Apoios sociais a mães desempregadas (Covid-19) | De Mãe para Mãe

Apoios sociais a mães desempregadas (Covid-19)

Responda
28 mensagens
MALT -
Offline
Desde 27 Jul 2019

Boa tarde a todas!
Sou mamã de uma bebé de 10 meses e encontro-me desenpregada, tendo o meu subsídio de desemprego terminado há pouco mais de 1 mês. Tendo ouvido as medidas anunciadas pelo primeiro ministro, relativamente aos apoios sociais concedidos às pessoas/famílias devido à Covid-19, fiquei contente por saber que os subsídios de desemprego a pagamento vão ser automaticamente prolongados... No entanto, fiquei triste por saber que eu, que estou desempregada e fiquei sem subsídio há pouco tempo, estando igualmente impossibilitada de procurar trabalho enquanto durar esta pandemia, tendo ainda por cima uma bebé com a qual tenho obrigatoriamente de ficar em casa, não tenho direito a qualquer apoio social... Estou certa? Existe alguma mamã no grupo que saiba de algum apoio a que eu eventualmente possa ter direito?
Muito obtigada, desde já!

Veronica Valente -
Offline
Desde 21 Jun 2019

Olá mamã, compreendo perfeitamente a sua situação, e temos bebes praticamente com o mesmo tempo. No meu caso o meu fundo de desemprego terminou em Dezembro, no entanto consegui arranjar trabalho há uma semana e meia 🙏. Aconselho-a a ligar para o número da segurança social 300 502 502, e talvez a possam ajudar melhor nesse sentido e esclarecer alguma dúvida mais que tenha. Desejo sinceramente que consiga algum apoio, pois sei bem que não é uma situação de todo fácil. Boa sorte e tudo a correr bem 🙏

MALT -
Offline
Desde 27 Jul 2019

Veronica Valente escreveu:
Olá mamã, compreendo perfeitamente a sua situação, e temos bebes praticamente com o mesmo tempo. No meu caso o meu fundo de desemprego terminou em Dezembro, no entanto consegui arranjar trabalho há uma semana e meia 🙏. Aconselho-a a ligar para o número da segurança social 300 502 502, e talvez a possam ajudar melhor nesse sentido e esclarecer alguma dúvida mais que tenha. Desejo sinceramente que consiga algum apoio, pois sei bem que não é uma situação de todo fácil. Boa sorte e tudo a correr bem 🙏

Muito obrigada pela sua resposta mamã! Sorriso
Não é mesmo uma situação fácil, ter uma bebé para criar e só o marido a trabalhar (e salário baixo)...
Tudo de bom para si! ❤

Leticia _29 -
Offline
Desde 12 Set 2019

Olá.
Não consegue pedir o subsídio social de desemprego?
Esse vai pelos rendimentos do agregado se tiver rendimentos mais elevados já não tem direito mas não sei qual é a sua situação financeira.
Mas anda à procura de trabalho? Os hipermercados estão todos a contratar e em grande número então tem sempre essa uma hipótese.
É mãe solteira ou tem companheiro?

Leticia _29 -
Offline
Desde 12 Set 2019

Leticia _29 escreveu:
Olá.
Não consegue pedir o subsídio social de desemprego?
Esse vai pelos rendimentos do agregado se tiver rendimentos mais elevados já não tem direito mas não sei qual é a sua situação financeira.
Mas anda à procura de trabalho? Os hipermercados estão todos a contratar e em grande número então tem sempre essa uma hipótese.
É mãe solteira ou tem companheiro?

Já percebi pelo comentário acima que é casada. Sendo assim se conseguir arranjar emprego o seu marido pode sempre ficar em casa com as crianças.

Marina4 -
Offline
Desde 15 Maio 2016

uma situação chata. a solução seria vocês arranjar emprego (padarias, supermercados , cafés etc) e o seu marido pedir o apoio por assistência a filhos , no caso da creche ter fechado.....mas se calhar o bebé não andava na creche...? aí já não sei.

MALT -
Offline
Desde 27 Jul 2019

Leticia _29 escreveu:

Leticia _29 escreveu:Olá.
Não consegue pedir o subsídio social de desemprego?
Esse vai pelos rendimentos do agregado se tiver rendimentos mais elevados já não tem direito mas não sei qual é a sua situação financeira.
Mas anda à procura de trabalho? Os hipermercados estão todos a contratar e em grande número então tem sempre essa uma hipótese.
É mãe solteira ou tem companheiro?

Já percebi pelo comentário acima que é casada. Sendo assim se conseguir arranjar emprego o seu marido pode sempre ficar em casa com as crianças.

Olá! Obrigada pela sua resposta!
Eu pedi esse subsídio, mas por uns 20€ acima do máximo para se ter direito, não me foi atribuído... Triste
Trabalhar num supermercado ou qualquer outro setor que trabalhe por turnos é impossível para mim, pois o meu marido não pode ficar em casa com a nossa filha, uma vez que ele trabalha numa empresa com poucos funcionários, sendo que é o único que sabe desempenhar as suas funções, não há mais ninguém na empresa que saiba fazer o que ele faz.
Aliás, estando as creches fechadas nesta altura, eu não posso trabalhar mesmo, nem que arranjasse emprego na minha área (gestora de formação), pois não teria quem me ficasse com a bebé. É uma situação complicada mesmo...

