Invasão russa na Ucrânia... | De Mãe para Mãe

Invasão russa na Ucrânia...

Responda
115 mensagens
Sara_R -
Offline
Desde 02 Dez 2014

Boa tarde a todas!
Bem sei que este fórum tem outro intuito, mas confesso que desde esta manhã em que ouvi que a Rússia tinha invadido o país vizinho - a Ucrânia - que me sinto muito, muito pequenina e impotente!
Bolas, estamos a começar a sair de uma pandemia que durou 2 anos, passámos por tanta coisa a nível mundial, e agora, quando finalmente existe uma luz ao fundo do túnel, começa uma guerra sem sentido, apenas para atingir os meios sem olhar a fins.
Dou por mim a imaginar o que é acordar com o som dos bombardeamento a meio da noite, do sentimento de impotência, simplesmente sem saber o que fazer. Essas pessoas têm a vida delas na Ucrânia, alguns decidem fugir em busca de futuro onde haja estabilidade e paz, e sujeitam-se a serem "os refugiados". Chegam a um país novo, onde não conhecem ninguém, e começam tudo do zero, nem nos meus piores pesadelos imaginava uma coisa destas na Europa em pleno século XXI.
Mas afinal quem é a Rússia, quem é Vladimir Putin, para não querer que a Ucrânia, um país independente e livre, faça parte da NATO? Com que razão invade ele um país que consideravam "irmão" apenas para atingir os seus objetivos sem olhar a mais nada, passando por cima de tudo e todos! É de um egocentrismo, irresponsabilidade e falta de noção sem limites.
Fiquei e estou sem palavras!
Sem dúvida que hoje é o dia mais triste na história da Europa e da democracia após a 2ª guerra mundial. E afinal não aprendemos nada Triste
Estou completamente solidária com o povo ucraniano.
Obviamente que isto vai der consequências para a Rússia, mas não só, os preços do gás, eletricidade e combustível na Europa vão aumentar, e tudo isto porque o Putin se lembrou que queria de volta a União Soviética e porque um país independente não quis.
Isto foi mais um desabafo que outra coisa, mas não deixo de estar preocupada e irrequieta com isto tudo!

DianaES -
Offline
Desde 08 Out 2013

Sinto-me igual... Sei que isto é o impacto e que não tarda, infelizmente banalizamos o que se passa, mas no momento só me ocorrem aquelas crianças sem qualquer culpa, a fugirem com os seus pais quando deveriam estar a brincar na segurança de casa. A nossa casa devia poder ser sempre um lugar seguro. A minha solidariedade está sem dúvida com a Ucrânia, que é uma nação invadida. Maaaas, independente de ser contra toda e qualquer guerra, não consigo ter uma opinião política formada. Porque, de modo resumido, o fim da guerra fria houve um pacto (de Varsóvia) em que a NATO se comprometia a não incorporar certos países do leste europeu, desde essa altura quebrou esse pacto 3 vezes, anexando 3 países à revelia da Rússia e do que estava acordado. A Rússia começou a sentir o peso da NATO em países vizinhos e consequentemente a sentir-se encurralada pelas forças da Aliança Atlântica. Quando em 2014 caiu o governo pró-russo na Ucrânia e começaram as diligências no sentido desta fazer parte da NATO, Putin apressou-se a tomar a Crimeia pela estratégia da sua localização. Esse evento fez ainda mais vontade na Ucrânia em fazer parte de uma aliança militar que a pudesse defender, já que perdeu a Crimeia sem qualquer reação... E o andamento dessas negociações deu nesta resposta russa. Colocam-se muitas questões. Numa tentativa de criar paz fez-se acordos que não se cumpriram, e isso agora resulta em guerras. Portanto eu estou contra a ofensiva Russa mas ao contrário do que leio nas redes sociais, vejo claramente as motivações russas e não deixo de lhes conferir validação, claro que tudo cai por terra quando acham que é com uma guerra que lá vão. A Rússia está sem dúvida a ser guiada por um louco habituado a fazer e desfazer sem olhar a consequências. Mas da minha humilde perspetiva ninguém se vai realmente chegar à frente para ajudar a Ucrânia com reforço militar, porque por mais que não queiramos, eles têm muita faca e muito queijo na mão. É rezar para que morra depressa e longe.

carlaper -
Offline
Desde 11 Out 2011

A pandemia veio mostar a fragilidade e a vulnerabilidade do Ocidente. Era expectável um acontecimento desta dimensão. O problema não é a Ucrânia, esta é apenas o pretexto. Estamos nas mãos de ditadores imperialistas, e não é só um, mais virão à cena.

