BBaptismo de criança e pais não casados | De Mãe para Mãe

BBaptismo de criança e pais não casados

Responda
40 mensagens
marlene1987 -
Offline
Desde 13 Out 2019

Bom.dia meninas,

Gostaria de saber ate que ponto e que os padres aceitam com facilidade baptizar uma criança sendo os pais não casados. E essa a minha situação, bem tento convencer o namorido para aproveitar e casarmos tbm mas ele não esta para ai virado 😂😂 tem algum feedback de padres que façam a cerimônia entre espinho e santa Maria da Feira? Obrigado

RoxyGirl -
Offline
Desde 27 Jan 2016

Os padres só têm que aceitar, ponto.
Se algum se recusar é fazer queixa à diocese correspondente 😀

DianaES -
Offline
Desde 08 Out 2013

A menos que more numa aldeia com um padre daqueles mais antiquados já nenhum se recusa ao semelhante... O papa Francisco formalizou essa mudança de diretriz e não há qualquer necessidade de os pais serem casados

Andreissse -
Offline
Desde 13 Nov 2015

O Padre de Espinho costuma ser bastante accessivel. Eu baptizei a minha filha em Espinho apesar de sermos casados escolhemos como padrinhos 1 de cada lado (sem ser um casal) pois para mim não fazia sentido. Amanhã divorciam-se depois a outra parte lá queria saber da minha filha e ele aceitou bem. O meu tio tinha de pedir um papel na igreja de avanca e esse padre era uk tinhoso dizia q n faz sentido baptizar uma criança n tendo padrinhos casados q lógica é essa q só se lembram da religião para o q nos convém loool bem, voltando ao assunto fulcral, na igreja de espinho n terá problemas.

Andreissse -
Offline
Desde 13 Nov 2015

O Padre de Espinho costuma ser bastante accessivel. Eu baptizei a minha filha em Espinho apesar de sermos casados escolhemos como padrinhos 1 de cada lado (sem ser um casal) pois para mim não fazia sentido. Amanhã divorciam-se depois a outra parte lá queria saber da minha filha e ele aceitou bem. O meu tio tinha de pedir um papel na igreja de avanca e esse padre era uk tinhoso dizia q n faz sentido baptizar uma criança n tendo padrinhos casados q lógica é essa q só se lembram da religião para o q nos convém loool bem, voltando ao assunto fulcral, na igreja de espinho n terá problemas.

BB84 -
Offline
Desde 16 Maio 2020

Pode falar com qualquer um, não devem recusar. Não existem filhos de "mães solteiras", existem sim "filhos de Deus".

BB84 -
Offline
Desde 16 Maio 2020

Pode falar com qualquer um, não devem recusar. Não existem filhos de "mães solteiras", existem sim "filhos de Deus".

MisaL -
Offline
Desde 17 Abr 2019

Por acaso acho que nunca ouvi recusarem por os pais não serem casados, mas recusam muito por os padrinhos. Eu cada vez que ouço alguma coisa, mais tenho a certeza que a igreja é um lugar estranho.
Há dias a uma colega minha alguém da igreja (não sei bem os nomes das pessoas, seria o depois do padre) disse-lhe para mentir para dizer que os padrinhos eram irmãos em vez de dizer que não eram casados, porque ficava mal uns padrinhos "ajuntados". Já uns padrinhos mentirosos é pacífico 😱

Martasofia24 -
Offline
Desde 20 Jul 2020

A minha mãe e o meu pai tiveram que se casar

Marina4 -
Offline
Desde 15 Maio 2016

RoxyGirl escreveu:
Os padres só têm que aceitar, ponto.
Se algum se recusar é fazer queixa à diocese correspondente 😀

Não consigo entender essa maneira de ver as coisas, pois as pessoas não podem aparecer à igreja só para as coisas " giras". Não vão à missa, não comungam, não se confessem, enfim tudo o que faz parte da fé católica. E depois o padre é que é " mau". Não consigo mesmo.

