Autismo | De Mãe para Mãe

Autismo

Responda
13 mensagens
Esperançaa -
Offline
Desde 13 Jan 2017

Olá mamãs,

Eu tenho uma menina com 3,5 anos. Ela foi diagnosticada com autismo (Estamos fora de Portugal).
Ela nao frequenta terapia da fala, nem terapia ocupacional, nem psicologia.
Aqui onde vivemos, o maximo que tivemos foi uma educadora especial no infantario.
Esta é a minha primeira e única filha que foi planeada e muito desejada.
Tive uma gravidez tranquila , apesar dos diabetes gestacionais que foi controlado por alimentação.
Ela nasceu às 37 semanas por parto induzido, devido a pre eclampsia.
Tive tensoes muito altas, a parteira e anestesista enganaram-se na medicação durante o parto e em vez de epidural , aplicaram mais medicacao de indução de parto. Sofri horrores.
Como se nao bastasse, deixaram me a sofrer durante muitas horas e tentaram vacuo de forma errada (na testa da bebe).
Em desespero, fui para cesareana de emergencia e demoraram algum tempo a retirar a bebe porque ela estava presa no canal vaginal.
Foi um trauma e deve ter sido para a minha também.
Mas apesar de todas as sequelas ( destruiram a minha bexiga que apos 3 anos inativou a funcionalidade de um dos rins) a minha filha desenvolveu no tempo certo.
Ela sentou-se, andou, parlava. Era muito sorridente.
Ate que aos 11/12 meses comecou a regredir. (so penso nisso agr).
Aos 2, 5 anos foi diagnosticada com autismo por nao falar e nao socializar com os outros meninos.

Vou voltar a Portugal para procurar ajuda para a minha filha pois aqui nao estou a ter as respostas desejaveis.
Ha aqui mamas com filhos autistas que queiram partilhar as suas historias e assim talvez surgirem " luzes" sobre o que se pode fazer pelo melhor dos nossos filhos?

dois negativos e duas gravidez quimicas
Abril18(+) Sim é positivo!!!! 598!

Leticia _29 -
Offline
Desde 12 Set 2019

Em que país está?

Sansa -
Online
Desde 18 Jan 2018

Estão na Noruega não é?
De facto não é um país onde a resposta às necessidades de crianças com TEA seja das melhores. Sugiro contactar associações ou organização que te possa orientar e informar.

ryssie -
Offline
Desde 27 Jan 2010

Olá. Eu tenho um filho autista. Só foi diagnosticado quando entrou na primária, se bem que já desconfiava muito antes. O meu marido (pai) só foi diagnosticado depois dos 40 anos. Se houver alguma dúvida que eu possa esclarecer, pode mandar mensagem.

Sobre ryssie

Ryssie

Esperançaa -
Offline
Desde 13 Jan 2017

Sansa escreveu:
Estão na Noruega não é?
De facto não é um país onde a resposta às necessidades de crianças com TEA seja das melhores. Sugiro contactar associações ou organização que te possa orientar e informar.

Olá. Como sabe?

dois negativos e duas gravidez quimicas
Abril18(+) Sim é positivo!!!! 598!

Esperançaa -
Offline
Desde 13 Jan 2017

ryssie escreveu:
Olá. Eu tenho um filho autista. Só foi diagnosticado quando entrou na primária, se bem que já desconfiava muito antes. O meu marido (pai) só foi diagnosticado depois dos 40 anos. Se houver alguma dúvida que eu possa esclarecer, pode mandar mensagem.

Olá.
Há muita diversidade no autismo. Como é o seu filho?
Não houve necessidade de despistar as suas desconfianças de autismo no seu filho e procurar ajuda profissional?

dois negativos e duas gravidez quimicas
Abril18(+) Sim é positivo!!!! 598!

Sansa -
Online
Desde 18 Jan 2018

Esperançaa escreveu:

Sansa escreveu:Estão na Noruega não é?
De facto não é um país onde a resposta às necessidades de crianças com TEA seja das melhores. Sugiro contactar associações ou organização que te possa orientar e informar.

Olá. Como sabe?


Lembro-me que o referiu num outro tópico.

ryssie -
Offline
Desde 27 Jan 2010

Esperançaa escreveu:

ryssie escreveu:Olá. Eu tenho um filho autista. Só foi diagnosticado quando entrou na primária, se bem que já desconfiava muito antes. O meu marido (pai) só foi diagnosticado depois dos 40 anos. Se houver alguma dúvida que eu possa esclarecer, pode mandar mensagem.

Olá.
Há muita diversidade no autismo. Como é o seu filho?
Não houve necessidade de despistar as suas desconfianças de autismo no seu filho e procurar ajuda profissional?