MALT -
Offline
Desde 27 Jul 2019

Marina4 escreveu:
uma situação chata. a solução seria vocês arranjar emprego (padarias, supermercados , cafés etc) e o seu marido pedir o apoio por assistência a filhos , no caso da creche ter fechado.....mas se calhar o bebé não andava na creche...? aí já não sei.

Olá! Obrigada pela sua resposta!
A minha filha ainda não andava na creche, mas está inscrita em duas, sendo que numa delas me disseram que se eu arranjasse emprego, arranjariam vaga para ela. Contudo, por causa da covid-19 as creches estão fechadas e então eu estou de mãos atadas, tenho obrigatoriamente de ficar em casa com a minha filha (como expliquei no comentário acima, o meu marido não pode mesmo ficar em casa com a nossa filha). Entristece-me que estejam a ser criados vários apoios para as famílias conseguirem "sobreviver financeiramente" a esta crise, e ninguém se lembre de casos como o meu, que estou igualmente impedida de trabalhar por ter de ficar com a minha filha em casa por causa de não haver creches. Mas como não estava a trabalhar e o meu subsídio de desemprego acabou, fico sem direito a nada, ao contrário de quem estava a trabalhar que recebe apoio para ficar em casa com os filhos, ou quem está a receber subsídio de desenprego e o mesmo vai ser automaticamente prolongado se terminar durante esta crise.

Marina4 -
Offline
Desde 15 Maio 2016

Bom, mas já esteve estes meses a gozar subsídio de desemprego, que muita gente não tem direito ( recibos verdes, empresários comerciantes etc) se formos ver por esse prisma de uns terem direito a coisas e outros não.

Leticia _29 -
Offline
Desde 12 Set 2019

MALT escreveu:

Leticia _29 escreveu:
Leticia _29 escreveu:Olá.
Não consegue pedir o subsídio social de desemprego?
Esse vai pelos rendimentos do agregado se tiver rendimentos mais elevados já não tem direito mas não sei qual é a sua situação financeira.
Mas anda à procura de trabalho? Os hipermercados estão todos a contratar e em grande número então tem sempre essa uma hipótese.
É mãe solteira ou tem companheiro?

Já percebi pelo comentário acima que é casada. Sendo assim se conseguir arranjar emprego o seu marido pode sempre ficar em casa com as crianças.

Olá! Obrigada pela sua resposta!
Eu pedi esse subsídio, mas por uns 20€ acima do máximo para se ter direito, não me foi atribuído...
Trabalhar num supermercado ou qualquer outro setor que trabalhe por turnos é impossível para mim, pois o meu marido não pode ficar em casa com a nossa filha, uma vez que ele trabalha numa empresa com poucos funcionários, sendo que é o único que sabe desempenhar as suas funções, não há mais ninguém na empresa que saiba fazer o que ele faz.
Aliás, estando as creches fechadas nesta altura, eu não posso trabalhar mesmo, nem que arranjasse emprego na minha área (gestora de formação), pois não teria quem me ficasse com a bebé. É uma situação complicada mesmo...

Vai me desculpar mas com esse pensamento é que tão cedo não arranja emprego, ainda mais com a crise que se avizinha.
Não pode estar à espera que seja o estado a ajudar, já teve a sua ajuda, esteve este tempo todo a receber subsídio de desemprego, teve tempo para procurar emprego e arranjar uma creche para a sua bebé.
Agora é altura de trabalhar e de criar condições para o poder fazer.
E isso de que o marido não pode não pode ser assim. Ele não é pai? Porque é que só as mães ficam em casa com os filhos? O trabalho dele não pode ser mais importante do que você trabalhar também.
Eu no seu lugar preferia estar sempre a trabalhar, vai ganhar sempre mais do que qualquer apoio que o estado lhe possa dar que neste caso duvido que vá dar algum.

Leticia _29 -
Offline
Desde 12 Set 2019

MALT escreveu:

Marina4 escreveu:uma situação chata. a solução seria vocês arranjar emprego (padarias, supermercados , cafés etc) e o seu marido pedir o apoio por assistência a filhos , no caso da creche ter fechado.....mas se calhar o bebé não andava na creche...? aí já não sei.

Olá! Obrigada pela sua resposta!
A minha filha ainda não andava na creche, mas está inscrita em duas, sendo que numa delas me disseram que se eu arranjasse emprego, arranjariam vaga para ela. Contudo, por causa da covid-19 as creches estão fechadas e então eu estou de mãos atadas, tenho obrigatoriamente de ficar em casa com a minha filha (como expliquei no comentário acima, o meu marido não pode mesmo ficar em casa com a nossa filha). Entristece-me que estejam a ser criados vários apoios para as famílias conseguirem "sobreviver financeiramente" a esta crise, e ninguém se lembre de casos como o meu, que estou igualmente impedida de trabalhar por ter de ficar com a minha filha em casa por causa de não haver creches. Mas como não estava a trabalhar e o meu subsídio de desemprego acabou, fico sem direito a nada, ao contrário de quem estava a trabalhar que recebe apoio para ficar em casa com os filhos, ou quem está a receber subsídio de desenprego e o mesmo vai ser automaticamente prolongado se terminar durante esta crise.