Marina4 -
Offline
Desde 15 Maio 2016

Aliás quando estamos a batizar uma criança estamos a acolhê-la na fé católica. O que implica muita coisa. Sei disso porque a segui até ao crisma. E depois de poder pensar por mim, nunca mais lá pus os pés. Sorriso

Sansa -
Offline
Desde 18 Jan 2018

Marina4 escreveu:
Aliás quando estamos a batizar uma criança estamos a acolhê-la na fé católica. O que implica muita coisa. Sei disso porque a segui até ao crisma. E depois de poder pensar por mim, nunca mais lá pus os pés.

Usas algum método contraceptivo?

MisaL -
Offline
Desde 17 Abr 2019

Por um lado eu entendo o que pensas, por vezes também acho isso, mas por outro a igreja também tem de se abrir a quem quer fazer parte dela.
Disse sempre que não batizaria os meus até eles terem consciência se seria ou não essa a sua vontade, mas ainda há dias alguém disse que se tiverem mais de 6 anos têm de fazer a comunhão primeiro. Já não sei se a minha filha vai querer.

Marina4 escreveu:
Aliás quando estamos a batizar uma criança estamos a acolhê-la na fé católica. O que implica muita coisa. Sei disso porque a segui até ao crisma. E depois de poder pensar por mim, nunca mais lá pus os pés.

RoxyGirl -
Offline
Desde 27 Jan 2016

Marina4 escreveu:

RoxyGirl escreveu:Os padres só têm que aceitar, ponto.
Se algum se recusar é fazer queixa à diocese correspondente 😀

Não consigo entender essa maneira de ver as coisas, pois as pessoas não podem aparecer à igreja só para as coisas " giras". Não vão à missa, não comungam, não se confessem, enfim tudo o que faz parte da fé católica. E depois o padre é que é " mau". Não consigo mesmo.

Qual maneira de ver?!
A que a igreja não possa recusar um baptismo a uma criança por os pais não serem casados?

É que essa não tem nada a ver com a que a Marina acha que eu sigo, a das "coisas giras". E sim, um padre é "mau" quando se recusa a baptizar uma criança pelo simples facto de os pais não serem casados, tanto que isso não é permitido e deve de ser reportado à diocese.
Agora se acho que o padre é "mau" quando não aceita padrinhos crismados, não, não acho. Pois também acho que, se os pais querem baptizar os filhos porque acreditam, então devem de escolher padrinhos que tenham vida católica, senão, a meu ver, (volto a repetir, é a minha opinião) não vale a pena fazer o batismo.
Engraçado, porque na realidade, tanto eu como a Marina, pelos vistos, até temos uma opinião semelhante, estou é a tentar perceber, como é que a Marina, através do meu comentário, acha que eu só vou à igreja pelas "coisas giras"

RoxyGirl -
Offline
Desde 27 Jan 2016

MisaL escreveu:
Por um lado eu entendo o que pensas, por vezes também acho isso, mas por outro a igreja também tem de se abrir a quem quer fazer parte dela.
Disse sempre que não batizaria os meus até eles terem consciência se seria ou não essa a sua vontade, mas ainda há dias alguém disse que se tiverem mais de 6 anos têm de fazer a comunhão primeiro. Já não sei se a minha filha vai querer.

Marina4 escreveu:Aliás quando estamos a batizar uma criança estamos a acolhê-la na fé católica. O que implica muita coisa. Sei disso porque a segui até ao crisma. E depois de poder pensar por mim, nunca mais lá pus os pés.

Quem lhe disse, disse mal ou não soube explicar-se. O que acontece é, que se já tiverem mais de 6 anos, irão fazer o batismo no mesmo dia da Primeira Comunhão, pois não é possível receber o Sacramento da Comunhão antes do Sacramento do Baptismo, e para tal, terá de frequentar a catequese

MisaL -
Offline
Desde 17 Abr 2019

Sim, é isso, fui eu que não disse bem.
Ela às vezes fala em batizar-se e até já falou em padrinhos, eu digo sempre que se quiser pode. Vou-lhe explicando e digo que quando entender pode, mas não é tão simples assim. Como já terá mais de 6 anos, ou seja, terá de fazer a primeira comunhão e batizar-se nesse dia, não sei vai querer, mas também depois vê-se a convicção que tem ou não.
Tenho um familiar que recebeu os sacramentos todos no dia do casamento.