O meu filho é sociável, comunicativo e aos olhos de toda a gente é uma criança como as outras. Falou muito cedo, de resto tudo foi dentro do tempo. Tem hipersensibilidade - principalmente a roupas e alguns ruídos, não reage nada bem a frustração, tem dificuldades em lidar com as emoções, é pouco autónomo. Não tem imaginação para criar histórias e muita dificuldade em perceber uma história sem apoio visual. Não brincava como os outros, só colocava carros em filas. Além de autista é hiperativo e tem défice de atenção. Rege mal a partidas e brincadeiras dos colegas e fica agressivo por vezes por pouca coisa. É super teimoso e difícil de contrariar quando mete uma coisa na cabeça. ou seja, rigidez de pensamento. Mas com tempo e paciência isso é contornado.
Quando andava no pré-escolar diziam que era "falta de mãe". Não imagina as vezes que ouvi coisas do género. É seguido pelo dr Lobo Antunes. Foi a uma consulta por nossa iniciativa depois do diagnóstico do pai. Não houve necessidade de grande acompanhamento até ir para a primária. Tem terapia com um psicólogo todas as semanas e consulta com o neuro de meio em meio ano. Passou agora de 3 em 3 meses porque a hiperatividade dele estava a prejudicar as aulas. Agora é medicado em tempo de aulas. O mal da medicação é que lhe diminui o apetite e o sono. As notas baixaram ligeiramente no 2º período mas agora já voltou ao que era. É aluno de "muito bom", adora jogar futebol e jogos online com os colegas.

Sobre ryssie

Ryssie

Esperançaa -
Offline
Desde 13 Jan 2017

ryssie escreveu:

Esperançaa escreveu:

ryssie escreveu:Olá. Eu tenho um filho autista. Só foi diagnosticado quando entrou na primária, se bem que já desconfiava muito antes. O meu marido (pai) só foi diagnosticado depois dos 40 anos. Se houver alguma dúvida que eu possa esclarecer, pode mandar mensagem.

Olá.
Há muita diversidade no autismo. Como é o seu filho?
Não houve necessidade de despistar as suas desconfianças de autismo no seu filho e procurar ajuda profissional?

O meu filho é sociável, comunicativo e aos olhos de toda a gente é uma criança como as outras. Falou muito cedo, de resto tudo foi dentro do tempo. Tem hipersensibilidade - principalmente a roupas e alguns ruídos, não reage nada bem a frustração, tem dificuldades em lidar com as emoções, é pouco autónomo. Não tem imaginação para criar histórias e muita dificuldade em perceber uma história sem apoio visual. Não brincava como os outros, só colocava carros em filas. Além de autista é hiperativo e tem défice de atenção. Rege mal a partidas e brincadeiras dos colegas e fica agressivo por vezes por pouca coisa. É super teimoso e difícil de contrariar quando mete uma coisa na cabeça. ou seja, rigidez de pensamento. Mas com tempo e paciência isso é contornado.
Quando andava no pré-escolar diziam que era "falta de mãe". Não imagina as vezes que ouvi coisas do género. É seguido pelo dr Lobo Antunes. Foi a uma consulta por nossa iniciativa depois do diagnóstico do pai. Não houve necessidade de grande acompanhamento até ir para a primária. Tem terapia com um psicólogo todas as semanas e consulta com o neuro de meio em meio ano. Passou agora de 3 em 3 meses porque a hiperatividade dele estava a prejudicar as aulas. Agora é medicado em tempo de aulas. O mal da medicação é que lhe diminui o apetite e o sono. As notas baixaram ligeiramente no 2º período mas agora já voltou ao que era. É aluno de "muito bom", adora jogar futebol e jogos online com os colegas.

Obrigada pela sua partilha.
E eu que achava que a maior parte das crianças autistas tinham dificuldade na interaccao social e na comunicacao verbal.
Espero que consiga encontrar solucoes que nao seja necessario medicar o seu filho.

dois negativos e duas gravidez quimicas
Abril18(+) Sim é positivo!!!! 598!

ryssie -
Offline
Desde 27 Jan 2010

Esperançaa escreveu:

ryssie escreveu:

Esperançaa escreveu:

ryssie escreveu:Olá. Eu tenho um filho autista. Só foi diagnosticado quando entrou na primária, se bem que já desconfiava muito antes. O meu marido (pai) só foi diagnosticado depois dos 40 anos. Se houver alguma dúvida que eu possa esclarecer, pode mandar mensagem.

Olá.
Há muita diversidade no autismo. Como é o seu filho?
Não houve necessidade de despistar as suas desconfianças de autismo no seu filho e procurar ajuda profissional?

