Pai vs Mãe | De Mãe para Mãe

Está aqui

Pai vs Mãe

Sex, 29/04/2016 - 11:17
Psicologia
mariaritta offline

Bom dia

Eu e o meu marido não nos entendemos na educação dos miúdos. Especialmente no que toca a tecnologias.
Costumo dizer que as crianças estão sempre alertas. Aprendem rapidamente os comportamentos dos pais e imitam-nos.
Sou muito rígida no que toda a Regras (palavra proibida em minha casa pelo meu marido). Mas tenho sempre uma organização de tudo o que tenho de fazer e apesar de tudo estar escrito e afixado (ementas semanais, data dos testes, etc.) eu defino prioridades mentalmente, entre jantares, banhos e tpc´s. Rotinas atípicas porque todos os dias há coisas diferentes e prioridades diferentes. Mas é inútil ainda assim pois sou a única que me esforço para que o final do dia seja calmo, quer para nós quer para eles. Mas está a ser absolutamente impossível. Sozinha tentei criar uma formula de controlo para que tudo funcionasse melhor, já que sou eu que defino as prioridades e sou eu que as tenho de ajustar diariamente. Retirei todas as tv dos quartos e cozinha, escondi os tablet e comandos das consolas assim como as próprias consolas. Isto porque eu também cedo quando traquejo. Mas as coisas pioraram pois é o próprio pai que passou a usar o tlm ou o tablet na frente das crianças e a hora da refeição, e quando estamos todos juntos na sala, ele é o único que não convive pois está de phones ligados a um dos seus equipamentos. Já tentei falar mas acabamos sempre a discutir. Falei lhe em terapia familiar e gerei uma discussão que nunca tinha presenciado. Peço lhe que leia artigos sobre crianças e como educa-las, como nos devemos comportar enquanto pais, mas ele acha que eu que eu é que estou a criar um problema. Enquanto isso o nosso filho tem muitas negativas e problemas de comportamento. Ele da-lhe tareia pois diz que ele com palavras já não vai lá. O menino detesta a escola e esta prestes a chumbar pela 2 vez. Já foi seguido por psiquiatras e psicólogos. Tomou medicação. Mas acabamos por cessar a medicação já que a psicóloga diagnosticou uma irregularidade afectiva. Já não consigo falar com o menino, pois ele prefere o pai apesar de saber que depois leva tareia, consegue falar com ele e o pai deixa o usar os equipamentos dele ou deixa o estar na sala a ver o que quer enquanto o pai usa os phones. Optei por desistir e ... viro as costas. Não janto e deito me!

Como devo proceder? Perdi as esperanças!

Joana Prudêncio

Boa tarde,
Perder as esperanças é que não. Não é virar costas que faz com que os problemas desapareçam! Em primeiro lugar a relação com o marido tem que ser pensada, principalmente em como encontrar uma via de conversação que funcione. Diz-me que não se entendem relativamente educação das crianças. Mas e em relação ao resto? Também não funciona? Se não e se não o conseguem fazer sozinhos, sem dúvida que poderá ser necessário equacionar ajuda externa…considero a terapia familiar uma boa hipótese. A par disso, podia considerar também uma psicoterapia individual…tentar voltar a encontrar as suas forças e equilíbrio…

Em relação ao menino, tendo esse diagnóstico, é na continuação da terapia que vai conseguir encontrar uma estabilização afectiva, a questão é que muito do trabalho passará pelos pais…e ambos deverão estar disponíveis à mudança. Como penso que saiba, e considerando sempre o melhor para a família, há que trabalhar em equipa na obtenção de soluções, na organização das rotinas e regras, para que não se sinta exausta, perdida, incapaz…e que tudo isso deixe de lhe fazer sentido.
Todos sabemos que as tecnologias entraram nas nossas vidas de uma maneira abrupta, mas estas deverão ser utilizadas com limites, e cabe-nos a nós ensinar às nossas crianças como o fazer. Com coragem e determinação tenho a certeza que encontrarão um rumo mais tranquilo a seguir.