Você não está a ver bem a situação.
Nem compare o seu "impedimento" para trabalhar com o de famílias que estão a receber estes apoios, pois não podem ir mesmo trabalhar ou porque as empresas onde trabalham estão fechadas ou de quarentena.

Marina4 -
Offline
Desde 15 Maio 2016

Exato, há pessoas que ficaram sem rendimentos, por exemplo cabeleireiros, dentistas e muitos outros.

MALT -
Offline
Desde 27 Jul 2019

Marina4 escreveu:
Bom, mas já esteve estes meses a gozar subsídio de desemprego, que muita gente não tem direito ( recibos verdes, empresários comerciantes etc) se formos ver por esse prisma de uns terem direito a coisas e outros não.

Concordo, existem muitas situações complicadas e injustas, como essas que refere. Mas então, também será injusto quem já esteve a receber subsídio de desemprego, e que por exemplo terminasse hoje, ir continuar automaticamente a recebê-lo até junho... E há de haver muitas pessoas nessa situação que até teriam mais facilidade em arranjar trabalho do que eu, por não terem filhos...

Ana Svensson -
Online
Desde 23 Abr 2017

Não percebo muito bem a questão aqui. Estamos a falar de uma pessoa que já esgotou o seu subsídio de desemprego e, portanto, teve o tempo normal para procurar um emprego novo antes de tudo isto começar. Porque motivo haveria agora de ter direito a ajudas extra? As ajudas que possam existir terão de ser, naturalmente, para quem se viu sem rendimentos por ter de parar a sua actividade como consequência do covid.

MALT -
Offline
Desde 27 Jul 2019

Leticia _29 escreveu:

MALT escreveu:
Leticia _29 escreveu:
Leticia _29 escreveu:Olá.
Não consegue pedir o subsídio social de desemprego?
Esse vai pelos rendimentos do agregado se tiver rendimentos mais elevados já não tem direito mas não sei qual é a sua situação financeira.
Mas anda à procura de trabalho? Os hipermercados estão todos a contratar e em grande número então tem sempre essa uma hipótese.
É mãe solteira ou tem companheiro?

Já percebi pelo comentário acima que é casada. Sendo assim se conseguir arranjar emprego o seu marido pode sempre ficar em casa com as crianças.

Olá! Obrigada pela sua resposta!
Eu pedi esse subsídio, mas por uns 20€ acima do máximo para se ter direito, não me foi atribuído...
Trabalhar num supermercado ou qualquer outro setor que trabalhe por turnos é impossível para mim, pois o meu marido não pode ficar em casa com a nossa filha, uma vez que ele trabalha numa empresa com poucos funcionários, sendo que é o único que sabe desempenhar as suas funções, não há mais ninguém na empresa que saiba fazer o que ele faz.
Aliás, estando as creches fechadas nesta altura, eu não posso trabalhar mesmo, nem que arranjasse emprego na minha área (gestora de formação), pois não teria quem me ficasse com a bebé. É uma situação complicada mesmo...

Vai me desculpar mas com esse pensamento é que tão cedo não arranja emprego, ainda mais com a crise que se avizinha.
Não pode estar à espera que seja o estado a ajudar, já teve a sua ajuda, esteve este tempo todo a receber subsídio de desemprego, teve tempo para procurar emprego e arranjar uma creche para a sua bebé.
Agora é altura de trabalhar e de criar condições para o poder fazer.
E isso de que o marido não pode não pode ser assim. Ele não é pai? Porque é que só as mães ficam em casa com os filhos? O trabalho dele não pode ser mais importante do que você trabalhar também.
Eu no seu lugar preferia estar sempre a trabalhar, vai ganhar sempre mais do que qualquer apoio que o estado lhe possa dar que neste caso duvido que vá dar algum.

Não é uma questão de "pensamento", nem de ter de ser a mãe a ficar com as crianças. O pai da minga filha faz tudo o que pode, desde mudar fraldas, alimentar, dar banho... Tudo mesmo! Não teria qualquer dificuldade em ficar em casa com ela. A questão aqui é que ele não pode mesmo! Ele trabalha numa micro empresa, com apenas 4 funcionários, e uma das funções que ele desempenha, literalmente mais ninguém sabe desempenha-la. Se ele deixasse de trabalhar, ia ser muito complicado para a empreda, e em vez de haver um desempregado cá em casa, corriamos o risco de passar a ser dois.
Obrigada!

MALT -
Offline
Desde 27 Jul 2019

Leticia _29 escreveu:

MALT escreveu:
Marina4 escreveu:uma situação chata. a solução seria vocês arranjar emprego (padarias, supermercados , cafés etc) e o seu marido pedir o apoio por assistência a filhos , no caso da creche ter fechado.....mas se calhar o bebé não andava na creche...? aí já não sei.