Sansa -
Online
Desde 18 Jan 2018

DianaES escreveu:
Sinto-me igual... Sei que isto é o impacto e que não tarda, infelizmente banalizamos o que se passa, mas no momento só me ocorrem aquelas crianças sem qualquer culpa, a fugirem com os seus pais quando deveriam estar a brincar na segurança de casa. A nossa casa devia poder ser sempre um lugar seguro. A minha solidariedade está sem dúvida com a Ucrânia, que é uma nação invadida. Maaaas, independente de ser contra toda e qualquer guerra, não consigo ter uma opinião política formada. Porque, de modo resumido, o fim da guerra fria houve um pacto (de Varsóvia) em que a NATO se comprometia a não incorporar certos países do leste europeu, desde essa altura quebrou esse pacto 3 vezes, anexando 3 países à revelia da Rússia e do que estava acordado. A Rússia começou a sentir o peso da NATO em países vizinhos e consequentemente a sentir-se encurralada pelas forças da Aliança Atlântica. Quando em 2014 caiu o governo pró-russo na Ucrânia e começaram as diligências no sentido desta fazer parte da NATO, Putin apressou-se a tomar a Crimeia pela estratégia da sua localização. Esse evento fez ainda mais vontade na Ucrânia em fazer parte de uma aliança militar que a pudesse defender, já que perdeu a Crimeia sem qualquer reação... E o andamento dessas negociações deu nesta resposta russa. Colocam-se muitas questões. Numa tentativa de criar paz fez-se acordos que não se cumpriram, e isso agora resulta em guerras. Portanto eu estou contra a ofensiva Russa mas ao contrário do que leio nas redes sociais, vejo claramente as motivações russas e não deixo de lhes conferir validação, claro que tudo cai por terra quando acham que é com uma guerra que lá vão. A Rússia está sem dúvida a ser guiada por um louco habituado a fazer e desfazer sem olhar a consequências. Mas da minha humilde perspetiva ninguém se vai realmente chegar à frente para ajudar a Ucrânia com reforço militar, porque por mais que não queiramos, eles têm muita faca e muito queijo na mão. É rezar para que morra depressa e longe.

Sim .. porque aquilo que a Europa estava a pensar era atacar a Rússia... Ui, sem duvida uma ameaça enorme!
Eu então não vejo motivação nenhuma que seja válida.

PrincesaBeatriz -
Offline
Desde 02 Dez 2010

Sansa escreveu:

DianaES escreveu:Sinto-me igual... Sei que isto é o impacto e que não tarda, infelizmente banalizamos o que se passa, mas no momento só me ocorrem aquelas crianças sem qualquer culpa, a fugirem com os seus pais quando deveriam estar a brincar na segurança de casa. A nossa casa devia poder ser sempre um lugar seguro. A minha solidariedade está sem dúvida com a Ucrânia, que é uma nação invadida. Maaaas, independente de ser contra toda e qualquer guerra, não consigo ter uma opinião política formada. Porque, de modo resumido, o fim da guerra fria houve um pacto (de Varsóvia) em que a NATO se comprometia a não incorporar certos países do leste europeu, desde essa altura quebrou esse pacto 3 vezes, anexando 3 países à revelia da Rússia e do que estava acordado. A Rússia começou a sentir o peso da NATO em países vizinhos e consequentemente a sentir-se encurralada pelas forças da Aliança Atlântica. Quando em 2014 caiu o governo pró-russo na Ucrânia e começaram as diligências no sentido desta fazer parte da NATO, Putin apressou-se a tomar a Crimeia pela estratégia da sua localização. Esse evento fez ainda mais vontade na Ucrânia em fazer parte de uma aliança militar que a pudesse defender, já que perdeu a Crimeia sem qualquer reação... E o andamento dessas negociações deu nesta resposta russa. Colocam-se muitas questões. Numa tentativa de criar paz fez-se acordos que não se cumpriram, e isso agora resulta em guerras. Portanto eu estou contra a ofensiva Russa mas ao contrário do que leio nas redes sociais, vejo claramente as motivações russas e não deixo de lhes conferir validação, claro que tudo cai por terra quando acham que é com uma guerra que lá vão. A Rússia está sem dúvida a ser guiada por um louco habituado a fazer e desfazer sem olhar a consequências. Mas da minha humilde perspetiva ninguém se vai realmente chegar à frente para ajudar a Ucrânia com reforço militar, porque por mais que não queiramos, eles têm muita faca e muito queijo na mão. É rezar para que morra depressa e longe.