RoxyGirl escreveu:

MisaL escreveu:Por um lado eu entendo o que pensas, por vezes também acho isso, mas por outro a igreja também tem de se abrir a quem quer fazer parte dela.
Disse sempre que não batizaria os meus até eles terem consciência se seria ou não essa a sua vontade, mas ainda há dias alguém disse que se tiverem mais de 6 anos têm de fazer a comunhão primeiro. Já não sei se a minha filha vai querer.

Marina4 escreveu:Aliás quando estamos a batizar uma criança estamos a acolhê-la na fé católica. O que implica muita coisa. Sei disso porque a segui até ao crisma. E depois de poder pensar por mim, nunca mais lá pus os pés.

Quem lhe disse, disse mal ou não soube explicar-se. O que acontece é, que se já tiverem mais de 6 anos, irão fazer o batismo no mesmo dia da Primeira Comunhão, pois não é possível receber o Sacramento da Comunhão antes do Sacramento do Baptismo, e para tal, terá de frequentar a catequese

guialmi -
Offline
Desde 13 Jul 2013

MisaL escreveu:
Sim, é isso, fui eu que não disse bem.
Ela às vezes fala em batizar-se e até já falou em padrinhos, eu digo sempre que se quiser pode. Vou-lhe explicando e digo que quando entender pode, mas não é tão simples assim. Como já terá mais de 6 anos, ou seja, terá de fazer a primeira comunhão e batizar-se nesse dia, não sei vai querer, mas também depois vê-se a convicção que tem ou não.
Tenho um familiar que recebeu os sacramentos todos no dia do casamento.

RoxyGirl escreveu:

MisaL escreveu:Por um lado eu entendo o que pensas, por vezes também acho isso, mas por outro a igreja também tem de se abrir a quem quer fazer parte dela.
Disse sempre que não batizaria os meus até eles terem consciência se seria ou não essa a sua vontade, mas ainda há dias alguém disse que se tiverem mais de 6 anos têm de fazer a comunhão primeiro. Já não sei se a minha filha vai querer.

Marina4 escreveu:Aliás quando estamos a batizar uma criança estamos a acolhê-la na fé católica. O que implica muita coisa. Sei disso porque a segui até ao crisma. E depois de poder pensar por mim, nunca mais lá pus os pés.

Quem lhe disse, disse mal ou não soube explicar-se. O que acontece é, que se já tiverem mais de 6 anos, irão fazer o batismo no mesmo dia da Primeira Comunhão, pois não é possível receber o Sacramento da Comunhão antes do Sacramento do Baptismo, e para tal, terá de frequentar a catequese


Todos os anos há crianças que se batizam no dia da primeira comunhão, e até considero algo muito bonito e significativo. Mas para tal a frequência da catequese é indispensável, não basta ir à paróquia uma semana antes dizer que quer... Quando são adultos, frequentm também a catequese de adultos.

XanaCD -
Offline
Desde 13 Jan 2013

Eu fui baptizada em adulta e o meu filho já foi antes dos 6 anos. O pai sugeriu e eu concordei.

DianaES -
Offline
Desde 08 Out 2013

Estes assuntos não valem muito a pena ser discutidos... Na prática podemos sim procurar a igreja só para o que entendermos, uma vez que a casa de Deus está sempre aberta a todos... Se isso é morelmente o melhor? Por certo que não. Eu desde que deixei a catequese depois da segunda comunhão nunca mais fui à missa, exceto casamentos, funerais e o batizado da minha afilhada, e depois fui para me casar... Porquê? Até eu gostava de saber... Mas na altura quando tive que me reunir com o padre falei disto e ele disse que é assim, que a igreja é como aqueles amigos que temos e que passamos tempos ser ver e depois lá regressamos... Não importa se nos "esquecemos" um bocado dela, vai estar sempre lá para nós quando precisarmos. Isto caiu-me tão bem que confesso que vem daí a minha vontade de batizar a minha filha, vou esperar que cresça um bocadinho e vou batiza-la e inscreve-la na catequese... se depois não quiser ir, isso são outras questões e não obrigarei, mas sinto-me na obrigação de cumprir aquilo que prometi ao padre, de educar os meus filhos na fé cristã. É uma pena que alguns padres estejam sempre prontos a complicar porque isso só afasta as pessoas. Felizmente acho que este Papa veio abrir um bocado os olhos nesse sentido e a igreja é cada vez mais tolerante... Simpatizo agora muito mais com ela.

