Comportamento reprovável filha 11 anos | De Mãe para Mãe

Comportamento reprovável filha 11 anos

Responda
13 mensagens
M27 -
Offline
Desde 03 Out 2022

Olá a todos, venho aqui desabafar... A minha filha está a passar uma fase terrível..revoltada e desobediente, perdendo o respeito pelos pais.
Quando contrariada grita connosco, bate as portas, goza... Neste momento quando lhe é pedido para fazer as tarefas escolares faz um filme, chora, grita ( apesar de ser uma aluna de excelência).
Eu sinto_me desesperada como mãe, uma vez que perco as forças e sinto_me tão incapaz de reverter esta situação. As discussões têm sido uma constante, uma falta de respeito que por vezes me deixa humilhada. Amo tanto a minha filha...
O meu marido( que está doente) já não consegue controlar_se e acaba por lhe bater ( uma palmada ou uma bofetada) Sei que pode parecer agressivo e que ele acaba por perder a razão, mas a pressão psicológica é tão grande que ele não lhe admite essas faltas de respeito. Eu acabo a chorar desalmadamente...impotente...insegura...e incapaz de ajudar a minha filha, apesar de todas as conversas, de todos o beijos e abraços, dos seus pedidos de desculpas...Ontem e hoje foram dias tão mais.
Já procuramos ajuda no psicólogo pois achamos que não está a conseguir controlar a fúria e a desenvolver algumas obsessões com pensamentos intrusivos e medos irracionais.
A minha filha é tão amada...que até me custa desabafar sobre esta situação...

Filipa2014 -
Offline
Desde 06 Fev 2014

Olá,

Lamento imenso o que está a passar. Eu sei que é fácil perder o controlo, mas como pais e os adultos da relação têm de conseguir manter a calma. Compreendo que acredite que seja uma palmada “inofensiva” mas não é. É um comportamento agressivo que gera comportamento agressivo da sua filha. Ela está a demonstrar sinais que precisa de ajuda e muito provavelmente não se consegue expressar e acaba por ter comportamentos menos ajustados. Sugiro que tente conversar com a menina, uma conversa sem julgamentos onde consiga obter alguns sinais do que se passa na cabecinha dela. Um livro que acho muito interessante e que realmente aborda muitos temas da parentalidade é o “laboratório de emoções” da Tânia Correia. Os temas são apresentados de forma simples e ajuda a ter uma noção de como reagir nestas alturas menos boas.

Espero que melhore e encontre as ferramentas necessárias para conseguirem ultrapassar esta fase ❤️

Em busca do sonho desde Julho/2018
Mar 2019 (+) - gravidez anembrionária
Set 2020 - IIU (-) Jan 2021 - IIU (-)
Mar 2021 - IIU (-) Jul 2021 - FIV (+) 🙏🏻🙏🏻
08/04/2022 chegada da minha bebé. Melhor dia da minha vida❤️

Mag_M -
Offline
Desde 13 Jul 2018

De facto, a adolescência é o lugar da procura da individualidade, mas aqui parece-me haver uma descompensação. Dos dois lados.
É mesmo importante que essa criança, que ainda o é, tenha um acompanhamento de alguém com quem sinta uma ligação de confiança (psicólogo, terapeuta,...).
Tem de colocar limites claros, mas estar sempre aberta ao diálogo. No entanto.... alguma coisa mudou no quotidiano da menina? Quando e como? E na escola, como é o comportamento? O grupo de amigos?
Tudo questões importantes para perceber o que está por detrás do comportamento......

Mag_M -
Offline
Desde 13 Jul 2018

E, mãe, é tudo normal..... Não se culpe.

soniamst -
Offline
Desde 22 Dez 2016

A adolescência é uma fase dificil. Já tentaram sentarem-se com a vossa filha num dia em que esteja calma e tentarem entender o porquê das atitudes dela. Abordem temas como a escola, bulling, roupas (moda), actividades extra curriculares que faz ou gostaria de começar a fazer, etc
Por outro lado disse que o seu marido está doente, é um caso simples de resolver ou é um caso grave? A sua filha pode ter medo que algo lhe aconteça...
Existe alguma pessoa além dos pais em quem a sua filha possa confiar/desabafar? Muitas vezes é melhor que um psicólogo em quem os jovens não confiam...