Sim .. porque aquilo que a Europa estava a pensar era atacar a Rússia... Ui, sem duvida uma ameaça enorme!
Eu então não vejo motivação nenhuma que seja válida.

A Europa acredito que não mas não nos podemos esquecer que na NATO está um outro lado (leia -se USA) que precisa ter guerras longe de casa para escoar armamento! Como no Afeganistão e afins iria dar muitas mortes para eles vamos lá armar guerra na Europa que o Putin tb está cheio de vontade…. com isso o preço do petróleo e do Gás aumenta e estas duas potências ( Rússia e USA) tem uma recuperação económica mais rápida para sair da crise sanitária!

PrincesaBeatriz -
Offline
Desde 02 Dez 2010

O mercado do armamento é o maior mercado internacional (legal e ilegal) que existe! É preciso existir guerras para manter a economia a favorecer os actuais decisores económicos e políticos!

Sansa -
Online
Desde 18 Jan 2018

PrincesaBeatriz escreveu:

Sansa escreveu:
DianaES escreveu:Sinto-me igual... Sei que isto é o impacto e que não tarda, infelizmente banalizamos o que se passa, mas no momento só me ocorrem aquelas crianças sem qualquer culpa, a fugirem com os seus pais quando deveriam estar a brincar na segurança de casa. A nossa casa devia poder ser sempre um lugar seguro. A minha solidariedade está sem dúvida com a Ucrânia, que é uma nação invadida. Maaaas, independente de ser contra toda e qualquer guerra, não consigo ter uma opinião política formada. Porque, de modo resumido, o fim da guerra fria houve um pacto (de Varsóvia) em que a NATO se comprometia a não incorporar certos países do leste europeu, desde essa altura quebrou esse pacto 3 vezes, anexando 3 países à revelia da Rússia e do que estava acordado. A Rússia começou a sentir o peso da NATO em países vizinhos e consequentemente a sentir-se encurralada pelas forças da Aliança Atlântica. Quando em 2014 caiu o governo pró-russo na Ucrânia e começaram as diligências no sentido desta fazer parte da NATO, Putin apressou-se a tomar a Crimeia pela estratégia da sua localização. Esse evento fez ainda mais vontade na Ucrânia em fazer parte de uma aliança militar que a pudesse defender, já que perdeu a Crimeia sem qualquer reação... E o andamento dessas negociações deu nesta resposta russa. Colocam-se muitas questões. Numa tentativa de criar paz fez-se acordos que não se cumpriram, e isso agora resulta em guerras. Portanto eu estou contra a ofensiva Russa mas ao contrário do que leio nas redes sociais, vejo claramente as motivações russas e não deixo de lhes conferir validação, claro que tudo cai por terra quando acham que é com uma guerra que lá vão. A Rússia está sem dúvida a ser guiada por um louco habituado a fazer e desfazer sem olhar a consequências. Mas da minha humilde perspetiva ninguém se vai realmente chegar à frente para ajudar a Ucrânia com reforço militar, porque por mais que não queiramos, eles têm muita faca e muito queijo na mão. É rezar para que morra depressa e longe.

Sim .. porque aquilo que a Europa estava a pensar era atacar a Rússia... Ui, sem duvida uma ameaça enorme!
Eu então não vejo motivação nenhuma que seja válida.

A Europa acredito que não mas não nos podemos esquecer que na NATO está um outro lado (leia -se USA) que precisa ter guerras longe de casa para escoar armamento! Como no Afeganistão e afins iria dar muitas mortes para eles vamos lá armar guerra na Europa que o Putin tb está cheio de vontade…. com isso o preço do petróleo e do Gás aumenta e estas duas potências ( Rússia e USA) tem uma recuperação económica mais rápida para sair da crise sanitária!


Ok, mas não podemos culpar a Ucrânia, nem validar a invasão russa, quando os verdadeiros motivos são outros.