marlene1987 -
Offline
Desde 13 Out 2019

Muito obrigada meninas por todas as opiniões. E uma celebração que gostava muito de fazer porque e isso mesmo.um acolhimento na fé católica. Tendo fé e..deus para mim faz todo o sentido. Apesar de não ser casada mas é como se fosse só não.tenho o papel assinado e sou feliz assim. Vejo tanta gente casada com grande festa e depois são tão infelizes... Quanto a questão dos padrinhos nem fazia ideia que havia padres que implicavam se não fosse casados. Ora e essa minha situação por que me faz sentido que tenha um padrinho de cada lado, para o caso de algo correr para o torto. O padrinho será o meu tio que tbm já foi o meu padrinho e a madrinha uma Cunhada minha que é irmã do meu marido. Vou falar com o padre de lamas se não aceitar espinho será uma opção. Nas tbm não sera para agora mas sim.para a Primavera do próximo ano. Que é para depois puder fazer qq coisa aqui no meu terraço do para a família chegada e os padrinhos

DanielaSMoreira -
Offline
Desde 08 Abr 2020

Batizei o meu bebé no Domingo passado. Não somos casados, vivemos juntos e os padrinhos são a minha irmã e o irmão dele. A minha irmã até só tem 11 anos e já foi madrinha. O padre de Ermesinde (Valongo) não tocou nos assuntos sequer

DianaES -
Offline
Desde 08 Out 2013

DanielaSMoreira escreveu:
Batizei o meu bebé no Domingo passado. Não somos casados, vivemos juntos e os padrinhos são a minha irmã e o irmão dele. A minha irmã até só tem 11 anos e já foi madrinha. O padre de Ermesinde (Valongo) não tocou nos assuntos sequer

Pode ser assim tão nova? Queria batizar a minha mas estava à espera que os padrinhos crescessem, têm 13 e 14 anos, mas sendo assim se calhar vou falar ao padre... Não sabia que aceitavam tão novos.

carlaper -
Offline
Desde 11 Out 2011

DianaES escreveu:

DanielaSMoreira escreveu:Batizei o meu bebé no Domingo passado. Não somos casados, vivemos juntos e os padrinhos são a minha irmã e o irmão dele. A minha irmã até só tem 11 anos e já foi madrinha. O padre de Ermesinde (Valongo) não tocou nos assuntos sequer

Pode ser assim tão nova? Queria batizar a minha mas estava à espera que os padrinhos crescessem, têm 13 e 14 anos, mas sendo assim se calhar vou falar ao padre... Não sabia que aceitavam tão novos.


Podem, eu fui madrinha com 12 anos.

marlene1987 -
Offline
Desde 13 Out 2019

Andreissse escreveu:
O Padre de Espinho costuma ser bastante accessivel. Eu baptizei a minha filha em Espinho apesar de sermos casados escolhemos como padrinhos 1 de cada lado (sem ser um casal) pois para mim não fazia sentido. Amanhã divorciam-se depois a outra parte lá queria saber da minha filha e ele aceitou bem. O meu tio tinha de pedir um papel na igreja de avanca e esse padre era uk tinhoso dizia q n faz sentido baptizar uma criança n tendo padrinhos casados q lógica é essa q só se lembram da religião para o q nos convém loool bem, voltando ao assunto fulcral, na igreja de espinho n terá problemas.

Decidi me a fazer o baptizado em santa Maria de lamas. Ia agora para fazer a marcação e disseram me que não podiam aceitar a madrinha porque vivia em união de facto. Sendo assim vou tentar em Espinho. Já agora algum dos padrinhos estava nesta situação? A minha mãe hoje vai tentar falar com o sacristão. Mas se me pudesse dar umas luzes agradecia...