Olá! Obrigada pela sua resposta!
A minha filha ainda não andava na creche, mas está inscrita em duas, sendo que numa delas me disseram que se eu arranjasse emprego, arranjariam vaga para ela. Contudo, por causa da covid-19 as creches estão fechadas e então eu estou de mãos atadas, tenho obrigatoriamente de ficar em casa com a minha filha (como expliquei no comentário acima, o meu marido não pode mesmo ficar em casa com a nossa filha). Entristece-me que estejam a ser criados vários apoios para as famílias conseguirem "sobreviver financeiramente" a esta crise, e ninguém se lembre de casos como o meu, que estou igualmente impedida de trabalhar por ter de ficar com a minha filha em casa por causa de não haver creches. Mas como não estava a trabalhar e o meu subsídio de desemprego acabou, fico sem direito a nada, ao contrário de quem estava a trabalhar que recebe apoio para ficar em casa com os filhos, ou quem está a receber subsídio de desenprego e o mesmo vai ser automaticamente prolongado se terminar durante esta crise.

Você não está a ver bem a situação.
Nem compare o seu "impedimento" para trabalhar com o de famílias que estão a receber estes apoios, pois não podem ir mesmo trabalhar ou porque as empresas onde trabalham estão fechadas ou de quarentena.

Estou a ver bem a situação, sim.

MALT -
Offline
Desde 27 Jul 2019

Ana Svensson escreveu:
Não percebo muito bem a questão aqui. Estamos a falar de uma pessoa que já esgotou o seu subsídio de desemprego e, portanto, teve o tempo normal para procurar um emprego novo antes de tudo isto começar. Porque motivo haveria agora de ter direito a ajudas extra? As ajudas que possam existir terão de ser, naturalmente, para quem se viu sem rendimentos por ter de parar a sua actividade como consequência do covid.

Não sei se viu as medidas anunciadas na sexta-feira passada, mas quem estiver a receber subsídio de desemprego, o qual termine durante a vigência dessas mesmas medidas, terá o seu subsídio automaticamente renovado. Essas pessoas também já tiveram o seu tempo de procurar e arranjar emprego, certo? Pois, mas infelizmente nem tudo acontece quando nós queremos, e quem mora num meio pequeno como eu, tem ainda mais dificuldades em arranjar trabalho.
A minha questão veio na sequência do anúncio dessaa medidas, uma vez que com as creches fechadas, não posso mesmo arranjar trabalho, pois não tenho ninguém com quem possa deixar a minha filha. O pai não é opção, pelos motivos que já expliquei.
Vim aqui em busca de ajuda e esclarecimentos e não para reivindicar ou exigir alguma coisa, simplesmente poderia haver alguém que soubesse de algo que me tivesse escapado.
Muitas pessoas estão a passar por dificuldades e eu só vim em busca de ajuda para as minhas.

Ana Svensson -
Online
Desde 23 Abr 2017

MALT escreveu:

Ana Svensson escreveu:Não percebo muito bem a questão aqui. Estamos a falar de uma pessoa que já esgotou o seu subsídio de desemprego e, portanto, teve o tempo normal para procurar um emprego novo antes de tudo isto começar. Porque motivo haveria agora de ter direito a ajudas extra? As ajudas que possam existir terão de ser, naturalmente, para quem se viu sem rendimentos por ter de parar a sua actividade como consequência do covid.

Não sei se viu as medidas anunciadas na sexta-feira passada, mas quem estiver a receber subsídio de desemprego, o qual termine durante a vigência dessas mesmas medidas, terá o seu subsídio automaticamente renovado. Essas pessoas também já tiveram o seu tempo de procurar e arranjar emprego, certo? Pois, mas infelizmente nem tudo acontece quando nós queremos, e quem mora num meio pequeno como eu, tem ainda mais dificuldades em arranjar trabalho.
A minha questão veio na sequência do anúncio dessaa medidas, uma vez que com as creches fechadas, não posso mesmo arranjar trabalho, pois não tenho ninguém com quem possa deixar a minha filha. O pai não é opção, pelos motivos que já expliquei.
Vim aqui em busca de ajuda e esclarecimentos e não para reivindicar ou exigir alguma coisa, simplesmente poderia haver alguém que soubesse de algo que me tivesse escapado.
Muitas pessoas estão a passar por dificuldades e eu só vim em busca de ajuda para as minhas.


A diferença é que quem ainda estiver a receber subsídio de desemprego viu efectivamente a sua procura de emprego prejudicada pelo que está a acontecer. Poderíamos discutir se eu concordo ou não com essa medida, mas isso é outra questão. Agora, que existe uma grande diferença para a sua situação, existe. É certo que nem sempre se arranja emprego quando se quer, mas não estávamos sequer numa época de grandes dificuldades nesse campo. Não me parece, portanto, que deva ser responsabilidade do governo dar ajudas extra nesse sentido.