PrincesaBeatriz -
Offline
Desde 02 Dez 2010

Sansa escreveu:

PrincesaBeatriz escreveu:
Sansa escreveu:
DianaES escreveu:Sinto-me igual... Sei que isto é o impacto e que não tarda, infelizmente banalizamos o que se passa, mas no momento só me ocorrem aquelas crianças sem qualquer culpa, a fugirem com os seus pais quando deveriam estar a brincar na segurança de casa. A nossa casa devia poder ser sempre um lugar seguro. A minha solidariedade está sem dúvida com a Ucrânia, que é uma nação invadida. Maaaas, independente de ser contra toda e qualquer guerra, não consigo ter uma opinião política formada. Porque, de modo resumido, o fim da guerra fria houve um pacto (de Varsóvia) em que a NATO se comprometia a não incorporar certos países do leste europeu, desde essa altura quebrou esse pacto 3 vezes, anexando 3 países à revelia da Rússia e do que estava acordado. A Rússia começou a sentir o peso da NATO em países vizinhos e consequentemente a sentir-se encurralada pelas forças da Aliança Atlântica. Quando em 2014 caiu o governo pró-russo na Ucrânia e começaram as diligências no sentido desta fazer parte da NATO, Putin apressou-se a tomar a Crimeia pela estratégia da sua localização. Esse evento fez ainda mais vontade na Ucrânia em fazer parte de uma aliança militar que a pudesse defender, já que perdeu a Crimeia sem qualquer reação... E o andamento dessas negociações deu nesta resposta russa. Colocam-se muitas questões. Numa tentativa de criar paz fez-se acordos que não se cumpriram, e isso agora resulta em guerras. Portanto eu estou contra a ofensiva Russa mas ao contrário do que leio nas redes sociais, vejo claramente as motivações russas e não deixo de lhes conferir validação, claro que tudo cai por terra quando acham que é com uma guerra que lá vão. A Rússia está sem dúvida a ser guiada por um louco habituado a fazer e desfazer sem olhar a consequências. Mas da minha humilde perspetiva ninguém se vai realmente chegar à frente para ajudar a Ucrânia com reforço militar, porque por mais que não queiramos, eles têm muita faca e muito queijo na mão. É rezar para que morra depressa e longe.

Sim .. porque aquilo que a Europa estava a pensar era atacar a Rússia... Ui, sem duvida uma ameaça enorme!
Eu então não vejo motivação nenhuma que seja válida.

A Europa acredito que não mas não nos podemos esquecer que na NATO está um outro lado (leia -se USA) que precisa ter guerras longe de casa para escoar armamento! Como no Afeganistão e afins iria dar muitas mortes para eles vamos lá armar guerra na Europa que o Putin tb está cheio de vontade…. com isso o preço do petróleo e do Gás aumenta e estas duas potências ( Rússia e USA) tem uma recuperação económica mais rápida para sair da crise sanitária!

Ok, mas não podemos culpar a Ucrânia, nem validar a invasão russa, quando os verdadeiros motivos são outros.

Claro! Não culpo a Ucrânia… muito menos válido a Rússia… apenas acho que os motivos não são bem os que se fala.

DianaES -
Offline
Desde 08 Out 2013

Sansa escreveu:

DianaES escreveu:Sinto-me igual... Sei que isto é o impacto e que não tarda, infelizmente banalizamos o que se passa, mas no momento só me ocorrem aquelas crianças sem qualquer culpa, a fugirem com os seus pais quando deveriam estar a brincar na segurança de casa. A nossa casa devia poder ser sempre um lugar seguro. A minha solidariedade está sem dúvida com a Ucrânia, que é uma nação invadida. Maaaas, independente de ser contra toda e qualquer guerra, não consigo ter uma opinião política formada. Porque, de modo resumido, o fim da guerra fria houve um pacto (de Varsóvia) em que a NATO se comprometia a não incorporar certos países do leste europeu, desde essa altura quebrou esse pacto 3 vezes, anexando 3 países à revelia da Rússia e do que estava acordado. A Rússia começou a sentir o peso da NATO em países vizinhos e consequentemente a sentir-se encurralada pelas forças da Aliança Atlântica. Quando em 2014 caiu o governo pró-russo na Ucrânia e começaram as diligências no sentido desta fazer parte da NATO, Putin apressou-se a tomar a Crimeia pela estratégia da sua localização. Esse evento fez ainda mais vontade na Ucrânia em fazer parte de uma aliança militar que a pudesse defender, já que perdeu a Crimeia sem qualquer reação... E o andamento dessas negociações deu nesta resposta russa. Colocam-se muitas questões. Numa tentativa de criar paz fez-se acordos que não se cumpriram, e isso agora resulta em guerras. Portanto eu estou contra a ofensiva Russa mas ao contrário do que leio nas redes sociais, vejo claramente as motivações russas e não deixo de lhes conferir validação, claro que tudo cai por terra quando acham que é com uma guerra que lá vão. A Rússia está sem dúvida a ser guiada por um louco habituado a fazer e desfazer sem olhar a consequências. Mas da minha humilde perspetiva ninguém se vai realmente chegar à frente para ajudar a Ucrânia com reforço militar, porque por mais que não queiramos, eles têm muita faca e muito queijo na mão. É rezar para que morra depressa e longe.