DianaES -
Offline
Desde 08 Out 2013

marlene1987 escreveu:

Andreissse escreveu:O Padre de Espinho costuma ser bastante accessivel. Eu baptizei a minha filha em Espinho apesar de sermos casados escolhemos como padrinhos 1 de cada lado (sem ser um casal) pois para mim não fazia sentido. Amanhã divorciam-se depois a outra parte lá queria saber da minha filha e ele aceitou bem. O meu tio tinha de pedir um papel na igreja de avanca e esse padre era uk tinhoso dizia q n faz sentido baptizar uma criança n tendo padrinhos casados q lógica é essa q só se lembram da religião para o q nos convém loool bem, voltando ao assunto fulcral, na igreja de espinho n terá problemas.

Decidi me a fazer o baptizado em santa Maria de lamas. Ia agora para fazer a marcação e disseram me que não podiam aceitar a madrinha porque vivia em união de facto. Sendo assim vou tentar em Espinho. Já agora algum dos padrinhos estava nesta situação? A minha mãe hoje vai tentar falar com o sacristão. Mas se me pudesse dar umas luzes agradecia...


Quem lhe disse isso? Fale diretamente com o padre, conheço o padre José Carlos da paróquia de santa maria de lamas e não é de colocar esses entraves... Já a secretária do sr. é um bocado indigesta e tem assim uns episódios...

marlene1987 -
Offline
Desde 13 Out 2019

DianaES escreveu:

marlene1987 escreveu:
Andreissse escreveu:O Padre de Espinho costuma ser bastante accessivel. Eu baptizei a minha filha em Espinho apesar de sermos casados escolhemos como padrinhos 1 de cada lado (sem ser um casal) pois para mim não fazia sentido. Amanhã divorciam-se depois a outra parte lá queria saber da minha filha e ele aceitou bem. O meu tio tinha de pedir um papel na igreja de avanca e esse padre era uk tinhoso dizia q n faz sentido baptizar uma criança n tendo padrinhos casados q lógica é essa q só se lembram da religião para o q nos convém loool bem, voltando ao assunto fulcral, na igreja de espinho n terá problemas.

Decidi me a fazer o baptizado em santa Maria de lamas. Ia agora para fazer a marcação e disseram me que não podiam aceitar a madrinha porque vivia em união de facto. Sendo assim vou tentar em Espinho. Já agora algum dos padrinhos estava nesta situação? A minha mãe hoje vai tentar falar com o sacristão. Mas se me pudesse dar umas luzes agradecia...

Quem lhe disse isso? Fale diretamente com o padre, conheço o padre José Carlos da paróquia de santa maria de lamas e não é de colocar esses entraves... Já a secretária do sr. é um bocado indigesta e tem assim uns episódios...

Foi uma senhora que trata desses assuntos. Eu primeiro falei com o padre pelo telefone e ele disse me para passar no salão paroquial e foi o que fiz. Quando cheguei lá e que me perguntaram pelos padrinhos e foi aí que começou com essa conversa...

DianaES -
Offline
Desde 08 Out 2013

marlene1987 escreveu:

DianaES escreveu:
marlene1987 escreveu:
Andreissse escreveu:O Padre de Espinho costuma ser bastante accessivel. Eu baptizei a minha filha em Espinho apesar de sermos casados escolhemos como padrinhos 1 de cada lado (sem ser um casal) pois para mim não fazia sentido. Amanhã divorciam-se depois a outra parte lá queria saber da minha filha e ele aceitou bem. O meu tio tinha de pedir um papel na igreja de avanca e esse padre era uk tinhoso dizia q n faz sentido baptizar uma criança n tendo padrinhos casados q lógica é essa q só se lembram da religião para o q nos convém loool bem, voltando ao assunto fulcral, na igreja de espinho n terá problemas.

Decidi me a fazer o baptizado em santa Maria de lamas. Ia agora para fazer a marcação e disseram me que não podiam aceitar a madrinha porque vivia em união de facto. Sendo assim vou tentar em Espinho. Já agora algum dos padrinhos estava nesta situação? A minha mãe hoje vai tentar falar com o sacristão. Mas se me pudesse dar umas luzes agradecia...