Marina4 -
Offline
Desde 15 Maio 2016

Se formos ver pelo prisma de quem é mais coitadinho, e os pais que não têm direito a nada porque a criança já completou doze anos? Também não é fácil deixar uma criança dessa idade o dia todo sozinha.

MALT -
Offline
Desde 27 Jul 2019

Marina4 escreveu:
Se formos ver pelo prisma de quem é mais coitadinho, e os pais que não têm direito a nada porque a criança já completou doze anos? Também não é fácil deixar uma criança dessa idade o dia todo sozinha.

Eu não me vim fazer de coitadinha, vim apenas procurar informação.

MALT -
Offline
Desde 27 Jul 2019

Obrigada a quem quis ajudar e me deu informação útil e sem julgamentos. Da minha parte este tópico está terminado, pois já extrapolou em muito o seu objetivo, que era apenas obter uma informação.
Felicidades para todas.

Leticia _29 -
Offline
Desde 12 Set 2019

MALT escreveu:

Leticia _29 escreveu:
MALT escreveu:
Leticia _29 escreveu:
Leticia _29 escreveu:Olá.
Não consegue pedir o subsídio social de desemprego?
Esse vai pelos rendimentos do agregado se tiver rendimentos mais elevados já não tem direito mas não sei qual é a sua situação financeira.
Mas anda à procura de trabalho? Os hipermercados estão todos a contratar e em grande número então tem sempre essa uma hipótese.
É mãe solteira ou tem companheiro?

Já percebi pelo comentário acima que é casada. Sendo assim se conseguir arranjar emprego o seu marido pode sempre ficar em casa com as crianças.

Olá! Obrigada pela sua resposta!
Eu pedi esse subsídio, mas por uns 20€ acima do máximo para se ter direito, não me foi atribuído...
Trabalhar num supermercado ou qualquer outro setor que trabalhe por turnos é impossível para mim, pois o meu marido não pode ficar em casa com a nossa filha, uma vez que ele trabalha numa empresa com poucos funcionários, sendo que é o único que sabe desempenhar as suas funções, não há mais ninguém na empresa que saiba fazer o que ele faz.
Aliás, estando as creches fechadas nesta altura, eu não posso trabalhar mesmo, nem que arranjasse emprego na minha área (gestora de formação), pois não teria quem me ficasse com a bebé. É uma situação complicada mesmo...

Vai me desculpar mas com esse pensamento é que tão cedo não arranja emprego, ainda mais com a crise que se avizinha.
Não pode estar à espera que seja o estado a ajudar, já teve a sua ajuda, esteve este tempo todo a receber subsídio de desemprego, teve tempo para procurar emprego e arranjar uma creche para a sua bebé.
Agora é altura de trabalhar e de criar condições para o poder fazer.
E isso de que o marido não pode não pode ser assim. Ele não é pai? Porque é que só as mães ficam em casa com os filhos? O trabalho dele não pode ser mais importante do que você trabalhar também.
Eu no seu lugar preferia estar sempre a trabalhar, vai ganhar sempre mais do que qualquer apoio que o estado lhe possa dar que neste caso duvido que vá dar algum.

Não é uma questão de "pensamento", nem de ter de ser a mãe a ficar com as crianças. O pai da minga filha faz tudo o que pode, desde mudar fraldas, alimentar, dar banho... Tudo mesmo! Não teria qualquer dificuldade em ficar em casa com ela. A questão aqui é que ele não pode mesmo! Ele trabalha numa micro empresa, com apenas 4 funcionários, e uma das funções que ele desempenha, literalmente mais ninguém sabe desempenha-la. Se ele deixasse de trabalhar, ia ser muito complicado para a empreda, e em vez de haver um desempregado cá em casa, corriamos o risco de passar a ser dois.
Obrigada!

Isso de "ele não pode mesmo" não existe, são desculpas de parte a parte.
Se ele é o único que sabe fazer essa tal função acha que o iam despedir?
De qualquer maneira teve tempo para pensar nisso.
Teve mais que tempo para procurar emprego e colocar o bebé numa creche ou ama.
Porque não o fez?
Não compare o que é incomparável nem se sinta injustiçada porque não é aqui o caso.

Sansa -
Offline
Desde 18 Jan 2018

Leticia _29 escreveu:

MALT escreveu:
Leticia _29 escreveu:
MALT escreveu:
Leticia _29 escreveu:
Leticia _29 escreveu:Olá.
Não consegue pedir o subsídio social de desemprego?
Esse vai pelos rendimentos do agregado se tiver rendimentos mais elevados já não tem direito mas não sei qual é a sua situação financeira.
Mas anda à procura de trabalho? Os hipermercados estão todos a contratar e em grande número então tem sempre essa uma hipótese.
É mãe solteira ou tem companheiro?

Já percebi pelo comentário acima que é casada. Sendo assim se conseguir arranjar emprego o seu marido pode sempre ficar em casa com as crianças.

