As primeiras palavras: como ajudar o bebé a desenvolver a competência da fala? | De Mãe para Mãe

Está aqui

As primeiras palavras: como ajudar o bebé a desenvolver a competência da fala?

De_Mãe_Para_Mãe_As_primeiras_palavras

Rita Costa, Terapeuta da FalaRita Costa, Terapeuta da Fala


Escrevo-vos não só enquanto terapeuta da fala, mas também enquanto mãe de dois, tendo a mais nova 6 meses… E se vos disser que ela já demonstra vários sinais de desenvolvimento linguístico adequado? Não, ainda não diz palavras, mas a verdade é que, antes da fala, há competências que é necessário desenvolver e ela é muito comunicativa: ri, palra, conversa, chora de acordo com as necessidades e aponta para o que quer, não desistindo enquanto não a ajudam a alcançar.

Vamos, então, começar pelo início!


Dos 0 aos 6 meses

Nas primeiras semanas, o nosso bebé tem a sua comunicação muito reduzida, chorando apenas para demonstrar desconforto. Depois, chora de forma diferente consoante as necessidades, seja dor, fome, sono ou chamada de atenção.

Cada vez mais, reage a sons, vira a cabeça na sua direção dos estímulos e são já muitos os sons que produz autonomamente, nomeadamente sução, arrotos, soluços, espirros, suspiros e o palreio.

É nesta fase que surgem os primeiros sorrisos intencionais e nós adoramos vê-los sorrir, muitas vezes em resposta ao nosso sorriso. Os bebés até aos seis meses não falam, mas comunicam connosco e dizem muito sobre o seu bem-estar: surge a tão engraçada protoconversação, em que ainda não falam mas já conversam. Já repararam que, a dada altura, quando nós falamos o bebé tende a permanecer calado e quando nos calamos ele conversa, conversa, conversa…?


Dos 6 aos 12 meses

A partir dos seis meses, os bebés começam uma nova fase, a do balbucio reduplicado. Mais do que produzir sons, começam a produzir cadeias vocais dos mesmos sons repetidos /mamamamama/, /tatatatata/, /bababababa/ e conseguem fazê-lo durante bastante tempo seguido!

Nesta idade, reagem ao nome, reagem quando o adulto nomeia objetos que conhece e utiliza frequentemente, olhando na sua direção ou tentando alcançá-los. Surgem, então, as primeiras palavras - habitualmente “mamã” ou “papá” porque contêm consoantes bilabiais, as mais fáceis a ser aprendidas por serem as mais visíveis.


De Mãe para Mãe As primeiras palavras: como ajudar o bebé a desenvolver a competência da fala?


Então, o que podemos fazer para estimular o bebé a falar?

Escute e responda às iniciativas do bebé (choro, movimentos corporais, riso, olhar…). Se, por exemplo, o bebé chorar com fome, diga: “Calma bebé, a mamã já vai dar de mamar…”.

o Interprete e imite as expressões faciais do seu bebé ou um apontar, ajude-o a descobrir o prazer de comunicar;

o Dê tempo ao bebé para responder. Este é o ponto de partida para a conversação e pode fazê-lo até quando brinca com imitação facial.

Cante e ria com o bebé. O canto acalma os nossos bebés e o riso é uma manifestação de bem-estar físico e emocional.

Utilize gestos. Por um lado, para melhorar a compreensão e, por outro, porque provavelmente o seu bebé cedo começará a tentar imitar, antes ainda de começar a falar. O gesto pode ajudá-lo a fazer-se entender e mais uma vez reforçar o prazer de comunicar.

Fale muito com o seu bebé de forma calma, utilizando frases simples, mas bem construídas e palavras simples, mas bem produzidas.

o Explique o que ouve; o que faz durante a alimentação, higiene…

o Diga o nome de pessoas familiares e objetos do dia a dia.

o Responda ligeiramente acima do nível de produções do seu bebé, o importante é que acrescente informação, por exemplo, o bebé produz /mamamamama/, a mãe pode dizer: “/mamamama/, sim a mamã está aqui a preparar a papa”.


Nunca se esqueça que nós, adultos, somos o modelo dos nossos bebés e que somos nós a promover a sua aprendizagem por isso, acima de tudo, fale com o seu bebé!

Nunca é demais lembrar também que, se tiver dúvidas, se achar que o seu bebé não produz sons, não mantém o contacto ocular ou não sorri, deve falar com o seu médico de família, com o seu pediatra, e não deixe de consultar um terapeuta da fala, que o encaminhará da melhor forma para que sejam efetuados os despistes necessários e para que, em caso de necessidade, a intervenção seja o mais precoce possível. Afinal, estamos todos aqui para ajudar.

Artigo originalmente publicado na quarta edição da Revista De Mãe para Mãe, em julho de 2020.

Votação

Quanto tempo, em média, dura uma consulta com o seu filho no pediatra?
Menos de 10 minutos
8%
Entre 10 a 15 minutos
19%
De 15 a 30 minutos
49%
Cerca de 1 hora
19%
Mais de uma hora
5%
Votos totais: 3337