carlaper -
Offline
Desde 11 Out 2011

Compreendo-a perfeitamente, a entrada na adolescência é a fase nais desafiante desta caminhada que é sermos pais. Da sua parte e do seu marido compreendo que, sob stress, não reajam da melhor forma a determinados comportamentos, pode acontecer a todos e não são piores pais por isso. Nesta fase, que é de aprendizagem para todos, os pais não podem continuar a tratar os filhos como crianças que foram ( e que ainda são, mas noutra fase completamente diferente). Pela minha experiência ajuda, mais do que conversas, delegar-lhe responsabilidades, tudo bem, não queres fazer os trabalhos, és tu que decides, mas sabes que cada acto tem uma consequência, e deixar que sejam eles próprios a criar as suas próprias experiências e aprender com os seus erros. E deixarmos se ser tão controladores, de os irmos deixar mesmo à porta da escola, de querermos controlar tudo o que fazem, e sobretudo aceitarmos que os nossos filhos não vão ser o produto daquilo que lhes tenramos incutir durante os anos anteriores, e que muitas vezes vão ter atitudes e uma personalidade completamente diferente daquela que nós esperávamos. Não somos nós que erramos ou falhamos na educação, são os nossos filhos a tentarem seres eles próprios , as reacções da sua filha, que são semelhantes a de tantos outros adolescentes, são a rebeldia natural de quem está a desabrochar, mas obviamente que há personalidades mais exarcebadas do que outras, mas é perfeitamente natural que todos passem pela fase de desafiarem os pais, e a determinada altura a nossa vida parece edtar virada completamente ao contrário

Marina4 -
Offline
Desde 15 Maio 2016

Ui é mesmo verdade aquilo que dizem, filhos crescidos, trabalhos dobrados. Quando eles são pequenos, as nossas decisões são óbvias. O problema são as noites a chucha o xixi na cama etc. Quando eles crescem, todas as nossas decisões têm consequências a longo prazo...

Porque lhe dizem para fazer tarefas escolares? Ela não faz sozinha? Se lhe está a mandar fazer uma coisa que ela já iria fazer de forma autónoma, já fica chateada

Sansa -
Offline
Desde 18 Jan 2018

Marina4 escreveu:

Porque lhe dizem para fazer tarefas escolares? Ela não faz sozinha? Se lhe está a mandar fazer uma coisa que ela já iria fazer de forma autónoma, já fica chateada

Uuuuuiiiii era das coisas que mais me chateava, mandarem-me fazer aquilo que eu já tinha planeado fazer, e que era habitual fazer. Sempre me caiu muito mal.

Marina4 -
Offline
Desde 15 Maio 2016

Sansa escreveu:

Marina4 escreveu:
Porque lhe dizem para fazer tarefas escolares? Ela não faz sozinha? Se lhe está a mandar fazer uma coisa que ela já iria fazer de forma autónoma, já fica chateada

Uuuuuiiiii era das coisas que mais me chateava, mandarem-me fazer aquilo que eu já tinha planeado fazer, e que era habitual fazer. Sempre me caiu muito mal.

Eu comeria esse erro nas acho que já consegui corrigir. Agora pergunto " já fizeste onl trabalho? Já preparaste a mochila disto e daquilo? Já tomaste duche? "... Bom se calhar também o irrito na mesma 🤭😆

carlaper -
Offline
Desde 11 Out 2011

Marina4 escreveu:

Sansa escreveu:

Marina4 escreveu:
Porque lhe dizem para fazer tarefas escolares? Ela não faz sozinha? Se lhe está a mandar fazer uma coisa que ela já iria fazer de forma autónoma, já fica chateada

Uuuuuiiiii era das coisas que mais me chateava, mandarem-me fazer aquilo que eu já tinha planeado fazer, e que era habitual fazer. Sempre me caiu muito mal.