Sim .. porque aquilo que a Europa estava a pensar era atacar a Rússia... Ui, sem duvida uma ameaça enorme!
Eu então não vejo motivação nenhuma que seja válida.


Ok, se a ideia é nunca nos atacarmos uns aos outros, porque temos todos exércitos? Porque pertencemos tantos à NATO? Não podemos esquecer que vemos os outros à nossa imagem, a Rússia sempre foi assim, não consegue achar que outros são de outro modo. E depois se não temos ideia de precisar, porque bateu a Ucrânia o pé no quesito de se aliar à Nato? Queres uma lista de países onde a NATO (aka USA) já meteu o pé noutras vezes? E agora só não mete porque o arsenal nuclear da Rússia não se compara a mais nenhum... Se algum país europeu tem a audácia de mandar tropas para a Ucrânia ele só tem de atirar um missil de longo alcance ou deixar cair por aqui uma bomba nuclear. E não subestimem o homem, ele é louco. Ele obviamente quer uma terceira guerra mundial, quer um pezinho para recuperar a antiga União Soviétiva, está há anos a preparar-se para isto.

Sansa -
Online
Desde 18 Jan 2018

DianaES escreveu:

Sansa escreveu:
DianaES escreveu:Sinto-me igual... Sei que isto é o impacto e que não tarda, infelizmente banalizamos o que se passa, mas no momento só me ocorrem aquelas crianças sem qualquer culpa, a fugirem com os seus pais quando deveriam estar a brincar na segurança de casa. A nossa casa devia poder ser sempre um lugar seguro. A minha solidariedade está sem dúvida com a Ucrânia, que é uma nação invadida. Maaaas, independente de ser contra toda e qualquer guerra, não consigo ter uma opinião política formada. Porque, de modo resumido, o fim da guerra fria houve um pacto (de Varsóvia) em que a NATO se comprometia a não incorporar certos países do leste europeu, desde essa altura quebrou esse pacto 3 vezes, anexando 3 países à revelia da Rússia e do que estava acordado. A Rússia começou a sentir o peso da NATO em países vizinhos e consequentemente a sentir-se encurralada pelas forças da Aliança Atlântica. Quando em 2014 caiu o governo pró-russo na Ucrânia e começaram as diligências no sentido desta fazer parte da NATO, Putin apressou-se a tomar a Crimeia pela estratégia da sua localização. Esse evento fez ainda mais vontade na Ucrânia em fazer parte de uma aliança militar que a pudesse defender, já que perdeu a Crimeia sem qualquer reação... E o andamento dessas negociações deu nesta resposta russa. Colocam-se muitas questões. Numa tentativa de criar paz fez-se acordos que não se cumpriram, e isso agora resulta em guerras. Portanto eu estou contra a ofensiva Russa mas ao contrário do que leio nas redes sociais, vejo claramente as motivações russas e não deixo de lhes conferir validação, claro que tudo cai por terra quando acham que é com uma guerra que lá vão. A Rússia está sem dúvida a ser guiada por um louco habituado a fazer e desfazer sem olhar a consequências. Mas da minha humilde perspetiva ninguém se vai realmente chegar à frente para ajudar a Ucrânia com reforço militar, porque por mais que não queiramos, eles têm muita faca e muito queijo na mão. É rezar para que morra depressa e longe.

Sim .. porque aquilo que a Europa estava a pensar era atacar a Rússia... Ui, sem duvida uma ameaça enorme!
Eu então não vejo motivação nenhuma que seja válida.