Olá! Obrigada pela sua resposta!
Eu pedi esse subsídio, mas por uns 20€ acima do máximo para se ter direito, não me foi atribuído...
Trabalhar num supermercado ou qualquer outro setor que trabalhe por turnos é impossível para mim, pois o meu marido não pode ficar em casa com a nossa filha, uma vez que ele trabalha numa empresa com poucos funcionários, sendo que é o único que sabe desempenhar as suas funções, não há mais ninguém na empresa que saiba fazer o que ele faz.
Aliás, estando as creches fechadas nesta altura, eu não posso trabalhar mesmo, nem que arranjasse emprego na minha área (gestora de formação), pois não teria quem me ficasse com a bebé. É uma situação complicada mesmo...

Vai me desculpar mas com esse pensamento é que tão cedo não arranja emprego, ainda mais com a crise que se avizinha.
Não pode estar à espera que seja o estado a ajudar, já teve a sua ajuda, esteve este tempo todo a receber subsídio de desemprego, teve tempo para procurar emprego e arranjar uma creche para a sua bebé.
Agora é altura de trabalhar e de criar condições para o poder fazer.
E isso de que o marido não pode não pode ser assim. Ele não é pai? Porque é que só as mães ficam em casa com os filhos? O trabalho dele não pode ser mais importante do que você trabalhar também.
Eu no seu lugar preferia estar sempre a trabalhar, vai ganhar sempre mais do que qualquer apoio que o estado lhe possa dar que neste caso duvido que vá dar algum.

Não é uma questão de "pensamento", nem de ter de ser a mãe a ficar com as crianças. O pai da minga filha faz tudo o que pode, desde mudar fraldas, alimentar, dar banho... Tudo mesmo! Não teria qualquer dificuldade em ficar em casa com ela. A questão aqui é que ele não pode mesmo! Ele trabalha numa micro empresa, com apenas 4 funcionários, e uma das funções que ele desempenha, literalmente mais ninguém sabe desempenha-la. Se ele deixasse de trabalhar, ia ser muito complicado para a empreda, e em vez de haver um desempregado cá em casa, corriamos o risco de passar a ser dois.
Obrigada!

Isso de "ele não pode mesmo" não existe, são desculpas de parte a parte.
Se ele é o único que sabe fazer essa tal função acha que o iam despedir?
De qualquer maneira teve tempo para pensar nisso.
Teve mais que tempo para procurar emprego e colocar o bebé numa creche ou ama.
Porque não o fez?
Não compare o que é incomparável nem se sinta injustiçada porque não é aqui o caso.


Isso são só as hormonas da gravidez ou ë mais qualquer coisa? É preciso tanto? Ou estás a usar está pessoa para descarregares?

moomis -
Offline
Desde 01 Out 2017

Vocês vão-me desculpar mas eu acho que é exatamente igual à situação onde os outros vão ter direito ao prolongamento.

E percebo que uma família não queira colocar o rendimento garantido em risco só porque sim. Se o marido é o único que pode fazer aquilo, é bastante fácil de perceber que, se não aparecer, o mais provável é ser substituído ( terão de contratar alguém enquanto estiver fora e passa a pária quando regressar).

Além disso o facto de não ter direito ao subsídio de desemprego social por 20€ mostra a estupidez do sistema e ao mesmo tempo a necessidade da família.

Nunca perceberei esta situação. Se sem esses 20€ tinha direito e ficava com mais algumas centenas em casa porque é que não aplicam um tecto máximo de rendimento total a ter? Podiam não pagar exatamente o mesmo mas dar até X.

E há aqui julgamentos para xuxu. Nunca precisei de ajudas mas já passei cerca de 1ano desempregada porque assim que percebiam que eu tinha um bebé pequeno me diziam que não estavam interessados, incluindo alguns grandes grupos portugueses. E nem sequer era quando havia redução de horário.
A época em que estudava foi das piores porque tinha outros encargos e a treta era sempre a mesma. As palavrinhas "não contratamos mães" cheguei-as a ouvir ipsis verbis. E não foram uma nem duas vezes.

Em relação ao emprego no geral há zonas mais e menos propícias, sempre houve e atualmente estamos perante uma grande crise económica. Não vai ser só enquanto isto durar que vai ser complicado - depois iremos entrar numa crise provavelmente pior do que a de 2008.

Agora sabemos que vai precisar de meses até que esta mãe possa pedir trabalho, têm rendimentos baixos e não tem alternativa.
E depois admiram-se de as pessoas terem que recorrer aos avós para ficarem com os netos.
Nem todos terão meios para subsistir de outra forma.

MALT -
Offline
Desde 27 Jul 2019

Sansa escreveu:

Leticia _29 escreveu:
MALT escreveu:
Leticia _29 escreveu:
MALT escreveu:
Leticia _29 escreveu:
Leticia _29 escreveu:Olá.
Não consegue pedir o subsídio social de desemprego?
Esse vai pelos rendimentos do agregado se tiver rendimentos mais elevados já não tem direito mas não sei qual é a sua situação financeira.
Mas anda à procura de trabalho? Os hipermercados estão todos a contratar e em grande número então tem sempre essa uma hipótese.
É mãe solteira ou tem companheiro?

