti com o meu marido. Sorriso

Sansa -
Offline
Desde 18 Jan 2018

Eu penso serem está a embirrar um pedaço. Repare numa coisa, qual é o problema em alguém saber que está em lua de mel? Qual é o problema em saberem que tiveram uma discussão? Todos os casais discutem.
Se a senhora manda bocas, ignore. Não tem de se deixar afectar ao ponto de criar ressentimento com a sua enteada.
Como já sugeriram, todo e qualquer assunto que sinta que não deve sair da privacidade da sua casa, tem de ser conversado em privado, apenas com o seu marido.

MMPR -
Offline
Desde 02 Ago 2016

Olá Ana, eu entendo o que sente, mas neste caso específico o problema está na mãe da menina e no seu marido. O seu marido é que tem que ter uma conversa com a mãe da menina e colocar um ponto final nessas mensagens e telefonemas que nada têm haver com a criança. Se ela voltar a fazer o mesmo é ele ignorar porque dar conversa só vai alimentar. Em relação à enteada é deixar comentar, faz parte da vida dela e temos que aceitar que pode acontecer. O meu enteado quase nada conta do que faz/planeia com a mãe quando está connosco, mas nós também não perguntamos, mas sei que a mãe lhe pergunta e ele fala, como é natural.
Descobri um instagram de uma senhora que também ela é madrasta, (somos.madrastas.pt) vale a pena seguir, vai ver que muitas coisas que sente são naturais e que não está sozinha.

Anotski85 -
Offline
Desde 09 Jun 2020

Enfim, é uma situação desagradável, mas não é responsabilidade da enteada. Há um problema a resolver entre os adultos dessa equação. Se a ex mulher do seu marido tem comportamentos reprováveis, há que pôr um travão, na medida do possível. Não dar espaço, não dar conversa, cortar pela raiz a liberdade que ela sente para o fazer.
Quanto à menina, talvez possam repensar o modo como discutem certos assuntos em casa e fazê-lo mais em privado. Embora eu também compreenda que isso seja ótimo em teoria, mas quase impossível na prática. Em família os debates e discussões surgem principalmente quando estão todos a conversar... É um bocado impossível refrear a espontaneidade dessas situações, especialmente quando os miúdos já são adolescentes e participam das discussões em família.
Enfim, tem de gerir, e sobretudo tentar ir construindo uma relação de amizade com a sua enteada. Pode parecer e ser efetivamente difícil agora , mas compensará daqui por algum tempo.
Boa sorte e felicidades para a vossa família.

Ana Galvão 15 -
Offline
Desde 11 Nov 2022

Sim, concordo com vocês todas. Obrigada pela ajuda. Penso que realmente a solução passa por ter uma grande gestão disto tudo, das conversas a ter em casa, e por ai.
Vou realmente rever a minha postura perante a menina, porque vejo agora as coisas de outro ponto de vista.
Quem está de fora vê mais facilmente do que quem está por dentro.
Muito obrigada mais uma vez pela ajuda Sorriso

Ana Galvão 15 -
Offline
Desde 11 Nov 2022

MMPR escreveu:
Olá Ana, eu entendo o que sente, mas neste caso específico o problema está na mãe da menina e no seu marido. O seu marido é que tem que ter uma conversa com a mãe da menina e colocar um ponto final nessas mensagens e telefonemas que nada têm haver com a criança. Se ela voltar a fazer o mesmo é ele ignorar porque dar conversa só vai alimentar. Em relação à enteada é deixar comentar, faz parte da vida dela e temos que aceitar que pode acontecer. O meu enteado quase nada conta do que faz/planeia com a mãe quando está connosco, mas nós também não perguntamos, mas sei que a mãe lhe pergunta e ele fala, como é natural.
Descobri um instagram de uma senhora que também ela é madrasta, (somos.madrastas.pt) vale a pena seguir, vai ver que muitas coisas que sente são naturais e que não está sozinha.

