Como deixar de ser uma mãe galinha | De Mãe para Mãe

Goste de nós no Facebook

Destaques nas lojas

Loja susana08

VISITEM A MINHA LOJA: https://guigagu.wixsite.com/guigagu P...

Loja Loving Mom

20% de desconto em tudo ;) H&M, Girândola, Zara, Mayoral...

Loja nublada

Muitas peças de roupa em bom estado, sobretudo menino....

Loja dtandsmps

Em atualizações...A não perder!!!...

Loja M_Marques

60% 60% 60% desconto em TUDO - LIQUIDAÇÃO TOTAL ...

Loja patilago

0-5 anos,.Roupinhas.Babygrows, Pijamas, camisas, sapatinhos...

Loja susana seixas

50% 50% em tudo POR FAVOR ENVIAR MENSAGEM PARA QUALQUE...

Loja Liliya

Novidades já chegaram! Por favor, enviem MP!...

Loja raquel_oliveira

NOVIDADE!!! Roupinhas de menino e menina, usadas mas em bom...

Loja Sefa

Novidades!! Testes de gravidez e de ovulação!...

produtos à venda

€7.00
€6.00
€4.00
€4.00
€5.00
€5.00
€2.00
€2.00
€2.00
€4.00
€2.00
€3.00

artigos relacionados

Criança com boas maneiras

Ensinar boas maneiras aos seus filhos desde tenra idade

Ainda que as boas maneiras devam começar pelos básicos “obrigada(...

As principais regras de educação que todos os filhos devem saber

Algumas regras de educação são tão básicas que é impossível não...

6 primeiros socorros para os quais todos os pais devem estar preparados

O que acontecer nos primeiros momentos de uma emergência com uma...

Criança a usar computador para aceder a internet

Como gerir a Internet na educação dos filhos

Atualmente, a Internet desempenha um papel muito importante na...

10 hábitos de uma mãe com filhos pequenos

A vida de uma mulher muda no momento em que ela se torna mãe. A...

Nasceu um bebé

14.02.2017
13.02.2017
21.01.2017
Rui
03.01.2017

Votação

Quanto gastou ou pretende gastar no carrinho de bebé?

Está aqui

Como deixar de ser uma mãe galinha

A maternidade traz com ela muitas responsabilidades agregadas: amar, ensinar, cuidar e proteger. Acontece que há muitas mães que levam ao exagero a questão da proteção, tornando-se naquilo que habitualmente designamos de “mãe galinha”. É importante perceber, no entanto, que a superproteção pode ser altamente desvantajosa para qualquer criança, ganhando consequências indesejáveis – tais como a inibição e a dificuldade da própria criança em se defender ou em assumir tarefas que lhe são proibidas pela progenitora. É sabido que a personalidade de uma criança se forma até aos sete anos – por isso, se é mãe e está a dar os primeiros passos na maternidade, conheça alguns conselhos para deixar de lado o seu instinto mais “galinha” e assegurar que o seu filho se torne um adulto feliz e independente.

O que é demais, faz mal!

Conhece a expressão? A verdade é que ela faz realmente sentido. Tudo o que é em demasia não é saudável – a atenção, a preocupação, a proteção exagerada. É óbvio que tem de cuidar dos seus filhos e de os fazer sentir protegidos e seguros. Mas isto não pode implicar o controlo total dos seus passos. Todas nós já ouvimos dizer que é preciso cair para nos sabermos levantar e seguir caminho. Permita-se dar espaço aos seus filhos – ao deixá-los realizar pequenas tarefas como brincar sozinhos, colocar a manteiga no pão ou brincar em casa de amigos – não só lhes vai estar a dar espaço como vai estar a promover algo impagável: a sua independência!

Diga não aos pequenos monstrinhos!

O excesso de zelo pode resultar nisto mesmo: em pequenos monstrinhos que, dada a educação de proteção total, não são capazes de fazer nada sozinhos. Uma criança que não adormece sozinha, que não toma banho sem ajuda ou que nem se atreve a ficar umas horas em casa de um familiar revela índices de insegurança que podem derivar num adulto com problemas de autoestima e insegurança. Controle a tendência de ir a correr mal vê os seus filhos a dar cambalhotas no sofá: deixe-os ser crianças e deixe-os aprender o que está certo e o que está errado (sem entrar nos limites do risco, obviamente). Os pequenos monstrinhos de que aqui falamos são normalmente reflexo de uma educação pouco saudável – e evitar isso está totalmente nas suas mãos.

Confie-lhes tarefas

Muitas “mães galinha” não só tentam proteger os filhos de todos os “eventuais perigos” como ainda assumem por eles todas as tarefas. O resultado: crianças que não conseguem fazer rigorosamente nada sem ajuda. Gerir uma casa e uma família implica um sem número de tarefas, nas quais os mais novos também podem (e devem!) colaborar. Peça-lhes que ajudem a pôr a mesa para o jantar, que façam as suas camas e até mesmo que aspirem o chão. São tarefas básicas que trazem inclusivamente bons ensinamentos para o futuro das crianças. E, se eles já forem mais crescidos, peça-lhes para irem à padaria da esquina comprar o pão para o lanche – esta responsabilidade vai torná-los mais independentes e seguros.

Estimule a autonomia

Os seus filhos já estão no segundo ano, mas continua a supervisionar todos os trabalhos de casa e a acompanhar passo-a-passo o estudo para todos os testes? Não o faça. Chega uma altura em que as crianças têm de ser responsabilizadas – e convenhamos que, na idade escolar, a maior (e, muitas vezes, a única!) responsabilidade dos mais novos é precisamente a escola. É importante que eles percebam que estudar e ter boas notas é uma tarefa deles e que depende unicamente do seu esforço. Claro que deve acompanhar o rendimento escolar e que deve estar atenta aos seus resultados, mas a tarefa em si é apenas deles! Tal como muitas outras: vestir-se sozinho, arrumar o quarto depois de brincar, guardar a mochila e as sapatilhas quando chega da escola… estimular a autonomia numa criança é também potenciar a sua autoestima!

É importante que entenda que ser “mãe galinha” não significa necessariamente ser “boa mãe” ou “má mãe”. A maternidade é, acima de tudo, amar, cuidar e ensinar a crescer, para formar adultos capazes e dignos. E isto implica boas maneiras, autonomia, independência e liberdade. Para os filhos e para os pais!