Já percebi pelo comentário acima que é casada. Sendo assim se conseguir arranjar emprego o seu marido pode sempre ficar em casa com as crianças.

Olá! Obrigada pela sua resposta!
Eu pedi esse subsídio, mas por uns 20€ acima do máximo para se ter direito, não me foi atribuído...
Trabalhar num supermercado ou qualquer outro setor que trabalhe por turnos é impossível para mim, pois o meu marido não pode ficar em casa com a nossa filha, uma vez que ele trabalha numa empresa com poucos funcionários, sendo que é o único que sabe desempenhar as suas funções, não há mais ninguém na empresa que saiba fazer o que ele faz.
Aliás, estando as creches fechadas nesta altura, eu não posso trabalhar mesmo, nem que arranjasse emprego na minha área (gestora de formação), pois não teria quem me ficasse com a bebé. É uma situação complicada mesmo...

Vai me desculpar mas com esse pensamento é que tão cedo não arranja emprego, ainda mais com a crise que se avizinha.
Não pode estar à espera que seja o estado a ajudar, já teve a sua ajuda, esteve este tempo todo a receber subsídio de desemprego, teve tempo para procurar emprego e arranjar uma creche para a sua bebé.
Agora é altura de trabalhar e de criar condições para o poder fazer.
E isso de que o marido não pode não pode ser assim. Ele não é pai? Porque é que só as mães ficam em casa com os filhos? O trabalho dele não pode ser mais importante do que você trabalhar também.
Eu no seu lugar preferia estar sempre a trabalhar, vai ganhar sempre mais do que qualquer apoio que o estado lhe possa dar que neste caso duvido que vá dar algum.

Não é uma questão de "pensamento", nem de ter de ser a mãe a ficar com as crianças. O pai da minga filha faz tudo o que pode, desde mudar fraldas, alimentar, dar banho... Tudo mesmo! Não teria qualquer dificuldade em ficar em casa com ela. A questão aqui é que ele não pode mesmo! Ele trabalha numa micro empresa, com apenas 4 funcionários, e uma das funções que ele desempenha, literalmente mais ninguém sabe desempenha-la. Se ele deixasse de trabalhar, ia ser muito complicado para a empreda, e em vez de haver um desempregado cá em casa, corriamos o risco de passar a ser dois.
Obrigada!

Isso de "ele não pode mesmo" não existe, são desculpas de parte a parte.
Se ele é o único que sabe fazer essa tal função acha que o iam despedir?
De qualquer maneira teve tempo para pensar nisso.
Teve mais que tempo para procurar emprego e colocar o bebé numa creche ou ama.
Porque não o fez?
Não compare o que é incomparável nem se sinta injustiçada porque não é aqui o caso.

Isso são só as hormonas da gravidez ou ë mais qualquer coisa? É preciso tanto? Ou estás a usar está pessoa para descarregares?

🤷‍♀️👏❤

MALT -
Offline
Desde 27 Jul 2019

moomis escreveu:
Vocês vão-me desculpar mas eu acho que é exatamente igual à situação onde os outros vão ter direito ao prolongamento.
E percebo que uma família não queira colocar o rendimento garantido em risco só porque sim. Se o marido é o único que pode fazer aquilo, é bastante fácil de perceber que, se não aparecer, o mais provável é ser substituído ( terão de contratar alguém enquanto estiver fora e passa a pária quando regressar).
Além disso o facto de não ter direito ao subsídio de desemprego social por 20€ mostra a estupidez do sistema e ao mesmo tempo a necessidade da família.
Nunca perceberei esta situação. Se sem esses 20€ tinha direito e ficava com mais algumas centenas em casa porque é que não aplicam um tecto máximo de rendimento total a ter? Podiam não pagar exatamente o mesmo mas dar até X.
E há aqui julgamentos para xuxu. Nunca precisei de ajudas mas já passei cerca de 1ano desempregada porque assim que percebiam que eu tinha um bebé pequeno me diziam que não estavam interessados, incluindo alguns grandes grupos portugueses. E nem sequer era quando havia redução de horário.
A época em que estudava foi das piores porque tinha outros encargos e a treta era sempre a mesma. As palavrinhas "não contratamos mães" cheguei-as a ouvir ipsis verbis. E não foram uma nem duas vezes.
Em relação ao emprego no geral há zonas mais e menos propícias, sempre houve e atualmente estamos perante uma grande crise económica. Não vai ser só enquanto isto durar que vai ser complicado - depois iremos entrar numa crise provavelmente pior do que a de 2008.
Agora sabemos que vai precisar de meses até que esta mãe possa pedir trabalho, têm rendimentos baixos e não tem alternativa.
E depois admiram-se de as pessoas terem que recorrer aos avós para ficarem com os netos.
Nem todos terão meios para subsistir de outra forma.