Muito obrigada, vou seguir esse insta Espertalhão
Procuro muito esse tipo de páginas e insta's. Penso que ajuda muito.
Muito obrigada mais uma vez.

Mãe de bebé -
Online
Desde 07 Mar 2022

Olá Ana!
Eu acho que o que poderia tentar fazer é, certas conversas que não quer partilhadas com X de pessoa é não falar há frente da sua enteada para não haver partilha de conversas.
Acredite que ela dizer o que se passa em casa do pai, em casa da mãe, na escola, na rua, no café e em todo o lado é muito bom, no entanto o ponto negativo aqui é a outra senhora intrometer se na vossa vida enquanto casal.
Mas quem é que não conhece uma ex pessenhenta? 😂
Não pode castigar a menina por isso.
É apenas evitar certas conversas. 😊

Anete SSilva -
Offline
Desde 07 Jun 2021

Olá Ana! Sinceramente acho que nós temos o poder (aliás, como adultos) de aumentar ou minimizar as coisas pela importância que lhe damos e também acho que temos que encaixar certas coisas e escolher as nossas guerras...
Eu estou-me totalmente a marimbar se o meu enteado leva informações à mãe dele ou não! É que estou mesmo! Aliás, a melhor maneira de nós não nos importarmos com isso é ter segredos para quê? A ex do meu marido viveu com ele muitos anos, conhece-o, tem dois filhos com ele... quero lá saber se sabe se brigamos, se temos mau ambiente... aliás, ela já soube de más fases nossas e foi ela que lhe deu um sermão que só ajudou, tipo... vê se não estragas mais nenhuma relação, etc...
Uma menina de 15 anos pode estar a fazer isso mesmo para a chatear, porque pelos vistos tem uma "pedra no sapato" com ela! que não tem nada que ter... e vê que a chateia e por isso faz mesmo de propósito...
Conselho... a mudança está em si... não ligue, não leve tanto a peito, deixe que conte, só lhe invadem a privacidade se deixar e se barrar logo à entrada se isso resvala ou não nem deixa entrar. Eu pratico essa máxima, houve uma altura mais complexa que a ex do meu marido me chamava isto e aquilo e eu pensava para mim "mas eu sou? é verdade?" Não! Por isso é veneno que ela deita cá para fora e depois engole logo porque eu não deixo que entre em mim... fica com ela. Eu estou em paz, eu acolhi os meus enteados, eu respeito a posição dela como mãe. Acredite que o meu marido ganhou um grande respeito por mim por esta atitude e quando ela vinha com bocas, isto ou aquilo ele era o primeiro a travar e dizer "olha que ela tem o maior respeito por ti" e a ex calou-se! Foque-se na sua casa! no seu caminho, na sua postura... deixe que falem, que sejam, que digam! Problema deles! E acolhe a sua enteada com a noção que ela passa tempo numa casa com o pai e uma pessoa que não é mãe dele... que avalia o seu comportamento ao milímetro... não crie guerra com a enteada, crie uma aliada! o meu enteado em algumas coisas defende-me porque eu tenho ali um aliado no bom senso, no bom ambiente! É preciso saber se colocar no lugar dos outros! Eu tive a sorte de ter os meus pais casados, mas penso o que seria de ter que me habituar ao meu pai a viver com uma outra mulher! não é fácil... entre de mansinho! ela tem 15 anos, tem a sua personalidade, a sua maneira de ser e quando for para falar fale com respeito, mesmo que ela não corresponda, você é a adulta... chame à razão com calma. Castigo? Ir para casa da mãe? Mas o pai e madrasta não sabem gerir as coisas com a filha? Bom senso...