Eu comeria esse erro nas acho que já consegui corrigir. Agora pergunto " já fizeste onl trabalho? Já preparaste a mochila disto e daquilo? Já tomaste duche? "... Bom se calhar também o irrito na mesma 🤭😆


Eu pergunto se tem ecse for afirmativo, pergunto quando está a pensar fazê-los 😜 é que a minha tinha por vezes o hábito de após se ir deitar e estar acomodada dizer: esqueci-me e afinal tinha tpc de x e depois era o drama

M27 -
Offline
Desde 03 Out 2022

Obrigada a todas pelas mensagens assertivas que enviaram.
Vou responder a algumas delas questões que colocaram:
- Sim, o meu marido está doente, foi-lhe diagnosticado um problema oncológico há um ano e encontra-se em fase de tratamento. A minha filha apesar de saber que está doente, e que muitas vezes tem de ir ao hospital, não tem consciência que poderá ser mais grave ( tentamos protegê-la dessa situação, até porque até ao momento está controlado);
- Sim... já procuramos acompanhamento psicológico e já está a ser acompanhada de 15 em 15 dias;
- Relativamente às tarefas escolares, são sempre um ponto de discussão... A verdade é que eu questiono se já as fez...ao que ela responde sempre... Faço depois, agora não me apetece... E quando decide fazer, muitas vezes já é bastante tarde, horas de ir para a cama...Estando já num estado de cansaço e irritação enorme;- Saliento, no entanto que ela é uma aluna de excelência, com excelentes resultados a todas as disciplinas.
- Sim...já conversamos com ela várias vezes sobre o comportamento e aquilo que se passa com ela, mas a resposta é sempre a mesma: Irrito-me e não me consigo controlar.
Ela não reage muito bem à frustração, ou à crítica, ou a perder, por exemplo... num jogo se perde a culpa é sempre do outro, ou do árbitro ou de alguém...nunca dela. E nesse momento de frustração acaba de descarregar toda a fúria em casa connosco.
Penso que isso será um processo de aprendizagem que terá pela frente, e sempre a tentamos perceber nesse sentido, mas há dias que a falta de educação e respeito para connosco, não se pode tolerar. Se reagimos da.melhor forma possivelmente não e como li num comentário nós somos os adultos e temos o dever de acalmar a situação e a não perder o controlo, mas com o cansaço acumulado e a pressão psicológica da situação, acabamos também por ficar descompensada e a discussão toma níveis que nada abonam a um bom ambiente familiar.
Obrigada, mais uma vez.

Ana Maria Costa1 -
Offline
Desde 01 Fev 2019

Chamaram-me a atenção dois pontos: a questão da doença do pai, as crianças apercebem-se mais das coisas do que pensamos ( até pela informaçãoque hoje têm) , falar sobre as situações o mais abertamente possível por vezes ajuda mais do que tentar proteger, assim ela se calhar guarda as preocupações para ela e isso acaba por se refletir no comportamento. Em relação à escola se é aluna de excelência qual a necessidade de estar sempre a insistir com as tarefas?

mamagemelar -
Offline
Desde 29 Ago 2011

Ola. Lamento o que esta a passar. Gostava so de deixar nota sobre o primeiro ponto. Pode ter ai a resposta para os comportamentos. Provavelmente a sua filha ja sabera o que se passa e pode estar na altura de falar abertamente sobre a doenca do seu marido com a sua filha. Tb tenho 2 filhos com quase 12 anos. Gemeos completamente diferentes, mas sem grandes desafios a nivel de comportamento. Em casa nao ha segredos, os problemas sao de conhecimento de todos. Mas a reaccao de ambos é diferente aos desafios. Ela muito ansiosa, tem de saber tudo, tem de saber as solucoes e tem de ter tudo sobre controle na hora senao fica irritada ansiosa e mostra logo diferencas no comportamento. Ele prefere observar, da tempo e so quando entende tudo da opiniao sobre o que acha ou pergunta mais profundamente o porque das coisas. No entanto eu acho que aqui corre bem porque eles se equilibram. No caso da sua menina pode estar a faltar esse equilibrio por estarem.talvez absorvidos por esse problema de saúde, por ela se sentir impotente etc. Deve procurar ajuda para conseguirem ultrapassar este momento. Um beijinho e forca

Fez se luz no meu coracao a 22\11\2010... Rafaela as 00h10m e Fábio as 00h13m..Minhas vidas!!! Amo vos mto mto Afilhada e Madrinha babada da mnh kerida TWINMUMMY!!!mais uma madrinha e afilhada 5* SUSANA CORVOS mais uma afilhada linda. Sara78_98 . madrinha e afilhada da APIPAS querida!!!

Votação

Quanto tempo, em média, dura uma consulta com o seu filho no pediatra?