Muito obrigada pelas suas palavras! ❤ Confesso que li a sua opinião com lágrimas nos olhos, pois depois de levar tanta "pancada" aqui por querer encontrar uma resposta que me ajude a atenuar as minhas dificuldades neste momento tão difícil para tanta gente, sendo alvo de juízos de valor por parte de quem não me conhece, nem conhece a minha vida e os motivos que me levam a ainda estar desempregada, é muito bom sentir que alguém me compreende.
De facto não é fácil arranjar emprego primeiro estando grávida, e agora tendo uma bebé pequena...
E com a situação atual, com as creches todas fechadas, não posso mesmo trabalhar... Daí a minha questão se haveria algum apoio social para estes casos, já que quem está a receber subsídio de desemprego também vai continuar a receber se ele entretanto acabar, independentemente de ter ou não filhos menores de 12 anos com os quais tenha obrigatoriamente de ficar em casa. Acho que não fiz uma comparação ou questão disparatada, mas enfim...
Mais uma vez, muito obrigada pela sua compreensão.
Muitas felicidades ❤

Ana Maria Costa1 -
Offline
Desde 01 Fev 2019

Sem querer julgar nada e porque também sei bem o que é ter dificuldade em arranjar trabalho (e sem filhos!) só há uma coisa que me faz espécie e achei bem ajudar a raciocinar: só o seu marido sabe aquela função e a empresa pará sem ele, então se ele fica doente (e nem falo deste vírus) ou lhe acontece algo, que ninguém está livre, e não pode ir trabalhar uns dias como vão fazer? Não seria mais sensato ensinar tb a outro funcionário? Sei que não foi o que perguntou mas às vezes quando estamos dentro não vemos o filme todo.
Um abraço e força!

MALT -
Offline
Desde 27 Jul 2019

Ana Maria Costa1 escreveu:
Sem querer julgar nada e porque também sei bem o que é ter dificuldade em arranjar trabalho (e sem filhos!) só há uma coisa que me faz espécie e achei bem ajudar a raciocinar: só o seu marido sabe aquela função e a empresa pará sem ele, então se ele fica doente (e nem falo deste vírus) ou lhe acontece algo, que ninguém está livre, e não pode ir trabalhar uns dias como vão fazer? Não seria mais sensato ensinar tb a outro funcionário? Sei que não foi o que perguntou mas às vezes quando estamos dentro não vemos o filme todo.
Um abraço e força!

Olá!
Sendo apenas 4 funcionários, em que um deles é a administrativa e outro o patrão/gerente, sobra 1 sem ser o meu marido... O que sobra às vezes sai ao fim de meio ano, ou 1 ano e vem outro... Porque arranjam melhor, ou o patrão não gosta do trabalho deles, etc. A função especifica que o meu marido desempenha poderia ser aprendida por outro, mas para ser feita como deve ser são precisos muitos anos de experiência (o meu marido já trabalha lá há 15 anos). Se as coisas não ficarem bem feitas, perdem clientes. Para ter uma ideia, o meu marido teve de os ir desenrascar durante a licença de paternidade, teve de lá ir alguns dias fazer umas horas, senão não conseguiam dar resposta aos clientes.
Felizmente nunca ficou doente, mas também já lhe perguntei como farão na empresa se isso acontecer.
Obrigada pelo seu apoio!

Outros tópicos relacionados

Estrofem_Estado depressivo
Boa tarde, embora seja o 4ºtt é a 1ªvez que tomo o estrofem. De há cerca de 2 semanas para cá que me sinto bastante depressiva e a piorar de dia para dia. Apercebi-me que coincide com o tempo de toma do estrofem. Li a bula que indica como efeito...
Resultados positivos no privado em Coimbra?
Boa tarde, procuro informação sobre as clinicas privadas de fertilidade em Coimbra, pondero fazer ICSI numa das clinicas. Na verdade já vi aqui no forum testemunhos de positivos na Alberto Barros no Porto ou na Ivi em Lisboa, mas não me parece ter...
Partilhem pfv a v/ experiência de uma cesariana
Pois é...se o parto do Vasco foi normal, dei entrada nas urgências às 21h e ele nasceu à 1,5 da manhã com epidural, sem 1 dor!O parto da Camila está confirmado vai ser de cesariana, tenho placenta prévia obstrutiva. Podem-me relatar a vossa...
Aos 6 meses recusa beber leite
Bom dia, o Vasco recusa-se a beber o biberão. Recusa-se: cerra os lábios, desvia cabeça e ao insistir começa a berrar desalmadamente. Aos 3,5 meses começaram os problemas com a amamentação, exactamente da mesma forma. Fiquei bastante preocupada na...
Tratamento na Alberto Barros
Bom dia, alguém que tenha feito tt na Alberto Barros poderá elucidar-me se todas as análises e exames têm de ser na clinica? Alguém conseguiu que algumas delas fossem prescritas com comparticipação?Obrigado.ana
Estou Grávida!
Boa tarde, Partilho convosco . . . estou Grávida! Se tudo correr bem terei o nosso 2º filho nos meus braços no principio de Julho! O Vasquinho está agora com 18 meses e é o resultado da minha 2ªFiv, agora à 4ªFiv tivemos mais esta noticia...

Votação

Qual destas bebidas consome no dia-a-dia?