Tyta.B -
Offline
Desde 31 Jul 2015

Mais uma a dizer que a culpa não é da enteada.
O meu filho às vezes descai-se e conta coisas que se passam em casa do pai. Não o faz por mal, a conversa flui e lá lhe sai. Mas a mim nunca me ocorreu ir mandar bocas ao pai dele. Quero lá saber da vida deles.
Já o meu ex, nos primeiros anos de separação, tentou meter-se na minha vida, eu ignorava, e quando a situação era muito ridícula, fosse pelo tema fosse pela insistência, eu ria-me e mostrava o quanto aquilo era desadequado mesmo através do escárnio e desprezo.
Acabou por parar, lá se convenceu que não conseguia nada e só fazia figura de palhaço. Portanto a culpa é da mãe que não sabe o seu lugar, e do pai que não sabe colocar travão na ex.

Deia 16 -
Offline
Desde 12 Out 2017

Com tudo o q li o q mais me chocou foi voce dizer, "Dá-me vontade de lhe dizer para ir na hora para casa da mãe tipo castigo"
A casa do pai não deveria ser também a casa dela? Manda la embora? Se fosse sua filha punha a miuda na rua? Ser madrasta e um papel q pode ser muito ingrato mas só se mete nele quem quer
Eu ja fui uma miuda q nunca se sentiu em "casa" na casa do pai, por ter uma madrasta q a descartava, ao ler isto sinceramente doeu me o coração.

Ana Galvão 15 -
Offline
Desde 11 Nov 2022

Mãe de bebé escreveu:
Olá Ana!
Eu acho que o que poderia tentar fazer é, certas conversas que não quer partilhadas com X de pessoa é não falar há frente da sua enteada para não haver partilha de conversas.
Acredite que ela dizer o que se passa em casa do pai, em casa da mãe, na escola, na rua, no café e em todo o lado é muito bom, no entanto o ponto negativo aqui é a outra senhora intrometer se na vossa vida enquanto casal.
Mas quem é que não conhece uma ex pessenhenta? 😂
Não pode castigar a menina por isso.
É apenas evitar certas conversas. 😊

Sim, verdade. Penso que passa por ai, fazer uma gestão de temas.
Comecei a encarar de forma diferente e ver que não posso ir ao extremo de não querer que se fale nada de nada. Realmente, isso não é fácil, ou sequer, possível.
Decidi ser mais aberta neste aspeto, e apenas coisas que sejam realmente intimas, é que terei que fazer uma outra gestão, juntamente com o meu marido.

Ana Galvão 15 -
Offline
Desde 11 Nov 2022

Deia 16 escreveu:
Com tudo o q li o q mais me chocou foi voce dizer, "Dá-me vontade de lhe dizer para ir na hora para casa da mãe tipo castigo"
A casa do pai não deveria ser também a casa dela? Manda la embora? Se fosse sua filha punha a miuda na rua? Ser madrasta e um papel q pode ser muito ingrato mas só se mete nele quem quer
Eu ja fui uma miuda q nunca se sentiu em "casa" na casa do pai, por ter uma madrasta q a descartava, ao ler isto sinceramente doeu me o coração.

Sim, eu estava a ser realmente extremista. Quando uma pessoa está um bocado perdida, sem saber o que fazer, vai ao extremo de dizer coisas sem sentido, como foi o caso.
Mas nunca o fiz, nem tenho intenção de o fazer. Foi apenas um desabafo, pelo facto de me estar a sentir como estava a sentir.
Mas não penso de todo que seja uma opção.
Obrigada pelo seu feedback Sorriso

