2ª FIV - tentativa de 2º filho + mães de gémeos | De Mãe para Mãe

Está aqui

2ª FIV - tentativa de 2º filho + mães de gémeos

Responda
3 mensagens
Inessita -
Offline
Desde 27 Jun 2008

Bom dia a todas!
Gostava de partilhar convosco a minha situação e pedir-vos uma ajuda, perceber outras perspectivas e experiências ia ajudar-me bastante.
Em 2014, após alguns tratamentos falhados, fiz uma FIV que resultou felizmente e temos agora uma linda piratinha com quase três anos! À altura dessa FIV congelamos dois embriões e este ano, em Março, tentamos uma TEC mas não resultou. Voltamos agora aos tratamentos e estou a preparar-me para uma segunda FIV.
Para começar, já algo correu menos bem e eu não sei se é normal, se aconteceu a outras meninas. Tinha início de tratamento com Decapeptyl e Puregan (é este? umas injecções caríssimas, por sinal) mas na eco tinha algo que as médicas não sabiam se era um endometrioma ou um folículo dominante. Depois de feitas as análises, ficou em aberto o tratamento. Ou seja, estou agora a fazer o Decapeptyl e terça feira regresso ao hospital para ver se continuo ou não o tratamento. Já fiquei desconfortável pois s inicialmente havia necessidade de um tratamento mais forte, agora já não há? E vou avançar na mesma? Tenho receio de estarmos a desperdiçar a nossa última tentativa.
Por outro lado, e se tudo correr bem, vai chegar o momento de decidir se colocamos um ou dois embriões. Eu morro de medo de tomar a decisão de tentarmos dois e depois não conseguir sustentá-los! Tenho uma piratinha mega enérgica e começo a pensar: 1. como é que tenho tempo e energia para ela e para mais dois? 2. nós lá em casa temos uma vida confortável, é claro que também temos fases de ter as contas muuuuito controladinhas pois o dinheiro não abunda, e se com mais dois filhos n\ao temos como sustentá-los? E os infantários, as fraldas, o leite e as vacinas?! Não me assusta tanto a longo prazo três filhos, mas a curto prazo, naquela fase em que gastamos muito tempo, horas de sono e dinheiro... se eu não aguentar?

Portanto, as minhas questões são duas: acham o decorrer do meu tratamento habitual? Já aconteceu com outras meninas? E quanto a mães de gémeos, como foi? Há por aqui quem tenha três filhos certamente - a vida mudou muito (no sentido de dificuldades acrescidas)?

Gostava muito de ouvir a vossa opinião. Obrigada e desculpem o longo testamento!

guialmi -
Offline
Desde 13 Jul 2013

Sobre a primeira questão, não posso ajudar, mas espero que o tratamento corra o melhor possível e acabe num belo positivo!
Sobre a segunda, vou dar a minha perspetiva de mãe de gémeas. Só tenho as duas, embora o meu marido já tivesse filhos do primeiro casamento (e, portanto, até há muito pouco tempo pagava uma pensão de alimentos bastante alta).
Sobre o ter tempo/energia para duas crianças, acredite que as forças vêm de uma maneira ou de outra. Não é uma tarefa fácil nos primeiros anos, não vou dizer que é, mas se for uma mãe com a capacidade de descomplicar ajuda muito. Também é preciso considerar a questão dos vossos horários de trabalho, a forma como o casal divide as tarefas.. no meu caso, ambos tínhamos horários relativamente flexíveis e o meu marido sempre se encarregou muito das bebés, embora os primeiros anos delas tenham coincidido com um cargo que lhe ocupava m,uito tempo e implicava bastante viagens. Ainda assim, o que mais me custou foi a privação de sono (não dormiram de noite até aos 3 anos), mas isso foi um azar que podia ter acontecido com um único bebé.
.A vossa filha mais velha já terá quase 4 anos, ou seja, a fase mais exigente em termos de trabalho também já terá passado.
Em termos de despesa, também é preciso avaliar a vossa folga financeira, claro. Certamente terão muitas coisas da filha mais velha e o resto podem comprar em segunda mão ou pedir emprestado (a 2ª cama, a 2ª cadeira de refeição, a 2ª cadeira para o carro). O carrinho duplo é uma grande despesa mas também aconselho a comprar em 2ª mão. Se não amamentar, o LA também representa um rombo no orçamento...mas acaba por ser por pouco tempo, assim como as fraldas. Estamos a falar de 2 anos mais apertados, mas depois alivia. Quanto à creche, sim, são 2 mensalidades...eu optei por ter uma empregada em casa porque ia dar ao mesmo e assim ficaram muito mais protegidas. Mas aos 3 anos já as pode pôr no pré-escolar público...
Ou seja, tem de ser uma decisão ponderada, sim, mas também têm de ouvir o coração!

Submetido por guialmi em Sex, 06/10/2017 - 11:12
Inessita -
Offline
Desde 27 Jun 2008

Muito obrigada pelo seu comentário! Sao questões que temos efectivamente de ponderar, mas é tão difícil ouvir a cabeça e o coração ao mesmo tempo! As ajudas são essenciais, claro. E os primeiros anos são os que realmente nos deixam mais tensos, depois já estaríamos habituados, acho eu... Os tratamentos são tão difíceis por causa disto também, o ter de decidir algo que, por norma, seria a própria natureza a decidir... No fundo acaba por ser, mas nós damos uma ajuda também... Obrigada mais uma vez!!

Submetido por Inessita em Sex, 06/10/2017 - 11:17