Mais perguntas

Qui, 05/10/2017 - 21:51
Psicologia
florestal offline

Boa noite
O meu nome é Carla. Fui mãe vai fazer 4 anos e tive uma depressão pós parto, neste momento continuo a tomar medicação apesar de ter reduzido. Estou a tomar zorix 150 mg. Tenho 38 anos e gostava de voltar a ser mãe. A minha questão é seguinte: existe medicação que seja compatível com a gravidez? Li algumas situações de outras mães que tomaram medicação durante a gravidez. O meu psiquiatra da ultima vez que estive com ele em Março não se manifestou. Gostava de consultar outro especialista mas nem sei a quem recorrer.
Obrigado

Cumprimentos

elodie424 offline

Boa noite,

a minha filha tem 16 meses e frequentou a creche dos 5 aos 7 meses, depois mudamos de zona de residencia e só começou a frequentar de novo a creche mo inicio deste mês. Ela teve alguma dificuldade em adaptar-se e chorava muito, até que houve uma melhoria significativa e ela deu sinal de se estar a adaptar. Mas agora ela chora logo que entre para o carro de manhã, recusa comer na creche, desinteressa-se pelas outras crianças, passa o dia sentada num sofá longe das outras crianças. Estou preocupada, sinto que a menina está bem tratada na creche, mas a sensação que tenho é que ela se aborece, que não é estimulada o suficiente. Já em casa não demostra grande interesse pelos brinquedos dela, e quanto a pessoas, só se interessa por adultos ou crianças mais crescidas. Será normal?

Qua, 26/07/2017 - 04:01
Psicologia
Susana Piolty offline

Onde posso procurar ajuda se sentir que possa ter uma depressão pós-parto?

Ter, 20/06/2017 - 16:24
Psicologia
angeasousa89 offline

Descobri que estou grávida de 6 semanas, mas nestes últimos tempos tenho sentido muito sozinha. O meu marido e família dão me muito apoio mas falta-me algo mais. Falta-me amigas(os) com quem possa desabafar e partilhar todos os meus momentos. Há dias em que sinto-me muito deprimida por não ter com quem conviver. No meu trabalho não tenho colegas com quem posso falar, porque trabalho sozinha (freelancer). E nesta fase da minha vida gostava de poder viver mais a minha gravidez e receio que não consiga.
Sei que ainda é cedo, mas eu olho para as roupas de bebe e não sinto grande interesse em ver coisas para o meu futuro bebe. Sinto-me culpada por não sentir interesse pelo meu bebe!
Eu já passei por momentos muito complicados no passado; tive depressão mas ficou estabilizada já há 8 anos para cá. Apesar de ter tido a um ano atrás, uma crise com um problema grave de familia, eu consegui estabilizar-me sem medicação. Desde que soube da gravidez, não sei bem o que se passou mas tenho tido muitos momentos de muita tristeza, desanimo e solidão.
Posso estar atravessar por uma crise que possa desencadear a depressão na gravidez? Obrigada

Sex, 10/06/2016 - 07:20
Psicologia
jessicavanessa offline

Olá meu nome é Jessica tenho um príncipe q fará 3 anos no próximo mês e tem... transtorno de espectro autista. Descobri esta semana que estava grávida novamente estou desesperada por 3 motivos o meu marido não deseja a gravidez.. tenho medo que o meu segundo filho venha a nascer com o.mesmo problema... e estou com problemas no colo do.utero hpv 16. Fiz uma cónizacao a 1 ano.nao sei o k fazer estou grávida de 3a 4 semanas... já pensei em interromper a gravidez.. por tudo isto....

Sáb, 16/04/2016 - 13:52
Psicologia
TelmaSantosNuno offline

Olá !
Hoje venho com um assunto um pouco diferente, mas a necessitar de alguma ajuda e conselhos...

Já tenho um filho, lindo com 4 anos e estou naquela fase ter outro ou não! O meu maior problema é que trabalho no hospital e faço turnos. A minha mãe ajuda me com o filhote mas diz k outro não ajuda. Como trabalho por turnos eu e o meu marido e não tenho sogros só tenho mesmo a ajuda dela. Muitas vezes tem k ficar 2 dias com o meu filho pois trabalhamos muitas horas seguidas.
Já pensei em contratar alguém para depois ficar com eles, mas a minha mãe quer continuar a ficar com o neto. Eu não queria separar os meus filhos, nem acho bem um ficar com a avó e outro com a empregada. A minha mãe diz me que se serviu até agora para cuidar o bebe, vai continuar a servir, e que não lhe posso tirar o menino. Ela ainda é nova, o meu pai falaceu a uns anos e ela quer retomar a vida dela e eu entendo, mas sinto que não estou a conseguir tomar uma decisão por causa dela...

Às vezes acho que o melhor é esquecer a ideia.
Ajudem por favor
Obrigada e beijinhos