Ana Galvão 15 -
Offline
Desde 11 Nov 2022

Anete SSilva escreveu:
Olá Ana! Sinceramente acho que nós temos o poder (aliás, como adultos) de aumentar ou minimizar as coisas pela importância que lhe damos e também acho que temos que encaixar certas coisas e escolher as nossas guerras...
Eu estou-me totalmente a marimbar se o meu enteado leva informações à mãe dele ou não! É que estou mesmo! Aliás, a melhor maneira de nós não nos importarmos com isso é ter segredos para quê? A ex do meu marido viveu com ele muitos anos, conhece-o, tem dois filhos com ele... quero lá saber se sabe se brigamos, se temos mau ambiente... aliás, ela já soube de más fases nossas e foi ela que lhe deu um sermão que só ajudou, tipo... vê se não estragas mais nenhuma relação, etc...
Uma menina de 15 anos pode estar a fazer isso mesmo para a chatear, porque pelos vistos tem uma "pedra no sapato" com ela! que não tem nada que ter... e vê que a chateia e por isso faz mesmo de propósito...
Conselho... a mudança está em si... não ligue, não leve tanto a peito, deixe que conte, só lhe invadem a privacidade se deixar e se barrar logo à entrada se isso resvala ou não nem deixa entrar. Eu pratico essa máxima, houve uma altura mais complexa que a ex do meu marido me chamava isto e aquilo e eu pensava para mim "mas eu sou? é verdade?" Não! Por isso é veneno que ela deita cá para fora e depois engole logo porque eu não deixo que entre em mim... fica com ela. Eu estou em paz, eu acolhi os meus enteados, eu respeito a posição dela como mãe. Acredite que o meu marido ganhou um grande respeito por mim por esta atitude e quando ela vinha com bocas, isto ou aquilo ele era o primeiro a travar e dizer "olha que ela tem o maior respeito por ti" e a ex calou-se! Foque-se na sua casa! no seu caminho, na sua postura... deixe que falem, que sejam, que digam! Problema deles! E acolhe a sua enteada com a noção que ela passa tempo numa casa com o pai e uma pessoa que não é mãe dele... que avalia o seu comportamento ao milímetro... não crie guerra com a enteada, crie uma aliada! o meu enteado em algumas coisas defende-me porque eu tenho ali um aliado no bom senso, no bom ambiente! É preciso saber se colocar no lugar dos outros! Eu tive a sorte de ter os meus pais casados, mas penso o que seria de ter que me habituar ao meu pai a viver com uma outra mulher! não é fácil... entre de mansinho! ela tem 15 anos, tem a sua personalidade, a sua maneira de ser e quando for para falar fale com respeito, mesmo que ela não corresponda, você é a adulta... chame à razão com calma. Castigo? Ir para casa da mãe? Mas o pai e madrasta não sabem gerir as coisas com a filha? Bom senso...

Está de parabéns Espertalhão Acredito que tenha sido uma caminhada até chegar ai. Mas está a dar frutos.
Muito obrigada pelo feedback. Penso que ajudou não só a mim como a outras pessoas.

Margarida93 -
Offline
Desde 20 Jul 2021

Boa noite Ana,

Sei bem o que está a passar ,

O pai da minha enteada,meu marido, tem a guarda total, a menor vai á mãe as vezes que pretender ir.

Actualmente a mãe decidiu pedir a guarda da menor.

Estamos em guerra... Ou seja a mãe leva a menor para fora do país,sem o consentimento do progenitor, a mãe ao contrário de nós admitir e mete dentro de casa dela, o suposto namorado da menor de 21 anos de idade (a menor tem 15).

Acontece que não quero perder a minha enteada, mas estou e ficar exausta desta guerra da qual estou a ajudar o meu marido.

Temos uma filha de 7 meses do qual a irmã mais velha nem sequer tem afinidade com a mesma nem se preocupa.

Estamos já em tribunal, ainda hoje discutimos/conversamos, via e-mail porque assim o decidimos que era a melhor forma de falar com a mãe da menor. Isto porque, porque a mãe quer nós articulemos com a família materna, uma ida para fora da nossa área de residência, onde Tem que ser a progenitora a dar essa informação ao pai.

Sendo que esse fim de semana era do pai.
Não queremos de forma alguma privar a menor de estar com a família da mãe. Mas torna-se cansativo quando uma mãe nos envia para falarmos com a família dela, e sendo que a resposta da mãe foi" não sei de nada isso é com a madrinha da ??? E com a avô".
Serei a única nesta situação? É lamentável estávamos tão bem. A mãe fez isto nas nossas costas nem falou ou tentou dialogar com o pai.

tambem já demos por nós a saber que a mãe sabe do que se passa cá em casa, acabamos por não ter privacidade na nossa casa e sairmos magoada, no meu caso eu até gosto da pequena mas está situação está a custar muito.