O meu filho é sociável, comunicativo e aos olhos de toda a gente é uma criança como as outras. Falou muito cedo, de resto tudo foi dentro do tempo. Tem hipersensibilidade - principalmente a roupas e alguns ruídos, não reage nada bem a frustração, tem dificuldades em lidar com as emoções, é pouco autónomo. Não tem imaginação para criar histórias e muita dificuldade em perceber uma história sem apoio visual. Não brincava como os outros, só colocava carros em filas. Além de autista é hiperativo e tem défice de atenção. Rege mal a partidas e brincadeiras dos colegas e fica agressivo por vezes por pouca coisa. É super teimoso e difícil de contrariar quando mete uma coisa na cabeça. ou seja, rigidez de pensamento. Mas com tempo e paciência isso é contornado.
Quando andava no pré-escolar diziam que era "falta de mãe". Não imagina as vezes que ouvi coisas do género. É seguido pelo dr Lobo Antunes. Foi a uma consulta por nossa iniciativa depois do diagnóstico do pai. Não houve necessidade de grande acompanhamento até ir para a primária. Tem terapia com um psicólogo todas as semanas e consulta com o neuro de meio em meio ano. Passou agora de 3 em 3 meses porque a hiperatividade dele estava a prejudicar as aulas. Agora é medicado em tempo de aulas. O mal da medicação é que lhe diminui o apetite e o sono. As notas baixaram ligeiramente no 2º período mas agora já voltou ao que era. É aluno de "muito bom", adora jogar futebol e jogos online com os colegas.

Obrigada pela sua partilha.
E eu que achava que a maior parte das crianças autistas tinham dificuldade na interaccao social e na comunicacao verbal.
Espero que consiga encontrar solucoes que nao seja necessario medicar o seu filho.

Para já a medicação é só em tempo de aulas. Muitos autistas acabam a necessitar de medicação. Boa parte deles tem distúrbios de ansiedade, ou hiperatividade. Muitas vezes acaba a ser necessário. Não vejo isso como preocupante. Segundo o neuro, os efeitos no apetite e no sono devem regularizar com o tempo. O importante é que ele se sinta bem. Por vezes terapia não chega, muito mais nestas idades onde ainda não há aquele conhecimento sobre si próprio.
Estas coisas vão alterando com o tempo. O meu marido já foi muito medicado quando não tinha diagnóstico, agora apenas toma para dormir de vez em quando para regular a ansiedade.

Sobre ryssie

Ryssie

Videl86 -
Offline
Desde 18 Jul 2014

Há muitos autistas extremamente sociáveis, a forma de sociabilizar é que pode não ser a mais comum, chegando a ser desadequada. Quanto às competências verbais, varia imenso, mas há pessoas autistas com enormes competências verbais, podendo mesmo ser o seu ponto forte. E não é verdade que os autistas (todos) não entendem ironia e sarcasmo, depende do autista. Em inglês diz-se muito "if you know one autistic person, you know ONE autistic person". Claro que há algo comum a todos os autistas e que tornam o seu diagnóstico possível, sendo geralmente dificuldades nas relações sociais (fazer ou manter relações, não necessariamente ambas), agora se essa dificuldade é fruto de uma forma desadequada de socializar ou de não socializarem de todo, vai depender da pessoa.

Sobre Videl86

08 de dezembro de 2014 <3 49,5 cm e 2,920 de amor e doçura <3
13 de dezembro de 2017 <3 47 cm e 2,815 de fofurice e amor <3

Esperançaa -
Offline
Desde 13 Jan 2017

Videl86 escreveu:
Há muitos autistas extremamente sociáveis, a forma de sociabilizar é que pode não ser a mais comum, chegando a ser desadequada. Quanto às competências verbais, varia imenso, mas há pessoas autistas com enormes competências verbais, podendo mesmo ser o seu ponto forte. E não é verdade que os autistas (todos) não entendem ironia e sarcasmo, depende do autista. Em inglês diz-se muito "if you know one autistic person, you know ONE autistic person". Claro que há algo comum a todos os autistas e que tornam o seu diagnóstico possível, sendo geralmente dificuldades nas relações sociais (fazer ou manter relações, não necessariamente ambas), agora se essa dificuldade é fruto de uma forma desadequada de socializar ou de não socializarem de todo, vai depender da pessoa.

Ola Videl.
Tem algum parente autista? Ou esta dentro da área?
Recordo-me de si num outro grupo.
Obrigada pelo comentario Sorriso

dois negativos e duas gravidez quimicas
Abril18(+) Sim é positivo!!!! 598!

Desde 19 Set 2017

Bom dia. Também tenho um filho autista de 5 anos, com atraso global do desenvolvimento, não verbal. A intervenção precoce é de extrema importância e a sua filha estar sem as intervenções e vocês pais sem estratégias para a ajudar a desenvolver é preocupante.
Se tiver Facebook vou-lhe dar a sugestão de 3 grupos onde tem imensos pais de crianças autistas que caso tenha alguma dúvida sobre profissionais a procurar, apoios disponíveis, ou mesmo só para ter com quem conversar com quem também está na mesma situação são excelentes, já me ajudaram muito em diversas situações. 1- “Mães, pais e cuidadores de crianças com necessidades específicas” , 2- “Cuidadores do espectro autista Portugal”, 3- “Mães e pais mais que especiais”
Beijinho