Anestesia epidural: o que é, como funciona, benefícios e desvantagens

Grávida a ser Anestesiada com epidural

A epidural é o tipo de anestesia mais popular para aliviar as dores do parto. A maioria das grávidas opta por uma epidural em prol de outros métodos de alívio das dores.

À medida que se vai preparando para o dia do parto, informe-se e aprenda acerca das soluções para o alívio da dor, e vá formando a sua decisão acerca da experiência que pretende ter com o parto. Descubra o que é, como é aplicada e quais os benéficos e riscos que envolve a anestesia epidural.

O que é a anestesia epidural

A anestesia epidural é uma anestesia local que bloqueia a dor numa região específica do corpo. O objetivo da epidural é aliviar a dor, em vez de fazer com que se perca a sensibilidade total, tal como acontece com as anestesias locais ou gerais. Numa anestesia geral, o anestésico é injetado na circulação sanguínea, atravessando a placenta e atingindo o bebé. Na anestesia epidural isso não acontece, pois apenas bloqueia os impulsos nervosos da espinal medula inferior resultando numa diminuição da sensação na parte inferior do corpo.

Em que consiste a epidural?

A epidural consiste na colocação de um cateter fino, conduzido através de uma agulha condutora, num espaço entre duas membranas: epidural e dura-máter, duas das três membranas que rodeiam o tubo neural onde se encontra a espinal medula. O médico, anestesista, apercebe-se do espaço epidural através da criação de uma pressão negativa resultante do empurrar da agulha condutora junto da segunda membrana, o que de seguida o faz colocar o cateter neste espaço. Este procedimento tem como objetivo bloquear as vias sensitivas, através da injeção de um anestésico neste espaço, junto das inserções neuronais, ao nível das vértebras L3 e L4 (ou mais acima). A medicação administrada inclui anestésicos locais, sendo muitas vezes combinada com doses de opioides para diminuir a quantidade da anestesia local. Desta forma, o alívio da dor é conseguido com os mínimos efeitos secundários possíveis.

Como é administrada uma epidural?

Fluidos intravenosos poderão ser administrados antes do trabalho de parto ativo iniciar e antes sequer do procedimento da administração da epidural. A epidural será administrada por um anestesiologista: ser-lhe-á pedido para arquear as costas e para permanecer imóvel deitada no seu lado esquerdo ou sentada; esta posição é vital para prevenir problemas e aumentar a eficácia da própria epidural. Uma substância anticética será utilizada para limpar a linha da cintura diminuindo a hipótese de infeção. Uma pequena parte das suas costas será injetada com um pouco de anestesia local para ser adormecida. De seguida, na parte inferior das costas, será inserida uma agulha na área dormente. Um pequeno tubo ou cateter é inserido, enrolando-o à volta da agulha até ao espaço epidural. A agulha é cuidadosamente removida deixando o cateter no local para que a medicação seja ministrada através de injeções periódicas ou através da infusão contínua. O cateter será fixado às suas costas com adesivo, para impedir a sua remoção.

Benefícios da anestesia epidural

  • Permite que consiga descansar caso o seu parto seja prolongado.
  • Alivia o desconforto do parto, e especialmente para algumas mulheres, torna a experiência do parto mais positiva.
  • A maioria das vezes a epidural permite uma participação da mulher ativa no parto.
  • Se tiver um parto por cesariana, uma epidural permitir-lhe-á ficar acordada, e no recobro, ajudará no alívio da dor.
  • Quando outro tipo de mecanismos ou técnicas já não forem suficientes para ajudar a aliviar as dores do parto, ou forem capazes de combater a exaustão, a epidural poderá permitir que descanse, relaxe e se mantenha focalizada.
  • O uso da epidural durante o trabalho de parto está continuamente a ser aperfeiçoado, e muito do seu sucesso depende do cuidado com que é administrada.

Desvantagens da anestesia epidural

  • A epidural poderá fazer com que a sua pressão sanguínea desça subitamente. Por este motivo a sua pressão sanguínea é verificada diversas vezes para se confirmar que existe um fluxo sanguíneo adequado para o bebé. Se isto acontecer poderá ter de ser tratada com fluido intravenoso, medicação e oxigénio.
  • Poderá experienciar uma dor de cabeça severa devida a uma fuga do fluido espinal. Menos de 1% das mulheres pode experienciar este efeito secundário, e se persistir poderá ser-lhe administrada uma injeção do seu sangue no espaço epidural, para aliviar a dor de cabeça.
  • Depois de a epidural ser aplicada terá de deitar-se alternadamente de um lado e do outro e ter monitorizações contínuas para verificar o batimento cardíaco do bebé. Se apenas estiver deitada numa posição poderá diminuir o trabalho de parto.
  • Poderá experienciar os seguintes efeitos secundários: tremores, zumbidos na audição, dores de costas, dor no local onde a agulha estiver inserida, náusea ou dificuldade em urinar.
  • A epidural poderá dificultar a força que tem de fazer para conseguir expulsar o bebé, podendo ter de ser usados métodos alternativos para ajudar o bebé a ser expulso.
  • Durante algumas horas depois do parto poderá sentir a parte inferior do corpo dormente, e poderá não conseguir andar sem ajuda.
  • Em casos muito raros, poderão surgir danos ao nível nervoso no local onde o cateter foi inserido.
0
Média: 4.5 (45 votos)