Ok, se a ideia é nunca nos atacarmos uns aos outros, porque temos todos exércitos? Porque pertencemos tantos à NATO? Não podemos esquecer que vemos os outros à nossa imagem, a Rússia sempre foi assim, não consegue achar que outros são de outro modo. E depois se não temos ideia de precisar, porque bateu a Ucrânia o pé no quesito de se aliar à Nato? Queres uma lista de países onde a NATO (aka USA) já meteu o pé noutras vezes? E agora só não mete porque o arsenal nuclear da Rússia não se compara a mais nenhum... Se algum país europeu tem a audácia de mandar tropas para a Ucrânia ele só tem de atirar um missil de longo alcance ou deixar cair por aqui uma bomba nuclear. E não subestimem o homem, ele é louco. Ele obviamente quer uma terceira guerra mundial, quer um pezinho para recuperar a antiga União Soviétiva, está há anos a preparar-se para isto.


Exatamente, o homem é louco, é um sociopata. A Ucränia näoi tem de ser culpada pelos desvarios de um louco. A questäo da NATO foi só um pretexto. Os verdadeiros motivos säo outros, e acredita que säo bem mais pessoais. O homem é um narcisista e näo admite ser contrariado.

Sansa -
Online
Desde 18 Jan 2018

Podemos ser pacifistas e termos uma unidade de defesa, que em caso de ataque está pronta a defender a naçäo. Pertencemos ä NATO porque, apesar da maioria dos países quererem paz, continua a existir maluquinhos, como este - o Hitler 2.0

Sara_R -
Offline
Desde 02 Dez 2014

Eu também não vejo nenhuma motivação válida, e estamos mesmo perante um segundo Hitler, sem dúvida um ditador que não olha a meios para atingir os seus fins, pondo em risco vidas militares e civis sem razão nenhuma, iniciando uma guerra na Europa.
Estou mesmo sem palavras, e isto tem mexido muito comigo nestes dias! Tenho uma amiga e antiga colega de curso que é da Ucrânia que vive cá em Portugal com a família mas tem o irmão e a irmã com as respetivas famílias no sul da Ucrânia perto da fronteira com a Roménia, estão todos preocupados e assustados porque estão longe e não sabem o que pode acontecer. Imagino-me no lugar destas pessoas e fico muito muito pequenina...:(

carlaper -
Offline
Desde 11 Out 2011

A motivação é atingir os EUA enfraquecendo a Europa. A grande objectivo é que os EUA deixem de ser a primeira potência. Acho curioso que tanto se critique os eua e a nato, quando o que estes fazem é tentar proteger o mundo ocidental, o mundo da democracia, o mundo em que gostamos de viver. Interesses há no mundo inteiro, e acreditem que o lado de lá é de longe muito pior. Viver num mundo em que quem dita as regras são assassinos, genicidas, ditadores? É que não se trata apenas do Putin, mas também do Xi, do Kim , tudo bons rapazes..

DianaES -
Offline
Desde 08 Out 2013

Eu não estou a dizer que ele tem razão. Só que na perspetiva dele, não quer os países de fronteira a fazerem todos parte da NATO, porque a NATO é o inimigo e sente-se ameaçado. E isto até seria só problema dele, não tivesse a NATO assinado um acordo que não tem cumprido... Quando o próximo a possivelmente entrar na NATO passou a ser a Ucrânia ele achou o perigo demasiado eminente e agiu, Isto é a lógica dele. Se é válido ou não, não sei dizer, não formei a minha opinião. Claramente o modo que está a usar não é válido... Podia ter sido diplomático, ameaçar a Ucrânia de outro modo... Quer um pretexto para fazer guerra e mostrar a sua supremacia e lá o conseguiu. Obviamente é um paranoico e a idade tem agudizado este problema. Não são só os nossos velhotes que ficam mais sismentos e chatos, na Rússia é igual, tudo extrapolado pela posição que ocupa.

carlaper -
Offline
Desde 11 Out 2011

Isso é um diz que disse. Não há acordo nenhum escrito que comprove isso, ao que parece apenas existiu em relação ao antigo territorio da República democrática alemã.
Se eles pudessem faziam o mesmo, acontece que nenhum país se quer juntar à Rússia, porque será. E ninguém é obrigado a nada, esses paises fazem questão de fazer oarte3da nato, por motivos óbvios.

carlaper -
Offline
Desde 11 Out 2011

*fazer parte da nato.