Quem lhe disse isso? Fale diretamente com o padre, conheço o padre José Carlos da paróquia de santa maria de lamas e não é de colocar esses entraves... Já a secretária do sr. é um bocado indigesta e tem assim uns episódios...

Foi uma senhora que trata desses assuntos. Eu primeiro falei com o padre pelo telefone e ele disse me para passar no salão paroquial e foi o que fiz. Quando cheguei lá e que me perguntaram pelos padrinhos e foi aí que começou com essa conversa...


Pois, foi a secretária dele... ainda por cima tem a mania que manda. Marque diretamente com ele, ele não é nada dado a essas tristezas.

marlene1987 -
Offline
Desde 13 Out 2019

DianaES escreveu:

marlene1987 escreveu:
DianaES escreveu:
marlene1987 escreveu:
Andreissse escreveu:O Padre de Espinho costuma ser bastante accessivel. Eu baptizei a minha filha em Espinho apesar de sermos casados escolhemos como padrinhos 1 de cada lado (sem ser um casal) pois para mim não fazia sentido. Amanhã divorciam-se depois a outra parte lá queria saber da minha filha e ele aceitou bem. O meu tio tinha de pedir um papel na igreja de avanca e esse padre era uk tinhoso dizia q n faz sentido baptizar uma criança n tendo padrinhos casados q lógica é essa q só se lembram da religião para o q nos convém loool bem, voltando ao assunto fulcral, na igreja de espinho n terá problemas.

Decidi me a fazer o baptizado em santa Maria de lamas. Ia agora para fazer a marcação e disseram me que não podiam aceitar a madrinha porque vivia em união de facto. Sendo assim vou tentar em Espinho. Já agora algum dos padrinhos estava nesta situação? A minha mãe hoje vai tentar falar com o sacristão. Mas se me pudesse dar umas luzes agradecia...

Quem lhe disse isso? Fale diretamente com o padre, conheço o padre José Carlos da paróquia de santa maria de lamas e não é de colocar esses entraves... Já a secretária do sr. é um bocado indigesta e tem assim uns episódios...

Foi uma senhora que trata desses assuntos. Eu primeiro falei com o padre pelo telefone e ele disse me para passar no salão paroquial e foi o que fiz. Quando cheguei lá e que me perguntaram pelos padrinhos e foi aí que começou com essa conversa...

Pois, foi a secretária dele... ainda por cima tem a mania que manda. Marque diretamente com ele, ele não é nada dado a essas tristezas.

Eu acabei por ligar para ele e ele disse que não aceitava nem que a madrinha trouxesse a declaração de idoneidade. A única coisa que ela poderia ser era ser testemunha. E com isto tudo estou e quase a desistir de baptizar o meu menino

DianaES -
Offline
Desde 08 Out 2013

marlene1987 escreveu:

DianaES escreveu:
marlene1987 escreveu:
DianaES escreveu:
marlene1987 escreveu:
Andreissse escreveu:O Padre de Espinho costuma ser bastante accessivel. Eu baptizei a minha filha em Espinho apesar de sermos casados escolhemos como padrinhos 1 de cada lado (sem ser um casal) pois para mim não fazia sentido. Amanhã divorciam-se depois a outra parte lá queria saber da minha filha e ele aceitou bem. O meu tio tinha de pedir um papel na igreja de avanca e esse padre era uk tinhoso dizia q n faz sentido baptizar uma criança n tendo padrinhos casados q lógica é essa q só se lembram da religião para o q nos convém loool bem, voltando ao assunto fulcral, na igreja de espinho n terá problemas.

Decidi me a fazer o baptizado em santa Maria de lamas. Ia agora para fazer a marcação e disseram me que não podiam aceitar a madrinha porque vivia em união de facto. Sendo assim vou tentar em Espinho. Já agora algum dos padrinhos estava nesta situação? A minha mãe hoje vai tentar falar com o sacristão. Mas se me pudesse dar umas luzes agradecia...