Por vezes penso que sou a única, mas acredito que existem milhões de famílias em guerra por menores.

Sei que não ajudei mas não está sozinha acredite

Tyta.B -
Offline
Desde 31 Jul 2015

Margarida93 escreveu:
Boa noite Ana,
Sei bem o que está a passar ,
O pai da minha enteada,meu marido, tem a guarda total, a menor vai á mãe as vezes que pretender ir.
Actualmente a mãe decidiu pedir a guarda da menor.
Estamos em guerra... Ou seja a mãe leva a menor para fora do país,sem o consentimento do progenitor, a mãe ao contrário de nós admitir e mete dentro de casa dela, o suposto namorado da menor de 21 anos de idade (a menor tem 15).
Acontece que não quero perder a minha enteada, mas estou e ficar exausta desta guerra da qual estou a ajudar o meu marido.
Temos uma filha de 7 meses do qual a irmã mais velha nem sequer tem afinidade com a mesma nem se preocupa.
Estamos já em tribunal, ainda hoje discutimos/conversamos, via e-mail porque assim o decidimos que era a melhor forma de falar com a mãe da menor. Isto porque, porque a mãe quer nós articulemos com a família materna, uma ida para fora da nossa área de residência, onde Tem que ser a progenitora a dar essa informação ao pai.
Sendo que esse fim de semana era do pai.
Não queremos de forma alguma privar a menor de estar com a família da mãe. Mas torna-se cansativo quando uma mãe nos envia para falarmos com a família dela, e sendo que a resposta da mãe foi" não sei de nada isso é com a madrinha da ??? E com a avô".
Serei a única nesta situação? É lamentável estávamos tão bem. A mãe fez isto nas nossas costas nem falou ou tentou dialogar com o pai.
tambem já demos por nós a saber que a mãe sabe do que se passa cá em casa, acabamos por não ter privacidade na nossa casa e sairmos magoada, no meu caso eu até gosto da pequena mas está situação está a custar muito.
Por vezes penso que sou a única, mas acredito que existem milhões de famílias em guerra por menores.
Sei que não ajudei mas não está sozinha acredite

-
Esta situação não é parecida em nada com a do tópico. Claramente a mãe não é uma boa cuidadora da filha e isso é toda uma outra história. Eu passo por isso, o pai do meu filho é totalmente irresponsável, tenho a sorte do meu filho ser muito atinado e por isso as coisas nunca terem descambado para situações graves. Mas infelizmente os miúdos chegam a um ponto em que começam a fazer escolhas na sua vida, e a nós resta-nos respeitar. No seu lugar (ou melhor, o pai) teria uma conversa muito séria com a miúda, explicava muito bem as consequências de levar uma vida pouco regrada, e deixava bem claro que a partir do momento em que ela escolhe essa vida, o pai escolhe não estar lá para limpar a m*rda que acontece. Afinal todos são livres de fazer escolhas, não é só ela, e todas as nossas acções geram consequências com as quais nós próprios temos de lidar.
Não infantilizem a miúda, eu acho mesmo que o melhor é dar-lhes a responsabilidade das vidas deles. Quanto mais rápido eles perceberem que são eles que vão arcar com as consequências, mais rápido ganham juizo. Nós temos de estar lá para aconselhar e mostrar o melhor caminho e dar a hipótese deles o percorrerem, mas eles têm de estar dispostos a faze-lo. Por muito que nos custe, temos de os deixar fazer as suas escolhas.