Sansa -
Online
Desde 18 Jan 2018

DianaES escreveu:
Eu não estou a dizer que ele tem razão. Só que na perspetiva dele, não quer os países de fronteira a fazerem todos parte da NATO, porque a NATO é o inimigo e sente-se ameaçado. E isto até seria só problema dele, não tivesse a NATO assinado um acordo que não tem cumprido... Quando o próximo a possivelmente entrar na NATO passou a ser a Ucrânia ele achou o perigo demasiado eminente e agiu, Isto é a lógica dele. Se é válido ou não, não sei dizer, não formei a minha opinião. Claramente o modo que está a usar não é válido... Podia ter sido diplomático, ameaçar a Ucrânia de outro modo... Quer um pretexto para fazer guerra e mostrar a sua supremacia e lá o conseguiu. Obviamente é um paranoico e a idade tem agudizado este problema. Não são só os nossos velhotes que ficam mais sismentos e chatos, na Rússia é igual, tudo extrapolado pela posição que ocupa.

A missäo da NATO é proteger e näo atacar. Significa que no caso de um ataque armado a NATO disponibilizaria ajuda para garantir a segurança de qualquer um dos países que fazem parte dessa aliança. A Ucränia näo nem constituíria nenhuma ameaça ä Rússia apenas por se tornar membro da NATO.
Esta é uma guerra sem sentido nenhum. Nunca existiu ameaça, e nenhum dos países membros quer guerra.

DianaES -
Offline
Desde 08 Out 2013

Sansa escreveu:

DianaES escreveu:Eu não estou a dizer que ele tem razão. Só que na perspetiva dele, não quer os países de fronteira a fazerem todos parte da NATO, porque a NATO é o inimigo e sente-se ameaçado. E isto até seria só problema dele, não tivesse a NATO assinado um acordo que não tem cumprido... Quando o próximo a possivelmente entrar na NATO passou a ser a Ucrânia ele achou o perigo demasiado eminente e agiu, Isto é a lógica dele. Se é válido ou não, não sei dizer, não formei a minha opinião. Claramente o modo que está a usar não é válido... Podia ter sido diplomático, ameaçar a Ucrânia de outro modo... Quer um pretexto para fazer guerra e mostrar a sua supremacia e lá o conseguiu. Obviamente é um paranoico e a idade tem agudizado este problema. Não são só os nossos velhotes que ficam mais sismentos e chatos, na Rússia é igual, tudo extrapolado pela posição que ocupa.

A missäo da NATO é proteger e näo atacar. Significa que no caso de um ataque armado a NATO disponibilizaria ajuda para garantir a segurança de qualquer um dos países que fazem parte dessa aliança. A Ucränia näo nem constituíria nenhuma ameaça ä Rússia apenas por se tornar membro da NATO.
Esta é uma guerra sem sentido nenhum. Nunca existiu ameaça, e nenhum dos países membros quer guerra.


A ser assim, o que fez a NATO no Iraque e no Afeganistão? Nenhum dois dois faz parte de aliança política.
Para quem não quer quer guerra, os EUS estiveram em muitas guerras...

Gabri -
Offline
Desde 24 Abr 2010

O pacto de Varsóvia não era um compromisso da NATO não incorporar países da ex união soviética. O pacto de Varsóvia foi assinado em 1955 entres a união soviética e os países socialistas da Europa de leste terminou em 1991 com o fim da guerra fria e consequentemente com o fim da união soviética.
A NATO só faz intervenção militar em países ameaçados que façam parte da sua aliança, por isso não está a intervir na Ucrânia, as missões no Afeganistão, Iraque e Kosovo foram missões humanitárias. No entanto disponibilizou ajuda monetária e armamento.
O facto da Ucrânia aderir à NATO por si só não constitui uma ameaça mas a Ucrânia passa a ter maior poder de defesa pois os membros da NATO podem agir militarmente se for necessário, logo será mais difícil tomar a Ucrânia ou as regiões separatistas.

fmmartins -
Offline
Desde 14 Dez 2016

Acho que ninguém no seu juízo perfeito consegue encontrar uma justificação válida. Só alguma mente doente consegue entender a cabeça igualmente doente de Putin.
É muito triste, revoltante e um sentimento de impotência para quem assiste e não pode fazer nada 😔

Sansa -
Online
Desde 18 Jan 2018

Estava agora a ler sobre um miúdo (um jovem soldado russo, mas aos meus olhos não passa de um miúdo) sentado a chorar. Como ele existem muitos que não querem participar nesta guerra.
Também li, mas ainda tenho de ir confirmar a informação como sendo verdadeira, que muitos soldados russos pensavam tratar-se de um exercício.