Quem lhe disse isso? Fale diretamente com o padre, conheço o padre José Carlos da paróquia de santa maria de lamas e não é de colocar esses entraves... Já a secretária do sr. é um bocado indigesta e tem assim uns episódios...

Foi uma senhora que trata desses assuntos. Eu primeiro falei com o padre pelo telefone e ele disse me para passar no salão paroquial e foi o que fiz. Quando cheguei lá e que me perguntaram pelos padrinhos e foi aí que começou com essa conversa...

Pois, foi a secretária dele... ainda por cima tem a mania que manda. Marque diretamente com ele, ele não é nada dado a essas tristezas.

Eu acabei por ligar para ele e ele disse que não aceitava nem que a madrinha trouxesse a declaração de idoneidade. A única coisa que ela poderia ser era ser testemunha. E com isto tudo estou e quase a desistir de baptizar o meu menino


Ui estou pasmada... Ele batiza filhos de pais que não são casados e faz uma coisa destas com a madrinha?! É surreal.

Ana Maria Costa1 -
Offline
Desde 01 Fev 2019

Se faz realmente muita questão de batizar o menino pense que o que importa é o que a madrinha representa na vida dele, o que ficar no papel não fará diferença nenhuma. Se esse é motivo para não batizar então é porque não quer muito, um dia se ele quiser ele decide ( para mim é assim que faz sentido).

MisaL -
Offline
Desde 17 Abr 2019

Eu não conheço o padre e não entendo muito do assunto, mas não me parece "ilógico", assim visto de fora.
Quando um bebé é batizado é "independente da fé dos pais", já os padrinhos são aqueles que os guiarão na fé católica.
Não é que ache bem impedir os padrinhos de o serem (até porque já vi padrinhos que nem católicos são batizarem pela igreja), mas não acho que os pais e os padrinhos tenham que estar em pé de igualdade nesta questão.

DianaES escreveu:

marlene1987 escreveu:
DianaES escreveu:
marlene1987 escreveu:
DianaES escreveu:
marlene1987 escreveu:
Andreissse escreveu:O Padre de Espinho costuma ser bastante accessivel. Eu baptizei a minha filha em Espinho apesar de sermos casados escolhemos como padrinhos 1 de cada lado (sem ser um casal) pois para mim não fazia sentido. Amanhã divorciam-se depois a outra parte lá queria saber da minha filha e ele aceitou bem. O meu tio tinha de pedir um papel na igreja de avanca e esse padre era uk tinhoso dizia q n faz sentido baptizar uma criança n tendo padrinhos casados q lógica é essa q só se lembram da religião para o q nos convém loool bem, voltando ao assunto fulcral, na igreja de espinho n terá problemas.

Decidi me a fazer o baptizado em santa Maria de lamas. Ia agora para fazer a marcação e disseram me que não podiam aceitar a madrinha porque vivia em união de facto. Sendo assim vou tentar em Espinho. Já agora algum dos padrinhos estava nesta situação? A minha mãe hoje vai tentar falar com o sacristão. Mas se me pudesse dar umas luzes agradecia...

Quem lhe disse isso? Fale diretamente com o padre, conheço o padre José Carlos da paróquia de santa maria de lamas e não é de colocar esses entraves... Já a secretária do sr. é um bocado indigesta e tem assim uns episódios...

Foi uma senhora que trata desses assuntos. Eu primeiro falei com o padre pelo telefone e ele disse me para passar no salão paroquial e foi o que fiz. Quando cheguei lá e que me perguntaram pelos padrinhos e foi aí que começou com essa conversa...

Pois, foi a secretária dele... ainda por cima tem a mania que manda. Marque diretamente com ele, ele não é nada dado a essas tristezas.

Eu acabei por ligar para ele e ele disse que não aceitava nem que a madrinha trouxesse a declaração de idoneidade. A única coisa que ela poderia ser era ser testemunha. E com isto tudo estou e quase a desistir de baptizar o meu menino

Ui estou pasmada... Ele batiza filhos de pais que não são casados e faz uma coisa destas com a madrinha?! É surreal.