CristinaRibeiro_ -
Offline
Desde 25 Nov 2022

Tyta.B escreveu:

Margarida93 escreveu:Boa noite Ana,
Sei bem o que está a passar ,
O pai da minha enteada,meu marido, tem a guarda total, a menor vai á mãe as vezes que pretender ir.
Actualmente a mãe decidiu pedir a guarda da menor.
Estamos em guerra... Ou seja a mãe leva a menor para fora do país,sem o consentimento do progenitor, a mãe ao contrário de nós admitir e mete dentro de casa dela, o suposto namorado da menor de 21 anos de idade (a menor tem 15).
Acontece que não quero perder a minha enteada, mas estou e ficar exausta desta guerra da qual estou a ajudar o meu marido.
Temos uma filha de 7 meses do qual a irmã mais velha nem sequer tem afinidade com a mesma nem se preocupa.
Estamos já em tribunal, ainda hoje discutimos/conversamos, via e-mail porque assim o decidimos que era a melhor forma de falar com a mãe da menor. Isto porque, porque a mãe quer nós articulemos com a família materna, uma ida para fora da nossa área de residência, onde Tem que ser a progenitora a dar essa informação ao pai.
Sendo que esse fim de semana era do pai.
Não queremos de forma alguma privar a menor de estar com a família da mãe. Mas torna-se cansativo quando uma mãe nos envia para falarmos com a família dela, e sendo que a resposta da mãe foi" não sei de nada isso é com a madrinha da ??? E com a avô".
Serei a única nesta situação? É lamentável estávamos tão bem. A mãe fez isto nas nossas costas nem falou ou tentou dialogar com o pai.
tambem já demos por nós a saber que a mãe sabe do que se passa cá em casa, acabamos por não ter privacidade na nossa casa e sairmos magoada, no meu caso eu até gosto da pequena mas está situação está a custar muito.
Por vezes penso que sou a única, mas acredito que existem milhões de famílias em guerra por menores.
Sei que não ajudei mas não está sozinha acredite

-
Esta situação não é parecida em nada com a do tópico. Claramente a mãe não é uma boa cuidadora da filha e isso é toda uma outra história. Eu passo por isso, o pai do meu filho é totalmente irresponsável, tenho a sorte do meu filho ser muito atinado e por isso as coisas nunca terem descambado para situações graves. Mas infelizmente os miúdos chegam a um ponto em que começam a fazer escolhas na sua vida, e a nós resta-nos respeitar. No seu lugar (ou melhor, o pai) teria uma conversa muito séria com a miúda, explicava muito bem as consequências de levar uma vida pouco regrada, e deixava bem claro que a partir do momento em que ela escolhe essa vida, o pai escolhe não estar lá para limpar a m*rda que acontece. Afinal todos são livres de fazer escolhas, não é só ela, e todas as nossas acções geram consequências com as quais nós próprios temos de lidar.
Não infantilizem a miúda, eu acho mesmo que o melhor é dar-lhes a responsabilidade das vidas deles. Quanto mais rápido eles perceberem que são eles que vão arcar com as consequências, mais rápido ganham juizo. Nós temos de estar lá para aconselhar e mostrar o melhor caminho e dar a hipótese deles o percorrerem, mas eles têm de estar dispostos a faze-lo. Por muito que nos custe, temos de os deixar fazer as suas escolhas.

Foi exatamente isto que o meu marido já teve que dizer uma vez à minha enteada.
Se ela escolher viver mais de acordo com a vida da mãe (em que algumas das vezes é contrária à ideologia de vida do pai), tendo já ela 15 anos, ela fica à responsabilidade dela (claro sempre com o pai no background, pois não deixa de ser pai).
O pai fala e fala, e mostra quais as consequências. A partir dai, cabe a ela de decidir (com limites), e cabe ao pai respeitar essas decisões. Mas sempre com a certeza de que fez o papel dele de avisar e mostrar as consequências de todas as decisões tomadas.
Agora, custa sempre, porque são filhos e queremos sempre o melhor para os filhos. Mas é deixá-los voar mais um pouco.

Votação

Quanto tempo, em média, dura uma consulta com o seu filho no pediatra?