Gabri -
Offline
Desde 24 Abr 2010

Eu ontem também estava a ver as notícias e até chorei. Um jornalista a falar com uma menina de 6/7 anos num abrigo e a menina a dizer que não queria morrer. Que tinha acordado durante a noite com um estrondo e que alguém lhe tinha dito que tinha começado a guerra e as lágrimas a caírem-lhe pela cara.
Este homem é um louco com demasiado poder nas mãos que nem com o próprio povo se preocupa.

fmmartins -
Offline
Desde 14 Dez 2016

Sim, entre russos haverá quem seja contra e quem apoie. Eu li uma rapariga russa que dizia que as sanções não os iriam pôr de joelhos. Em contraste vi um rapaz ucraniano a chorar dizendo que nunca pegou ou sabe como funciona uma arma. É uma gerra injusta e desigual.
Isto é muito grave, a Ucrânia é um pais independente e democrático e a entrada na NATO seria precisamente para evitar isto que está a acontecer. As sanções a curto prazo não produzem efeitos para os demover e enquanto isso morrem inocentes.

DianaES -
Offline
Desde 08 Out 2013

fmmartins escreveu:
Acho que ninguém no seu juízo perfeito consegue encontrar uma justificação válida. Só alguma mente doente consegue entender a cabeça igualmente doente de Putin.
É muito triste, revoltante e um sentimento de impotência para quem assiste e não pode fazer nada 😔

Justificação válida ninguém encontra. Mas simplesmente justificação, encontro. Um pretexto se assim se quiser.

Sansa -
Online
Desde 18 Jan 2018

DianaES escreveu:

fmmartins escreveu:Acho que ninguém no seu juízo perfeito consegue encontrar uma justificação válida. Só alguma mente doente consegue entender a cabeça igualmente doente de Putin.
É muito triste, revoltante e um sentimento de impotência para quem assiste e não pode fazer nada 😔

Justificação válida ninguém encontra. Mas simplesmente justificação, encontro. Um pretexto se assim se quiser.


Pois, mas isto foi o que tu escreveste:
.
"...ao contrário do que leio nas redes sociais, vejo claramente as motivações russas e não deixo de lhes conferir validação."

Sansa -
Online
Desde 18 Jan 2018

Acabei de falar com a minha vizinha (russa) que chegou ontem da Rússia. Como seria de esperar, a propaganda continua. Na TV declaram que os soldados russos estäo a combater neo-nazis na Ucränia, e quem tem uma instruçäo humilde (que é uma grande fatia da populaçäo) näo é capaz de ver para além disso. A minha vizinha tem-se recusado a ligar ä mäe porque näo quer entrar em conflito - a mäe é mais uma vítima dos efeitos da propaganda.

Sansa -
Online
Desde 18 Jan 2018

Só nos resta torcer que, no caso do homem perder o juízo por completo, quem o rodeie ainda tenha um pingo de razäo e vontade de viver, e pense nas suas famílias.

fmmartins -
Offline
Desde 14 Dez 2016

Sansa escreveu:
Só nos resta torcer que, no caso do homem perder o juízo por completo, quem o rodeie ainda tenha um pingo de razäo e vontade de viver, e pense nas suas famílias.

Assusta-me um bocado, confesso. E ele já acenou com isso (nem gosto de dizer o nome).

Sansa -
Online
Desde 18 Jan 2018

fmmartins escreveu:

Sansa escreveu:Só nos resta torcer que, no caso do homem perder o juízo por completo, quem o rodeie ainda tenha um pingo de razäo e vontade de viver, e pense nas suas famílias.

Assusta-me um bocado, confesso. E ele já acenou com isso (nem gosto de dizer o nome).


Acabou de passar um helicóptero e deixou-me logo inquieta.

Tyta.B -
Offline
Desde 31 Jul 2015

fmmartins escreveu:

Sansa escreveu:Só nos resta torcer que, no caso do homem perder o juízo por completo, quem o rodeie ainda tenha um pingo de razäo e vontade de viver, e pense nas suas famílias.

Assusta-me um bocado, confesso. E ele já acenou com isso (nem gosto de dizer o nome).


Pois eu estou muito pessimista e à espera que isto escale para uma guerra mundial.
Mais do que qualquer coisa Putin tem um grande ego, que está a ficar ferido não só pela inesperada resiliência ucraniana, mas principalmente pela ajuda que os outros países estão a enviar. Ele deve estar a ficar furioso, e um narcisista furioso é muito perigoso.

Sansa -
Online
Desde 18 Jan 2018

POde ser que o caos económico motive os oligarcas a pressionarem Putin.

Votação

Quanto tempo, em média, dura uma consulta com o seu filho no pediatra?